Pesquisar

Canais

Serviços

Emerson Dias/N.Com
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Cuidado com os vasos!

Flores levadas aos cemitérios podem esconder criadouros do mosquito da dengue

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
29 out 2021 às 14:24
Continua depois da publicidade

Algo simbólico que é muito comum nos cemitérios no feriado de Finados, as flores precisam de uma atenção especial por parte dos visitantes, pois podem esconder criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, Zika e chikungunya. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A professora de medicina veterinária da Unopar, Mércia Seixas, que é especialista em Parasitologia e Moléstias Parasitárias, faz um alerta para quem vai visitar os cemitérios neste feriado de Finados e pretende fazer uma homenagem aos seus entes queridos.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


“Apesar de ser uma linda forma de homenagear e mostrar que aquele ente faz falta, as flores representam um perigo para a sociedade por conta do acúmulo de água que fica nos vasos, principalmente em flores de plástico, pois em suas pétalas não ocorre o vazamento do líquido acumulado", explica.


"Estamos em um período chuvoso, então é de suma importância manter os cuidados para evitar que aquilo se torne um criadouro para o mosquito. O Paraná é um dos estados que mais registraram casos de dengue no Brasil e somente em 2021 foram registradas 32 mortes pela doença, portanto, é essencial que a população contribua para reverter esse cenário”, orienta a especialista.


Sobre os vasos que são fixos nos túmulos, a professora esclarece que o ideal é que tenham furos para o escoamento da água nos dias de chuva e que se coloque flores plantadas, pois assim é possível evitar o acúmulo de água. Vasos com ornamentos de plásticos devem ser evitados. De acordo com a especialista da Unopar, os ovos do mosquito são resistentes e podem sobreviver no ambiente por muito tempo. 

Continua depois da publicidade


“Os vasos decorados com plástico são os que exigem maior atenção. Esse vaso com ornamento vai acumular água e ali vai virar um criadouro do mosquito. É importante alertar a população que o ovo do Aedes aegypti é resistente e pode durar até mais de um ano no ambiente, além disso, o seu ciclo e extremamente rápido. Entre cinco e dez dias o mosquito já entra na fase adulta e começa a transmitir a doença para os seres humanos”, finaliza.


Para auxiliar a população a professora elencou algumas dicas:

- Retire as embalagens plásticas e as jogue no lixo;

- Não utilize os cachepôs (recipiente usado para esconder outros vasos); 

- Preencha os vasos fixos com areia até a boca.

Continue lendo