25/09/20
°/°
PUBLICIDADE
Febre na internet

TikTok é aplicativo mais baixado durante a pandemia

Em 2018, muitos disseram que o aplicativo daquele ano era o TikTok. Estavam errados. Ele é o aplicativo de 2020.

Durante a pandemia, a rede social de vídeos consolidou sua posição como um dos aplicativos mais baixados do planeta. No primeiro semestre de 2020, teve o melhor desempenho de um app na história: 315 milhões de downloads. No segundo trimestre, competiu apenas com o Zoom em número de downloads.


O resultado é que mais de 2 bilhões de pessoas já baixaram o app. Com as pessoas trancadas em casa, o aplicativo mostrou-se um bom companheiro. Isso se reflete no tempo que as pessoas gastam nele.

Em média, toda vez que um usuário abre o TikTok, fica lá por 294 segundos. Como base de comparação, o tempo gasto no Instagram por sessão é de 144 segundos, em média, e, no Twitter, de 114 segundos.

A explicação está no fato de o TikTok ter sido construído para otimizar o consumo de vídeos no celular. Quando alguém abre o TikTok, ele já começa a exibir vídeos na hora, que ocupam a tela toda do aparelho. Ele não tem um "feed", como têm o Facebook ou o Instagram.

Em outras palavras, a comida é servida diretamente, sem que o usuário precise olhar o cardápio. Além disso, o TikTok não se importa se você criou uma conta ou não, nem se você tem muitos ou poucos seguidores (o chamado "social graph").

Além disso, ele dá a oportunidade de viralização tanto para quem é grande quanto para quem é pequeno. Se o conteúdo é bom, a inteligência artificial da plataforma vai testando-o sucessivamente para públicos cada vez maiores, ampliando seu alcance se ele continuar a "performar".

Ademais, o TikTok adotou um modelo agressivo de parcerias com celebridades. Há rumores de que a plataforma chegou a pagar influenciadores para postar lá.

Investiu também pesado em publicidade. No início de 2019, 13% de todos os anúncios exibidos no Facebook eram do TikTok. A plataforma chegou a gastar US$ 3 milhões por dia com anúncios. Os gastos foram praticamente zerados a partir de abril de 2019. Não era preciso investir mais. O jogo já estava ganho.

Com grande sucesso vêm grandes responsabilidades. O TikTok é produto da chinesa Bytedance. A empresa é considerada hoje a startup mais valiosa do planeta. E uma das mais ágeis. Além do TikTok, já tem produtos na área de música (Resso) e mensagens (Feiliao), para competir com o Spotify e o WhatsApp.

Neste exato momento, o TikTok está sob ataque. Vem sendo acusado de coletar dados exorbitantes dos usuários. Há também ameaças de que possa ser banido nos Estados Unidos, por alegado risco à segurança nacional. Se isso acontecer, a decisão não será fácil.

Banir o TikTok será equivalente a colocar fim ao sonho da internet enquanto rede para a qual ninguém precisa pedir permissão ("permissionless"). O banimento seria o oposto de toda a ideologia do Vale do Silício, de uma rede aberta.

Se for exigido que ele seja retirado das lojas de aplicativos, a decisão poderá fraturar a internet. Terá sabor de ponto final em uma certa inocência da rede que conhecemos até agora.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Skincare
Que tal pensar na sua rotina de cuidados com a pele na primavera?
25 SET 2020 às 08h35
Pazuello diz
Pazuello afirma que Brasil viverá em outubro uma nova forma de tocar a vida em relação à pandemia
25 SET 2020 às 08h09
Dados da ONU
Brasil é o terceiro pior país da América Latina em direitos políticos para as mulheres
24 SET 2020 às 11h27
Confira!
Seu signo combina com qual atividade física? Saiba mais
24 SET 2020 às 08h55
Em pandemia
Dia Mundial de Combate ao Estresse: 5 reflexões importantes
23 SET 2020 às 11h25
Viralizou!
Criança deixa bilhete de desculpas após riscar carro com bicicleta
23 SET 2020 às 08h40
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados