27/01/21
PUBLICIDADE
Entenda

Justiça do Paraná determina bloqueio de R$ 18 milhões do PT em ação da Lava Jato

A Justiça Federal de Curitiba decretou o bloqueio de R$ 18 milhões do Partido dos Trabalhadores numa ação da Lava Jato que investiga desvio de recursos na construção da sede da Petrobras em Salvador.

Divulgação
Divulgação


Na decisão, o juiz federal Friedmann Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal, diz que o valor bloqueado do PT deve sair do caixa próprio do partido, deixando intocada a verba referente ao fundo partidário.

Além da verba do partido, Wendpap decretou também a indisponibilidade de bens e direitos de 18 réus envolvidos no caso. No total, foram mais de R$ 400 milhões bloqueados.

São alvos da decisão o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o ex-diretor da Petrobras Renato Duque e o acionista e ex-presidente da OAS José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, além da própria construtora. A sentença determina o bloqueio de ativos financeiros, valores mobiliários, veículos, imóveis e participações societárias desses réus.

A decisão foi dada em caráter preliminar no dia 24 de março, mas seu sigilo só foi levantado nesta quinta-feira (2).

O valor total da causa é de R$ 788 mihões e, segundo a força-tarefa da Lava Jato do Paraná, diz respeito à "prática de atos criminosos que geraram enriquecimento ilícito, causaram prejuízo ao erário e atentaram contra os princípios da administração pública, com pagamento de vantagens indevidas referentes à obra realizada para a ampliação das instalações da nova sede da Petrobras em Salvador".

A Procuradoria alega que a construção do prédio da estatal, conhecida em Salvador como Torre Pituba, foi reajustado em 326,93% ao longo de dez anos.

A Torre Pituba é um empreendimento feito com dinheiro da Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, e realizado em conjunto pela OAS e Odebrecht. O projeto previa que o prédio construído fosse alugado para a estatal por 30 anos.

Durante a investigação, os policiais federais ouviram os delatores do departamento de propina da OAS, conhecido formalmente como controladoria, que detalharam como funcionou o esquema para o pagamento de suborno para diretores da Petros, agentes públicos e políticos.
Esses delatores implicaram políticos, dirigentes da Petros, funcionários da Petrobras e também a própria cúpula da OAS.

A reportagem procurou as assessorias e defesas do PT, OAS, Léo Pinheiro, Renato Duque e João Vaccari Neto, mas ainda não teve retorno.
Walter Nunes - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Reduzir o preço do Diesel

Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve

27 JAN 2021 às 16h31
Boato?

Confederação de caminhoneiros desmente greve da categoria

27 JAN 2021 às 16h11
Paraná Pay

Programa Paranaense terá sorteios mensais e fomentará turismo regional

27 JAN 2021 às 15h47
Estacionamento rotativo

Com contrato renovado, Zona Azul vai receber modernizações em Londrina

27 JAN 2021 às 15h34
3,3 milhões de beneficiados

Nascidos em dezembro podem sacar auxílio emergencial a partir desta quarta

27 JAN 2021 às 15h24
Em veículo furtado

PRF apreende carro com mais de mil pacotes de cigarros do Paraguai

27 JAN 2021 às 14h19
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados