Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

ARQUÉTIPO – Caminho psíquico em busca de expressão e comunicação

11 mai 2015 às 17:57
Continua depois da publicidade

Sócrates: "Assim, portanto, naquele que não sabe, existem, acerca dessas coisas que acontece ele não saber, pensamentos verdadeiros sobre as próprias coisas que não sabe?"

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Mênon: "Com certeza:!"

Continua depois da publicidade


Sócrates: " E agora estes pensamentos se erguem nele, como se de um sonho se tratasse"
*Platão, Mênon, 85c.



INTRODUÇÃO

Continua depois da publicidade


Para nós, psicoanalistas, o fato psicológico é tudo aquilo que podemos contar para resgatar junto ao paciente, suas potências soterradas na inconsciência, na medida em que é o fato psicológico que nos assegura conhecer a realidade psíquica do indivíduo.
A realidade psíquica de maneira instintual cria uma série de tensões internas para se expressar.


O Arquétipo seria uma matriz de pensamento que vem, através do tempo e de civilizações sendo utilizado pelo coletivo com nenhuma ou pouca alteração e passa a ser um caminho de comunicação entre o indivíduo e o mundo bem como, comunica ao ego seus conflitos, seus desejos e suas potências desconhecidas ao próprio sujeito.
Exemplos arquetípicos são o mito do herói; a grande mãe; o velho sábio; o mago; a feiticeira; a fada; os duendes; os gigantes; o homem ideal e a mulher ideal; a bruxa; a criança interior e uma série de ideologias que se repetem ao longo da existência da humanidade, como por exemplo, a busca insana pelo poder.


Através da identificação com o arquétipo e posterior desidentificação, o ego, que também é um arquétipo, se empodera tendo ao seu dispor forças que até então por estarem projetadas no arquétipo e com ele identificadas, não lhe atravessavam.
Dessa maneira, o arquétipo passa a ser uma via de acesso à realidade psíquica do indivíduo, bem como de sua possibilidade de se expandir além da atitude neurótica.


A pura identificação com o arquétipo, sem que se instale o processo de individuação, o qual consiste em conhecer e se separar do todo para se inserir no contexto social de modo efetivo, proporciona a inflação ou deflação egóica.
Conhecer os arquétipos de um indivíduo, um grupo ou nação é estabelecer uma comunicação salutar que resultará em fortalecimento através do acesso que se abre às forças instintuais negligenciadas ou soterradas.



"O imaginário, ou seja, o conjunto das imagens que constitui o capital pensado do homo sapiens, aparece-nos como o grande denominador fundamental onde se vêm encontrar todas as criações do pensamento humano."
Gilbert Durand in: "As estruturas Antropológicas do Imaginário".


O fato psíquico se dá através das percepções e da subjetividade. Os sentidos e a inteligência percebem uma imagem do mundo, na qual o indivíduo passa a viver e a ela corresponder.


A totalidade da realidade não é concebível ao indivíduo. No entanto, possuímos quantidades de sinais dessa realidade total, o que nos leva a perceber sensorialmente e intelectualmente que existe mais de realidade do que aquilo que nos foi dado a perceber.


Este também passa a ser um fato psíquico. Uma realidade psíquica que nos imbui de curiosidade e muitas vezes nos faz aventurarmos por outras camadas psíquicas.
Tentar perceber o que está mais além só é conseguido por etapas e pela conjunção de várias linhas de estudo, além de observação, relações e enfim, da soma de experiências.
Conhecer a realidade total é impossível, se não, indesejável. Mas, conhecer a sua própria realidade psíquica é essencial para ser sujeito e não um mero objeto.
Dentre os sinais da realidade mais abrangente que um sujeito não pode conceber, existem os sintomas, delírios, os sonhos, o complexo psíquico autônomo inconsciente; o arquétipo.


O arquétipo não pode tornar-se consciente porque sua essência é psicóide. E somente com a técnica aplicada da imaginação ativa que, básicamente, utiliza-se de uma cisão entre o sintoma e o indíviduo é que é possível conhecer o aspécto arquetípico que influencia o ego e que o faz fazer coisas de que o proprio sujeito julgou ser incapaz.


A "forma" do arquétipo é a própria faculdade de pré-formação que significa a capacidade inata de sempre buscar organizar o mundo como dar nomes as coisas, por exemplo. As representações arquetípicas advêm desta faculdade de pré-formação, de modo que, estas não são, elas mesmas, herdade, são antes, utilizadas para descrever, compreender e satisfazer o desejo de organizar o mundo. Para exemplificar podemos citar a astrologia; a numerologia; as diversas tipologias, etc, etc - todos eles sistemas inventados para que o observador possa organizar o mundo.


Assim como os instintos, a faculdade de pré-formação só será comprovada a partir de sua manifestação concreta e a manifestação do arquétipo é a imagem que o representa.
Podemos concluir que os arquétipos são imagens dos instintos, visto que, os instintos não são apenas impulsos de dentro para fora como também participam das representações ou do mundo das formas.


Desse modo, os instintos participam nas expressões de ações e reações tanto quanto no modo como formulamos aquilo que imaginamos. Afora que são eles, os instintos, os responsáveis por nossas sensações e afetos.


Os instintos levam o homo sapiens a repetir certas manifestações que podem ser observadas através do tempo entre todos os povos.


Essas manifestações que representam a realidade ou mundo das formas são os arquétipos.


PRINCÍPIO DE INDIVIDUALIDADE


O princípio de individualidade faz parte da natureza do homo sapiens. Tendo isso como verdade lhe é instintual buscar a diferenciação. Há um empenho natural em se adquirir individualidade e para lutar contra a igualdade inicial. Lembremos: no princípio era o caos.


Esse processo de individualidade se faz instintivamente na construção do ego. Porém, o ego sofre pressões do superego-princípio da moral coletiva e do id-princípio do prazer, bem como das pulsões de Eros-princípio de vida e de Tânatos - princípio de morte.
Ao lutar pela individualidade o ego ou o sujeito, se expõe às regras morais e à consciência de rebanho, instalando-se, portanto, os mecanismos neuróticos que por sua vez tornará o ego cada vez mais distante de sua sensibilidade instintual, de seu conhecimento e proximidade para com os seus instintos.


Não é raro encontrarmos pacientes nitidamente incapazes de discernir aquilo que deseja do desejo do outro, ou mesmo, distinguir qual é o seu desejo ou ainda, incapaz de verbalizar a emoção que sente frente a algum acontecimento ou mesmo nesse seu presente momento. Faça o teste: o que você está sentindo agora¿ E não vale como resposta algum tipo de justificativa, a resposta a essa pergunta deve ser emocional, ou seja, dizer qual é a emoção que está sentindo. Se caso não estiver sentindo qualquer tipo de emoção, melhor consultar o seu pulso para ver se ele ainda pulsa, pois todos nós que estamos vivos estamos também afetando e sendo afetado por alguma emoção.


Ao se entregar à consciência de rebanho, sabe-se perecer em sua individualidade. Por outro lado, ao se entregar aos seus instintos sabe-se perecer na dissolução do mesmo caos.


Entregar-se à consciência de rebanho ou entregar-se a inconsciência instintual leva, portanto, a mesma indiferenciação de ser eu um sujeito de ação.


Ainda em sua individualidade o sujeito aprende a classificar o caos de onde partiu, em atributos dicotômicos: bem-mal, feio-bonito, quente-frio, luz-treva, etc. O homo sapiens acaba por ser vítima dessa dicotomia em sua luta por sua individualidade, porque a dicotomia compromete o desempenho da autonomia do sujeito, a medida em que o ego tem de optar entre um e outro, não deixando margem as atitudes temperadas.


A individualidade é o que há de singular no indivíduo. É uma tendência, um impulso instintual que tende a diferenciação e separação psicológica de uma coletividade.
O desenvolvimento da individualidade se faz mediante a relação pessoal e social. Pela relação da psique com o inconsciente coletivo, bem como do inconsciente coletivo com a psique.


Esta dinâmica de energia psíquica que atravessa todo o aparelho psíquico tem seu agente de veiculação tanto no social, quanto no individual no arquétipo-Anima/ Animus que significam respectivamente a idéia de mulher na psiqué do homem e a idéia de homem na psiqué da mulher.



"Razões tiradas da experiência me levam a declarar que os conteúdos do inconsciente, em comparação com a atitude da nossa consciência reclamam os mesmos foros de realidade em virtude de sua obstinação e persistência, como os objetos reais do mundo externo". Carl Gustav Jung


*Jung, C.G- "Tipos psicológicos"- Ed. Vozes Ltda, Rio de Janeiro-RJ-1971 (pág.387,454)



O PROCESSO DE INDIVIDUAÇÃO


O processo de individuação (que não é o processo de individualização) pressupõe que o sujeito se abra para a multiplicidade de seu próprio devir através da união dos opostos conhecidos na dicotomia. Dessa união de opostos surge a multiplicidade elevando o sujeito a uma existência de composição entre todas as dicotomias apresentadas pelo meio.


Estar atento e abrir-se para compreender e acolher tal dinamismo são o que Jung chama de processo de individuação. Por isso, este processo não pode ser um processo de individualização, mas de individuação (indivíduo + ação), porque nele está contida tanto a preocupação com fatos do meio social quanto com os fatos do meio psíquico para a elaboração da identidade.


Sartre chama de "esquema" a dinâmica afetiva de imagem. O "esquema" se constitui em factividade e não na substantividade geral do imaginário.


O "esquema" se assemelha ao que Piaget chamou de "símbolo funcional" e ao que Bachelard chamou de "símbolo motor". Faz a junção entre gestos inconscientes do sensório motricidade, entre as dominantes reflexas e as representações.


São estes "esquemas" a base de formação da imaginação, eles estão para o imaginário assim como o esqueleto está para o corpo.


Como diz Sartre em seu texto L´Imagination, o esquema surge como aquele que "presentifica" os gestos e a pulsões inconscientes.


Estes gestos e pulsões em esquemas, em contato com o ambiente natural e social vão determinar os grandes arquétipos tal qual C.G. Jung definiu em Tipos Psicológicos.


Por assim dizer,os arquétipos constituem as substantificações dos esquemas. Jung busca esta noção do arquétipo em Jakob Burkharedt e a traduz em imaginário de "origem primordial", de "protótipo".
Para Jung, o arquétipo possui um trajeto antropológico, vendo neles o estádio preliminar, a zona matricial da idéia e sublinha a importância essencial dos arquétipos como constituintes do ponto de junção entre o imaginário e os processos racionais.


Essa ligação pode ser percebida em duas possíveis conexões entre as imagens e os pensamentos: agrupam-se várias imagens em uma idéia, ou, uma imagem suscita várias idéias. De forma que o conceito acabaria sendo constituído por uma espécie de indução arquetipal.


"Os arquétipos se ligam a imagens muito diferenciadas pelas culturas e nas quais vários esquemas vêm se imbricar." - Gilbert Duran in: As estruturas do imaginário.



A roda, por exemplo, é um arquétipo de esquema cíclico. Por outro lado, a serpente é apenas um símbolo do ciclo, por que a serpente é polivalente em matéria de simbologia, enquanto a roda só pode ser associada ao cíclico, não se percebe que outros significados podem dar à roda, já a serpente tem vários significados.


O arquétipo está mais voltado à idéia enquanto o símbolo traduz mais um substantivo.
O símbolo indica algo desconhecido, um mistério. Veicula um significado vivo e subjetivo que exerce sobre o indivíduo uma poderosa atração ou fascinação. Age como um mecanismo de liberação e de transformação de energia psíquica.


O signo é a unidade de significação que representa uma unidade conhecida.
O símbolo é semântico e o signo é o sinal da cruz usado na adição e multiplicação.
O símbolo é a cruz que inflama sentidos no indivíduo e que advém do arquétipo da roda.
Os símbolos são um produto espontâneo da psique arquetípica. Não se fabrica um símbolo como se fabrica um signo. O símbolo é descoberto e portador de uma energia psíquica.


A psique arquetípica está em incessante atividade de criação dentro de uma corrente de imagens simbólicas vivas que é mais percebida através dos sonhos e das fantasias.


Os símbolos penetram no ego que se identifica com eles e com eles trabalha de forma inconsciente ou passam para o ambiente externo, através de projeções, o que leva o indivíduo a ficar fascinado e envolvido com o objeto que sustenta a projeção.


Diz Jung que o mais importante é diferenciar o consciente dos conteúdos inconscientes.
É preciso, isolar os conteúdos inconscientes e para tal, Jung criou a técnica da "Imaginação Ativa". Através dela personifica-se o conteúdo que chega à consciência através de sonho, fantasia ou projeção, estabelecendo depois, junto com a consciência, um contato com estes personagens internos.


Deste modo se despotencializa o conteúdo psíquico para que não mais exerça seu poder sobre a consciência.


Como os conteúdos psíquicos possuem certa autonomia pode-se dizer que com a personificação destes conteúdos estamos em uma inter-relação com o inconsciente mediante cisão ego/conteúdo.


Na seqüência de símbolo e signo, pode se considerar mito como sistema dinâmico de símbolos e arquétipos, que sob o impulso de um arquétipo, tende a compor-se em narrativa. De modo que o mito é uma racionalização em que os símbolos são descritos em palavras e em que os arquétipos traduzem-se em idéias.
Ele explica a narrativa histórica e lendária promovendo um sistema filosófico ou uma doutrina religiosa através da identificação.


Vimos que existe um instinto de individualidade que busca se diferenciar do caos, que busca ser diferente das massas. Porém, em compensação, existe os instintos gregários, que busca estar junto à coletividade.


É admirável o quanto há de coletivo na nossa, assim chamada, psicologia individual. A força superior do coletivo é de tal ordem que o indivíduo pode desaparecer por completo atrás deste aspecto.


A psicologia social não pode prescindir da tendência à imitação. Sem ela seriam impossíveis as organizações de massa, onde a base da ordem social não é a lei, e sim a imitação, conceito este que abarca sugestionalidade e contágio mental. Advém daí a rigidez individual em determinada "pose", características, atividades e desejos.


Para descobrir o que é autenticamente individual, torna-se necessário uma profunda reflexão.


A individuação é um processo de diferenciação que tem por meta o desenvolvimento da personalidade individual, levando-se em conta sua relação com o social coletivo quanto às categorias de forças soterradas na inconsciência.


Os impulsos vitais compreendem vida e pensamento mítico.


As idéias coletivas inconscientes, bem como as conscientes, se entrelaçam tanto nesses impulsos vitais quanto nos fatos sociais.


De forma que o processo de individuação implica em tornar consciente os arquétipos e outros conteúdos que inconscientemente dinamizam uma individualidade.
Trata-se de realizar o seu "si mesmo" naquilo que tem de mais rebelde a toda comparação. Este, no entanto, é um processo sem fim. Começa no primeiro suspiro de vida e só termina no último suspiro de vida. Por isso que não existe um ser humano "pronto e acabado" ou "resolvido". O ser humano está sempre criando e recriando.


É neste processo que se revelam forças instintuais que foram reprimidas e soterradas no inconsciente, daí que a análise deverá decorrer da compreensão destes conteúdos como categoria de força e não apreciados ou depreciados como categoria moral.


No processo de individuação aplica-se a apreciação como categoria de força a todo conteúdo revelado seja ele o arquétipo de Deus ou do Demonio. Como a moral, é também em nossos tempos, um instinto, fica delimitado o território de análise sobre o mais terrível parâmetro moral: a fidelidade a si mesmo.


Toda verdade é sinuosa à medida que se leva em conta à subjetividade daquele que se diz possuí-la.


Mediante a fidelidade e honestidade a si mesmo aplicando a categoria de força aos conteúdos psíquicos sejam do arquétipo de Deus ou do Demonio que o indivíduo encontrará a saída da neurose.
Infelizmente, é a realidade moral que decide entre saúde e doença para um neurótico.


A neurose que se caracteriza por uma rigidez psicológica, encontrará no processo de individuação um traçado vital, pontos de vista, princípios, idéias, verdade de validade efêmera. Bem como encontrará, nuances que transformarão a dicotomia em pluralidade.


É devido a este aspecto de multiplicidade da verdade que se cria a inserção do indivíduo no coletivo, embora ele esteja dele diferenciado psicologicamente.


O acolhimento às suas próprias diferenças, suas próprias multiplicidades e verdades efêmeras, capacita o indivíduo a acolher o social coletivo sem nele se perder psicologicamente.


Por outro lado, o processo de individuação é confundido com a tomada de consciência do eu. Se fosse assim, não passaria de exercício egocêntrico e de auto-erotismo.


A individuação é um processo de tomada de consciência sim, mas, consciência da pluralidade tanto do coletivo quanto do próprio indivíduo.



"Só pela imaginação vislumbro as coisas que podem vir a tornar-se realidade, e isso é o suficiente para levantar um pouco o terrível interdito. O suficiente para que eu me abandone a ela sem receio de enganar-me". André Breton, Manifeste du Surréalisme


CONCLUSÃO


Seria completamente absurdo atribuir-se ao inconsciente uma psicologia consciente. Seria como se as garras da intelectualidade tomassem as rédeas até mesmo do imponderável e caótico.


A psique inconsciente é de um caráter instintual e nem pensa segundo os critérios daquilo que a consciência entende por pensamento.


A psique inconsciente cria imagens que possibilita à consciência uma dada identificação com a sua situação, e a partir daí ocorre todo um processo intelectivo onde respostas são encontradas. No entanto, a imagem está impregnada de idéias e sentimentos, menos de qualquer reflexão racionalista, por isso, Jung sugere serem tais imagens mais aproximadas de visões artísticas que respondem ao mais profundo da natureza do indivíduo ou coletividade.


É natural que o problema subjacente apresentado na imagem, seja esta arquetípica ou não, tenha suas raízes tanto nos processos instintivos quanto nas aspirações mais idealistas, porque naturalmente, o indivíduo ou a coletividade tem se ocupado apaixonadamente daquela questão.


O inconsciente reage aos conteúdos conscientes e apesar de sua reação ser rica em significado, não é ele que possui a iniciativa e nem dá continuidade ao processo. Cabe ao ego, a consciência, utilizar a energia dos conteúdos inconscientes para instalar racionalmente e conduzir todo o processo de individuação.


Sonia Regina Lunardon Vaz


[email protected]


https://www.facebook.com/CasadaSpyllerPsicologiaJunguiana


BIBLIOGRAFIA

Bachelard, G- La formation de l´esprit scientifique. Vrin, Paris,1947.
Durand, Gilbert – As estruturas antropológicas do imaginário – Ed. Martins Fontes – 1ª edição – SP – 1997.
Jung, C. G. – O eu e o inconsciente – Editora Vozes – vol, VII/2 – 4ª edição – Rio de Janeiro – 1984.
A natureza da Psique – Editora Vozes – vol, VIII/2 – 2ª Edição – Rio de Janeiro – 1986.
Memórias, Sonhos e Reflexões – Editora Nova Fronteira 13ª edição Rio de Janeiro 1963.
Tipos Psicológicos – Editora Vozes – vol, VI – 8ª Edição
Rio de Janeiro – 1991
Piaget, J. - La Formation du Symbole Chez L´enfant – Delachaux et Nieslé, Neuchâtel – Paris,1945.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade