20/06/21
PUBLICIDADE
Cuide-se!

Dia Mundial do câncer de ovário: Oncologista desmistifica dúvidas

Pixabay
Pixabay


As consultas regulares ao ginecologista são compromissos que as mulheres deveriam seguir com regularidade, independentemente de haver ou não sintomas. Isso porque muitas doenças são silenciosas, como o câncer de ovário, segundo tipo de neoplasia ginecológica, atrás apenas do câncer de colo do útero. Cerca de 75% dos diagnósticos deste tipo de doença são feitos tardiamente, quando já afetou outros órgãos.


Estes números podem aumentar devido à crise sanitária. De acordo com dados da SBP (Sociedade Brasileira de Patologia) e da SBCO (Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica), aproximadamente 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados com câncer em razão do afastamento das pessoas dos serviços de saúde.

Neste sábado, dia 8 de maio, é celebrado o dia Mundial do câncer de ovário desde 2013, quando 26 ONGs (Organizações Não Governamentais) de 17 países diferentes se uniram para disseminar informação às suas comunidades sobre os fatores de risco e sintomas da doença. O objetivo é conscientizar sobre a importância de procurar o médico com rapidez caso algum dos sintomas seja identificado.

Para tirar algumas dúvidas sobre o câncer de ovário, o oncologista do Hospital Beneficência Portuguesa, dr. Fernando Maluf, listou alguns mitos e verdades que ainda envolvem o câncer de ovário:

1. O exame preventivo, o Papanicolau, detecta o câncer de ovário?

Não, este exame é indicado para diagnosticar câncer de colo de útero e infecção por HPV, que, aliás, é uma das causas deste tipo de câncer. Para iniciar o diagnóstico do câncer de ovário, é necessário fazer um exame de imagem (ultrassom e/ou ressonância magnética), o qual mostra imagens do órgão e indica para o médico a necessidade ou não de biópsia - este é que realmente vai comprovar se o tumor é maligno ou benigno. O ginecologista vai orientar a paciente, mas, caso a biópsia tenha o resultado positivo para carcinoma, deverá ser encaminhada ao oncologista e ao cirurgião oncológico e iniciar o tratamento o quanto antes.

2. Ovário policístico pode virar câncer de ovário?

Não, cisto no ovário é uma massa benigna a qual não evolui para câncer de ovário, porém, uma das complicações para a mulher é desenvolver a síndrome do ovário policístico, o que pode afetar a qualidade de vida, se não tratada adequadamente pelo ginecologista.

3. Posso engravidar mesmo depois da descoberta do câncer de ovário?

Depende do tratamento indicado. Em muitos casos, a quimioterapia e a cirurgia, principalmente, impedem a gestação, porém o oncologista deve ser comunicado, caso haja o desejo da mulher em ter filhos para pensarem na melhor alternativa.

4. Cólica e dor durante as relações são sintomas da doença?

Depende. Como este tipo de câncer tem sintomas perceptíveis somente quando em estágio mais avançado, alguns sinais podem sinalizar o médico que deva pesquisar mais sobre a queixa da paciente para descartar doenças como endometriose e o próprio câncer. Outros sintomas citados pelas pacientes, como a fadiga, flatulência, aumento na vontade e urgência em urinar, constipação, massa palpável no abdômen, aumento de líquido no peritônio, entre outros. É importante manter o peso na faixa ideal e sempre monitorar sua saúde, mesmo sem sintomas aparentes, pois esta atitude pode salvar vidas!

5. Como é o tratamento?

Como a maioria dos diagnósticos são feitos em estágios mais avançados, os tratamentos disponíveis incluem a quimioterapia e a cirurgia. Há outras medicações chegando ao mercado, como a terapia oral, que estão trazendo novas perspectivas para o tratamento do câncer de ovário - conhecido como o tipo de câncer ginecológico com a menor taxa de sobrevida entre as pacientes, cerca de 45%. Segundo o Inca, a estimativa para este ano é de 6.650 casos e teve registro de 3.879 óbitos em 2017.

6. Não fumo nem bebo e pratico exercícios regularmente, mas, mesmo assim, tive o diagnóstico de câncer de ovário - por quê?

Ter hábitos saudáveis na alimentação e ter uma rotina de exercícios regulares são duas atitudes que ajudam a manter o organismo saudável, além das consultas com seu médico de confiança anualmente. Entretanto, há casos de pacientes oncológicos que, mesmo tendo um estilo de vida mais saudável, descobrem a doença. Por isso, uma investigação genética é indicada para descartar a possibilidade de mutação nos genes BRCA1 e BRCA2, indicação também que deve ser estendida para mulheres jovens, já que a doença tem prevalência em mulheres acima dos 45 anos.
Redação Bonde com assessoria de imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
Folha Entrevista

Atualizações sobre os modelos de concessão dos pedágios

20 JUN 2021 às 00h00
Higiene e diversão

Quatro dicas para transformar o banho das crianças em um momento divertido

19 JUN 2021 às 10h01
Folha Entrevista

Eleições e as manifestações pró e contra o governo Bolsonaro

19 JUN 2021 às 08h00
Anote essas dicas

Como escolher seus incensos: tipos, fragrâncias e propriedades

19 JUN 2021 às 06h00
Aprenda já!

Saldo positivo: uma maneira simples e eficaz de organizar as finanças

19 JUN 2021 às 00h00
Doses remanescentes da vacina

Jovens enfrentam até três horas de fila para tentar xepa de vacina contra Covid em SP

18 JUN 2021 às 17h50
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados