24/11/20
PUBLICIDADE
Por causa da Covid-19

Toffoli concede prisão domiciliar ao ex-deputado Geddel Vieira Lima

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, concedeu prisão domiciliar ao ex-deputado e ex-ministro de Estado Geddel Vieira Lima, condenado pela Corte a 14 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


A decisão foi tomada devido ao "risco real de morte” em caso de contágio por covid-19, escreveu Toffoli. O ministro destacou que Geddel, de 61 anos, "não só integra o grupo de risco, como apresenta comorbidades preexistentes que evidenciam seu fragilizado estado de saúde”.

O pedido de progressão de regime havia sido feito pela defesa, que alegou que o ex-deputado possui doenças crônicas que agravam o risco de morte caso ele contraia a doença.

O mesmo pedido de prisão domiciliar havia sido negado no fim de março por Edson Fachin, relator do caso em que Geddel foi condenado. Na ocasião, o ministro disse que o ex-deputado se encontrava em uma cela individual e que, devido ao novo coronavírus, medidas de prevenção estavam sendo aplicadas no presídio.

No despacho assinado na noite de terça-feira (14), Toffoli aponta que informações repassadas pela Justiça de Salvador, onde Geddel estava detido, dão conta de um agravamento no estado de saúde do ex-deputado, que já testou negativo para covid-19, mas estaria há 10 dias apresentando "dispneia progressiva”, ou seja, falta de ar.

Geddel foi condenado no caso dos R$ 51 milhões encontrados pela Polícia Federal em 2017 dentro de caixas e malas em um apartamento em Salvador ligado ao ex-deputado. Na época, a defesa de Geddel alegou que o valor decorria da "simples guarda de valores em espécie”.

Outro caso

A decisão de Toffoli ocorre dois dias depois da morte na prisão, por covid-19, do ex-deputado Nelson Meurer, primeiro condenado pelo STF no âmbito da Lava Jato. Ele cumpria pena de 13 anos e 9 meses por corrupção e lavagem de dinheiro na Penitenciária Estadual Francisco Beltrão, no Paraná.

Meurer, que tinha 77 anos, também teve um pedido de prisão domiciliar negado por Fachin em abril. A decisão foi depois confirmada pela Segunda Turma do STF, por maioria.

Em nota divulgada ontem (14), Fachin manifestou "pêsames” pela morte de Nelson Meurer, mas disse que negou a progressão de regime por não haver superlotação nem casos de contágio na penitenciária à época, conforme informado pela Justiça paranaense. O ministro disse ter seguido a recomendação do Conselho Nacional de Justiça para os casos do tipo no contexto da pandemia.
Felipe Pontes/Agência Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Obra viária

Três empresas entram na concorrência para fazer o 'oitão' da Madre Leônia Milito

23 NOV 2020 às 19h17
Salve o número

Copel lança atendimento ao cliente pelo WhatsApp

23 NOV 2020 às 15h44
Descarte correto

Drive-Thru da Reciclagem bate recorde de arrecadação em Londrina

23 NOV 2020 às 14h50
Balanço

GM recebe 64 denúncias de descumprimento aos decretos no fim de semana

23 NOV 2020 às 14h40
Oportunidade

Justiça Federal de Londrina abre seleção para contratar estagiários

23 NOV 2020 às 11h52
Não é fogo!

Brigada de Incêndio simula emergência no prédio da Prefeitura de Londrina

23 NOV 2020 às 11h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados