Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Na Câmara dos Deputados

Fim do teto salarial cria privilégios, diz Alvaro Dias

Agência Estado
21 jun 2012 às 18:57
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), afirmou nesta quinta que a proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com os tetos salariais para servidores públicos vai criar uma "casta de privilegiados". O tucano defendeu que se combata "com veemência" a proposta, aprovada nesta quarta por uma comissão especial da Câmara dos Deputados. A matéria ainda terá de ser submetida à votação pelo plenário da Casa antes de ser remetida para o Senado.

"Nós temos que combatê-la com veemência, porque é um absurdo. O teto constitucional foi um avanço, uma conquista da sociedade. Essa iniciativa é um retrocesso imperdoável. É tentativa de se constituir uma casta de privilegiados no serviço público do País, na contramão das aspirações da sociedade, no momento em que o País tem demandas sociais incríveis", afirmou.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Para Alvaro Dias, a proposta abriria uma brecha para que outros setores da sociedade apresentem "reivindicações semelhantes". É o caso, exemplificou, dos próprios deputados e senadores. Pelo texto aprovado, caberia exclusivamente ao Congresso fixar o maior salário pago na administração pública federal.

Leia mais:

Imagem de destaque
Como a facada

Aliados de Lula receiam fortalecimento da direita, e bolsonaristas tentam explorar atentado a Trump

Imagem de destaque
PR é o maior produtor de tilápia

Ministro da Pesca cumpre agenda em Londrina nesta segunda-feira

Imagem de destaque
Matthew Crooks

Suspeito de atirar contra Donald Trump agiu sozinho, diz FBI

Imagem de destaque
Veja vídeo:

É hora de baixar a temperatura na nossa política, diz Biden em pronunciamento nacional

A PEC ainda vincula os salários dos parlamentares aos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), instituindo dessa forma um gatilho automático para a concessão de reajustes. "É evidente que se trata, de certa forma, do corporativismo, de parlamentares legislando em causa própria. Isso é condenável", disse.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade