Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Cenário nacional

Um ano após eleição de Lula, Governo continua suscetível ao "centrão"

José Marcos Lopes - Especial para a Folha
28 out 2023 às 12:30
- Ricardo Stuckert/PR
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um ano após a eleição presidencial mais polarizada da história, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já deu várias sinalizações de políticas opostas às de seu antecessor, mas a dependência do Legislativo não parece ter mudado. 


A recente demissão da presidente da CEF (Caixa Econômica Federal), substituída por um nome ligado a Arthur Lira (PP-AL), mostrou novamente a força do presidente da Câmara dos Deputados e do chamado centrão. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Antes da mudança na CEF, Lula já havia cedido o Ministério dos Esportes para o PP e o Ministério de Portos e Aeroportos para o Republicanos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Indicado por Lula

Flávio Dino toma posse como ministro do STF nesta quinta-feira

Imagem de destaque
'não é um político tradicional'

Haddad afirma que fala de Lula sobre Gaza foi grito de socorro

Imagem de destaque
Manifestação na Av. Paulista

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

Imagem de destaque
Tentativa de golpe

Bolsonaro tem novas derrotas no STF ao tentar afastar Moraes de inquérito e ser dispensado de ir à PF


A demissão de Rita Serrano da presidência da CEF, na quarta-feira (25), foi vista como mais um movimento do governo para tentar garantir votos na Câmara, já que seu substituto, o economista Carlos Antonio Vieira Fernandes, teria sido indicado por Lira. 

Publicidade


Na noite do mesmo dia, a Câmara aprovou o projeto de lei que cria taxações sobre offshores e “super-ricos”, o que poderá representar um alívio em meio aos esforços do governo para tentar zerar o déficit primário no próximo ano. 


A estimativa é que a medida reforce o caixa em R$ 20 bilhões em 2024 e em até R$ 56 bilhões até 2026.

Publicidade


Considerado um tema delicado no início do governo, a taxação dos “super-ricos” (cerca de 2,5 mil investidores em fundos exclusivos com entrada mínima de R$ 10 milhões) foi aprovada com relativa folga, por 323 votos a 119. 


O apoio de partidos da centro-direita e do centrão foi fundamental. O PL do ex-presidente Jair Bolsonaro deu 73 votos favoráveis e somente 12 contrários; o PP e o Republicanos, que integravam a base do governo de Jair Bolsonaro, foram responsáveis por 41 e 37 votos a favor, respectivamente (dez e quatro contra). Mais ao centro, MDB e PSD também apoiaram a proposta do governo, com 29 e 36 apoios cada (foram cinco e dois votos contrários em cada partido).


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Um ano após eleição presidencial, Congresso segue dando as cartas
Depois de pleito mais polarizado desde a redemocratização, cenário mostra um governo Lula tão suscetível ao centrão quanto na era Bolsonaro
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade