12/11/19
33º/20ºLONDRINA
Danos morais

Escola particular é condenada por expulsar criança autista

Uma escola privada de Brasília foi condenada a pagar R$ 20 mil em danos morais a uma criança com Síndrome de Asperger, um transtorno do espectro autista, depois de expulsá-la sob a justificativa de "insegurança no ambiente escolar". A decisão é em primeira instância e a instituição vai recorrer.

O desligamento se deu em maio de 2014, no meio do ano letivo - Amir Robemboim Bliacheris, de 11 anos, cursava o 6.º ano do ensino fundamental no Colégio Logosófico González Pecotche, na Asa Norte. A escola afirma que não tinha conhecimento da doença do aluno, interpretando suas necessidades de expressão como as de um "estudante pré-adolescente".


De fato, ao ser matriculado no colégio, Amir ainda não tinha o diagnóstico de autismo, mas já havia sido identificada uma depressão infantil. A criança, às vezes, tinha surtos de agressividade - principalmente verbais - e sensibilidade crítica ao barulho. Os incidentes, como brigas na quadra esportiva e outras desavenças com colegas, foram considerados pela escola um "acúmulo de excessos" que culminou na expulsão.

"Na época da Copa, chegou uma menina com a camisa da Argentina e ele vaiou e demonstrou raiva. Foi suspenso. As coisas começaram a tomar uma proporção enorme", diz o servidor público Marcos Bliacheris, pai de Amir, que veio de Porto Alegre (RS) para Brasília, com a família, em função do trabalho. O presidente do Conselho Diretivo da Fundação Logosófica (mantenedora do colégio), José Marcio Moreira Corrêa, afirmou que a escola "fez tudo o que foi possível, até junto aos pais, para contribuir para o bom desenvolvimento do aluno". Marcos contesta a falta de tratamento especial que as condições do filho exigiam. Amir teria sido obrigado, por exemplo, a apagar - e refazer - quatro vezes o conteúdo do caderno, em função da má caligrafia. "A coordenação motora dele é péssima. Depois de tanta repetição, ele explodia, podendo dizer coisas horríveis", relata o pai.

Outro episódio marcante à família Bliacheris foi o momento em que foi solicitado à escola que Amir fosse posicionado nas cadeiras da frente, pois a bagunça do "fundão" o atordoava. O pai diz que, em princípio, o pedido lhe foi negado, já que a criança seria "muito grande" e atrapalharia os demais. A instituição teria cedido só depois de muita insistência. "Não o tratavam como uma criança, mas como uma ameaça", desabafa. O Colégio Logosófico diz não comentar episódios específicos relacionados a alunos ou ex-alunos, "para evitar a exposição".

No início de dezembro, o juiz Wagner Pessoa Vieira, da 5.ª Vara Cível de Brasília, julgou procedente o pedido da família do menino, considerando que houve um "defeito na prestação dos serviços educacionais destinados a atender as necessidades do autor, o que impõe (...) a obrigação do réu de compensar os danos morais".

A defesa negou a negligência, argumentando que a coordenadora da escola transmitia a Amir orientações individuais e os episódios de agressividade "não foram tratados com a devida importância pelos genitores". Também sustentou que a decisão de desligamento foi "pormenorizadamente justificada em ata" e "decorreu do exercício regular de direito". O juiz, no entanto, optou pela condenação do colégio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Agência Estado
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Já são 28 instituições

Inep assina mais um convênio para estudar em Portugal com nota do Enem

Na educação básica

MEC autoriza nome social para travestis e transexuais

Veja mais e a capa do canal