Pesquisar

Canais

Serviços

- Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Polêmica

Para Alexandre de Moraes, do STF, Silveira fica inelegível mesmo com indulto

Redação Bonde com Agência Brasil
26 abr 2022 às 12:40
Continua depois da publicidade

Alexandre de Moraes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) determinou nesta terça-feira (26) que a Corte pode analisar se o indulto presidencial ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) está conforme  a Constituição e que o ato não deve livrar o parlamentar da inelegibilidade.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


LEIA MAIS: Juiz dá 72 horas para União se manifestar sobre graça constitucional de Daniel Silveira concedida por Bolsonaro

Continua depois da publicidade

Rosa Weber, do STF, dá 10 dias para Bolsonaro explicar indulto a Silveira


“Apesar de o indulto ser ato discricionário e privativo do chefe do poder Executivo, a quem compete definir os requisitos e a extensão desse verdadeiro ato de clemência constitucional, a partir de critérios de conveniência e oportunidade, não constitui ato imune ao absoluto respeito à Constituição Federal”, apontou Moraes em despacho na ação penal em que Silveira foi condenado.


O ministro apontou ainda que “o Poder Judiciário tem o dever de analisar se as normas contidas no decreto de indulto, no exercício do caráter discricionário do presidente da República estão vinculadas ao império constitucional".

Continua depois da publicidade


Moraes destacou que a constitucionalidade do decreto de indulto presidencial será analisada em ADPF (ações de descumprimento de preceito fundamental) relatadas pela ministra Rosa Weber, que nesta terça-feira abriu prazo de dez dias para Jair Bolsonaro (PL) se manifestar acerca do ato.


Para Moraes, no entanto, está claro que Silveira, mesmo com o perdão de pena pelo presidente da República, deve se tornar inelegível em função da Lei da Ficha Limpa.


“Ressalte-se, ainda, que, dentre os efeitos não alcançados por qualquer decreto de indulto está a inelegibilidade decorrente de condenação criminal em decisão proferida por órgão judicial colegiado”, escreveu.


No despacho, o ministro determinou a juntada do decreto de indulto presidencial aos autos da ação penal contra o deputado. Ainda ordenou que a defesa se manifeste em 48 horas sobre o ato e explique uma série de descumprimentos de medidas cautelares por parte do parlamentar.


Por força de decisão do relator, Silveira está obrigado a utilizar, por exemplo, a tornozeleira eletrônica, e proibido de deixar sua residência em Petrópolis (RJ) sem autorização judicial, a não ser para exercer seu mandato em Brasília.


Segundo informações da Secretaria e Administração Penitenciária do Distrito Federal encaminhadas ao Supremo atestam que a tornozeleira do deputado encontra-se desligada ao menos desde o último dia 17 de abril.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade