12/05/21
PUBLICIDADE
Autocrítica

Mourão diz que governo deveria manter auxílio emergencial que ficou suspenso até abril

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook


O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), disse nesta sexta-feira (16) que o governo deveria ter entendido que a pandemia de Covid não terminaria em dezembro de 2020 e, por isso, mantido o auxílio emergencial, que ficou suspenso até abril de 2021.


"A curva da economia, a curva social, que foi a questão das linhas de crédito abertas, do auxílio emergencial que foi pago, ele deveria ter sido prolongado. Tínhamos que ter entendido que a pandemia iria prosseguir, não iria terminar em 31 de dezembro do ano passado para que a gente conseguisse manter essas duas curvas numa situação mais favorável possível", disse o vice-presidente em entrevista à rádio Gaúcha.

Em 2020, foram cinco parcelas de R$ 600 e quatro de R$ 300. Os desembolsos dobravam para mães chefes de família. Foram gasto R$ 293 bilhões para atender 67,9 milhões de pessoas.

Uma nova rodada do benefício começou a ser paga em abril, com valores inferiores. São quatro parcelas de R$ 150, R$ 250 ou R$ 375. O governo prevê um gasto de R$ 44 bilhões para atender 45,6 milhões pessoas.

Mourão também criticou a comunicação do governo durante a pandemia do coronavírus.
"Julgo que tínhamos que ter uma comunicação mais eficiente junto à população como um todo de modo que a população entendesse a gravidade desta doença", afirmou à radio.

O vice-presidente, porém, se recusou a criticar os maus exemplos dados pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante toda a pandemia.

"Sou o vice-presidente do presidente Bolsonaro, então não compete a mim tecer este tipo de crítica, que, para mim, é deslealdade. O que eu tiver que falar a este respeito eu falo intramuros", afirmou.

Na noite de quinta-feira (15), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou na live do Jair Bolsonaro (sem partido) uma antecipação nas datas de saques da primeira parcela do auxílio emergencial.

Com a mudança, a autorização para saques ou transferências desses valores pelos beneficiários será antecipada em até 18 dias, a depender da data de nascimento.

A alteração não afeta as datas de liberação do auxílio no aplicativo da Caixa, com possibilidade de uso do dinheiro para pagamentos digitais.

Até o momento, também não houve alteração do calendário original de saques e transferências da segunda e da terceira parcelas.

O calendário original previa a liberação de saques, em geral, a cada dois dias, de acordo com o mês de aniversário do beneficiado. Agora, as autorizações serão feitas em dias seguidos, agilizando o processo.
Daniel Carvalho/Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Recomendação da Anvisa

Saúde suspende vacinação com o imunizante da AstraZeneca em gestantes

11 MAI 2021 às 18h35
Operações violentas

Polícia pode entrar em casas para perseguir fugitivo, mas só se tiver indícios

11 MAI 2021 às 17h45
Representatividade

Maringá organiza live de enfrentamento à LGBTFOBIA na próxima segunda (17)

11 MAI 2021 às 17h14
Desligamento Incentivado

Telefônica e sindicatos negociam desligamento de funcionários da Vikstar em Londrina

11 MAI 2021 às 16h55
Após tragédia em SC

Vereadora propõe criação de programa de defesa pessoal para os professores de Londrina

11 MAI 2021 às 16h21
CPI da Covid

Presidente da Anvisa confirma que Saúde sabia que máscaras distribuídas eram impróprias

11 MAI 2021 às 16h08
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados