Pesquisar

Canais

Serviços

- Divulgação
Autocuidado

Cuidados com a saúde e pele devem ser redobrados no inverno

Folhapress
23 ago 2021 às 14:55
Continua depois da publicidade

Alimentação saudável e autocuidado são importantes em qualquer época do ano, mas vale um reforço no inverno, pelo menos é o que alertam os especialistas. De acordo com eles, o frio potencializa danos respiratórios e de pele que podem ser amenizados com medidas simples.

Continua depois da publicidade


Problemas respiratórios aparecem com mais frequência no frio, e uma das razões para isso é a aglomeração de pessoas em ambientes fechados, o que facilita a transmissão de doenças. Dentre elas destacam-se gripe, resfriado, rinites e sinusites. Além disso, o clima seco favorece crises de asma, bronquite e alergia.

Continua depois da publicidade


"Com certeza há maior incidência desses transtornos no inverno. O clima seco resseca nossas mucosas e favorece o desenvolvimento de doenças. Manter hábitos saudáveis por meio de hidratação e alimentação adequadas ajudam a manter nosso sistema imunológico ativo", afirma o médico Luis Gustavo de Freitas Trindade, que é clínico geral e nefrologista.


É mais ou menos esse o problema que enfrenta o ator e cantor Leandro Massaferri, 36, que sofre com rinite crônica e asma "desde sempre". "Essas condições pioram no frio. Após vir morar em São Paulo eu comecei a fazer tratamento, mas a cidade, além de mais fria, é bastante seca, e eu senti [o quadro] agravar", diz ele, que é carioca.

Continua depois da publicidade


Para amenizar os transtornos, ele costuma fazer sessões de nebulização com soro fisiológico, além de recorrer à bombinha quando necessário. "O tratamento é todo dia antes de dormir. Já estou acostumado."


Há pelo menos 15 anos a rinite faz parte da vida da educadora física paulistana Marina Soares Ferreira do Amaral, 26. Ela conta que já procurou diversos tipos de tratamento e tomou vários remédios ao longo da vida, mas nada parece funcionar quando o inverno chega.
O tratamento com homeopatia até que resolveu, ela diz, mas em dias gelados é mais complicado. "Eu fico olhando a meteorologia para ver quando chegará o frio, pois detesto baixas temperaturas", comenta.


Adepta da alimentação saudável, ela diz que comer bem também é fundamental. "Reeducar a alimentação te ajuda em muitos aspectos, na qualidade do sono, no [combate ao] estresse. E a água limpa o organismo. É isso que faço", afirma a educadora física.


Quem corrobora essas dicas é o médico e nutrólogo Bruno Queiroz Sander. "É bom incluir mais fibras na alimentação diária. Além de elas serem excelentes para o bom funcionamento do intestino, proporcionam a sensação de saciedade. Também é fundamental, para evitar danos respiratórios, ingerir alimentos ricos em vitamina C", orienta.


Mas o incômodo de Marina com o frio não está relacionado apenas à rinite: ela também diz ter problemas de pele potencializados com temperaturas mais baixas. Alérgica a níquel e cobre, ela conta que percebe a pele mais irritada no inverno.


De acordo com a dermatologista Ana Vitória Ribeiro Perecini, boca rachada e pele mais ressecada são transtornos comuns no inverno e quando há baixa umidade no ar. Nesse período, doenças como dermatites atópica e seborreica, psoríase, ictiose, rosácea e urticária podem ter seus quadros agravados.


No caso de idosos, os danos podem ser ainda maiores. "Isso ocorre devido à diminuição da produção de suor e óleo pelas glândulas, além da perda de sustentação e afinamento da pele. De um modo geral, é preciso usar protetor labial com frequência e investir em hidratantes potentes", orienta a dermatologista.


Existem ainda quadros de hipersensibilidade à temperatura, como a urticária induzida pelo frio, que provoca lesões avermelhadas e elevadas na pele, associadas a inchaço e coceira local.


"Se ocorrerem essas lesões, é válida a avaliação de um dermatologista e a realização de testes para exclusão de outras doenças. O tratamento primário é evitar o frio, se agasalhar bem e usar antialérgicos conforme orientação médica", afirma Ana Vitória Ribeiro Perecini.


Há, ainda, outros problemas que podem ser potencializados pelas baixas temperaturas. A empresária de marketing digital Ane Pastorelli, 33, de São Paulo, conta que tem hérnia de disco há quatro anos e até passou por uma cirurgia em 2019. E adivinhe só o que acontece com essa condição no frio?


"Segundo os médicos me disseram, meus vasos se contraem e, como a hérnia afeta o nervo ciático, isso acaba se refletindo em dor. Para me sentir melhor, uso bolsa de água quente e remédios específicos, além de tentar evitar ficar exposta ao vento e à friagem", diz.


NOVO ESTILO DE VIDA


Decidida a se livrar da moleza e da preguiça que sentia com a chegada do inverno, a diretora de marketing Juliana Umbelino Borges, 31, nascida em Sabará (MG), resolveu mudar seu estilo de vida. Ela conta que tempos atrás não tinha vontade nem de sair da cama quando a temperatura caía.


"Eu ficava indisposta, sem motivação. Também desenvolvi dermatite nervosa, minha pele rachava e eu comia por ansiedade. Focava o trabalho e esquecia de me cuidar", lembra.


Com a pandemia, todos esses sintomas se agravaram. Mas chegou um momento em que Juliana decidiu levantar da cama e agir. A alimentação saudável e a prática de exercícios físicos em casa foram determinantes para uma mudança completa em sua vida.


"Fui aprendendo a comer frutas, legumes. Fui introduzindo coisas novas no prato e entendendo o que me ajudava. Fui vendo que, à medida que comia melhor, meu corpo respondia, eu acordava mais animada, sentia mais força. Faço ioga em casa e agora comprei até uma cama elástica", revela.


"Hoje em dia não me preocupo mais tanto com frio como antes, quando meu rosto ficava todo ferido só de sair na rua. É o primeiro inverno tranquilo que passo na vida. Recomendo às pessoas se comprometerem com elas mesmas", aconselha.

Além de consumir alimentos ricos em nutrientes, a dica da nutricionista Lulia Dib para se manter saudável é beber bastante líquido. "É importante prestarmos atenção na quantidade de água que estamos ingerindo pois, por mais que o frio faça com que essa ingestão seja menor, é fundamental manter o corpo hidratado. O ideal é beber, por dia, 35 ml de água para cada quilo de peso", conclui.


Continue lendo