13/05/21
PUBLICIDADE
Uma das doenças mais antigas

Diagnóstico precoce e tratamento adequado são essenciais no combate à tuberculose

Pixabay
Pixabay


A data de 24 de março marca o Dia Mundial da Tuberculose, uma das enfermidades mais antigas do mundo, mas que ainda mata cerca de um milhão de pessoas anualmente em todo o mundo. No Brasil, cerca de 5 mil perdem a vida em razão da doença todos os anos, segundo dados do Ministério da Saúde. São índices graves, especialmente quando se trata de uma doença curável em praticamente todos os casos, desde que o tratamento seja feito corretamente.


De acordo com João Paulo Monteiro Freitas, enfermeiro de interlocução de vigilância do CEJAM - Centro de Estudos e Pesquisas "Dr. João Amorim", entidade responsável pela gestão de unidades do SUS em São Paulo e outras cidades, neste momento, a campanha também reforça o cuidado das pessoas com Covid-19, já que alguns sintomas podem ser iguais.

"Assim como a tuberculose, a Covid-19 geralmente afeta os pulmões. Nas duas doenças, o paciente também pode apresentar tosse e febre. É provável que pessoas com alguma condição nos pulmões, como os pacientes com tuberculose ou com sistema imunológico debilitado, possam sofrer formas mais graves de Covid-19, se infectadas”, explica o enfermeiro, ressaltando que ainda não há dados conclusivos sobre pacientes com tuberculose infectados pelo Coronavírus.

"Além disso, muitos pacientes com tuberculose vivem em áreas densamente povoadas e essa proximidade aumenta ainda mais o risco de contrair Covid-19”, completa.

Outros sintomas comuns em paciente com tuberculose são: tosse seca ou com secreção por mais de três semanas, cansaço excessivo, suor noturno, falta de apetite, emagrecimento acentuado e rouquidão. Há casos, no entanto, de pacientes que não exibem sinais da doença de imediato ou apresentam sintomas mais leves, o que pode confundir e retardar o diagnóstico correto.



Transmissão e Tratamento

A transmissão da tuberculose é direta, de pessoa a pessoa. Ao falar, espirrar ou tossir, o paciente expele pequenas gotículas de saliva que podem ser aspiradas por outra pessoa. João Paulo frisa que, após o diagnóstico, o paciente deve ser afastado de suas atividades até que inicie o tratamento e apresente exame de escarro negativo.

Segundo o Ministério da Saúde, cada paciente com tuberculose pulmonar sem tratamento pode infectar, em média, de 10 a 15 pessoas por ano.

"Neste período de tratamento, recomenda-se a utilização de máscara e organizar o ambiente onde resida para permitir melhor ventilação e entrada de luz solar. O acompanhamento clínico deve ser realizado mensalmente, visando à identificação de queixas, sinais e sintomas que indicam a evolução e/ou regressão da doença após o início do tratamento, o monitoramento do peso para eventuais ajustes posológicos das medicações e reações adversas para o adequado manejo. Recomenda-se ainda a solicitação de funções hepática e renal e glicemia de jejum ao início do tratamento”, explica.

É importante lembrar que todos os serviços de saúde pública dispõem de exames para a realização do diagnóstico da tuberculose. Dessa forma, pessoas que apresentam tosse persistente por mais de duas semanas já devem procurar uma Unidade Básica de Saúde para a investigação.

"A tuberculose é uma doença que tem cura e é tratada exclusivamente pelo SUS. É muito importante realizar todo o tratamento durante os seis meses, evitando abandonos e casos recidivos no futuro. O principal fator de risco é a coinfecção com o vírus HIV”, afirma o enfermeiro.

O tratamento contra a tuberculose é padronizado e compreende duas fases, de acordo com as recomendações do Ministério da Saúde:

- Fase Intensiva (ou de ataque): tem duração de dois meses, mas pode ser prorrogada de acordo com o total de medicações aplicadas e com resultados de exames de acompanhamento. Tem o objetivo de reduzir e eliminar rapidamente os bacilos da tuberculose. Uma consequência desta rápida redução bacilar é a diminuição da contagiosidade. Para isso, são associados medicamentos com alto poder bactericida.

- Fase de manutenção: tem duração de quatro meses, mas também pode ser prorrogada de acordo com a evolução do tratamento. Tem o objetivo de eliminar os bacilos latentes ou persistentes, não eliminados na primeira fase, reduzindo a possibilidade de o paciente ter a doença novamente, de maneira recidiva.

Para finalizar, João Paulo alerta que muitos pacientes ainda abandonam o tratamento antes de sua conclusão por fatores como alcoolismo, uso de drogas, eventos adversos às medicações e melhora do quadro após o início do processo de recuperação. "O prejuízo ao se interromper o tratamento é criar resistência aos antibióticos utilizados”, conclui.

Sobre o CEJAM

O CEJAM - Centro de Estudos e Pesquisas "Dr. João Amorim”é uma entidade filantrópica e sem fins lucrativos. Fundada em 1991, a Instituição atua em parceria com prefeituras locais, nas regiões onde atua, ou com o Governo do Estado, no gerenciamento de serviços e programas de saúde nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Mogi das Cruzes, Itu, Osasco, Embu das Artes, Cajamar, Campinas, Carapicuíba, Franco da Rocha, Guarulhos, Santos, Francisco Morato, Ferraz de Vasconcelos e Peruíbe.

Com a missão de ser instrumento transformador da vida das pessoas por meio de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde, o CEJAM é considerado uma Instituição de excelência no apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS). O seu nome é uma homenagem ao Dr. João Amorim, médico obstetra e um dos fundadores da Instituição.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
Entenda

Bolsonaro sanciona lei que determina afastamento de grávidas do trabalho presencial

13 MAI 2021 às 09h07
Vacinação

Covid-19: ausência na segunda dose da vacina atrapalha imunização e controle da doença

12 MAI 2021 às 17h46
Análise de contaminados

Perfil genético torna pacientes mais suscetíveis a ter covid-19

12 MAI 2021 às 17h31
Equilíbrio e harmonia

Entenda a importância de dormir bem para o controle de peso e o combate a doenças

12 MAI 2021 às 17h16
Foco e produtividade

Trabalho remoto será comum no pós-pandemia. Sua casa está preparada?

12 MAI 2021 às 16h55
Versatilidade

Aprenda a colocar lace em casa para mudar o visual quando quiser

12 MAI 2021 às 16h28
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados