17/02/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Prejuízo

Cancelamento do programa Idioma Sem Fronteiras atinge UEL

Comunicado enviado nesta quinta-feira (9) pela Secretaria de Educação Superior (SESU), do Ministério da Educação, aos 54 coordenadores do Programa Idioma Sem Fronteiras (ISF), oficializou o corte das bolsas do programa, criado oficialmente em 2012 para auxiliar universitários a terem acesso aos programas de mobilidade, fomentando a internacionalização nas Instituições de Ensino.

Saulo Ohara/Grupo Folha
Saulo Ohara/Grupo Folha


Na UEL foram cortadas seis bolsas oferecidas aos professores de inglês, já que as turmas dos idiomas de Italiano, Espanhol e Português para estrangeiros eram realizadas de forma voluntária pelos instrutores.

Segundo comunicado do governo federal, as bolsas dos coordenadores estão suspensas a partir deste mês, como adequação ao Decreto 9.741/19, que dispõe sobre a programação orçamentária e financeira e estabelece o cronograma mensal de investimentos da União. Professores bolsistas de cursos presenciais terão assegurados os pagamentos até o final das atividades das turmas, previstas para o próximo mês.

De acordo com a coordenadora geral do programa na UEL, professora Marluce Fagotti de Paiva, desde setembro de 2017 o ISF mantinha seis professores bolsistas e dois coordenadores remunerados. Também integravam o programa quatro coordenadores dos idiomas Espanhol, Português para estrangeiros e Italiano. De acordo com a coordenadora geral, as atividades foram cortadas para o idioma inglês, sendo que o programa permanece para os demais idiomas.

Neste período de atividades a UEL ofertou 122 turmas de Inglês em mais de 20 cursos diferentes, além de outras 19 turmas dos outros idiomas. Ao todo foram atendidos 1.771 estudantes e oferecidos 2.903 exames de TOEFL (Test of English as a Foreign Language), que avalia o potencial individual de falar e entender o inglês em nível acadêmico.

O comunicado surpreendeu a coordenadora geral, que define os resultados como bastante positivos numericamente. Neste tempo de atividades, o Idioma Sem Fronteiras criou internamente uma cultura de que é necessário realizar o teste TOEFL para que o universitário tenha uma classificação internacional quanto ao seu nível de idioma.

Ela chama a atenção também para o fato de o programa preparar o estudante do curso de Letras para o ensino em nível acadêmico. A experiência destes alunos e dos professores deverá em breve ser registrada em quatro livros que deverão relatar o resultado da produção pedagógica em Língua Inglesa.

Uma das bolsistas que atuavam é a estudante do 4º ano de Letras/Inglês, Letícia Mito Faria, de 21 anos, que não esconde o impacto com o fim do programa. Ela explica que a Universidade perde uma atividade bastante rica, de ensino e aprimoramento de idiomas para fins acadêmicos.

A jovem afirma que além das aulas, os bolsistas criaram um material didático específico para as aulas e atividades em sala. A partir do final das atividades, ela pretende enviar currículos em escolas particulares, em busca de novas oportunidades de trabalho.
Redação Bonde com Agência UEL
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
comentários
Continue lendo
Atenção ao novo prazo!

Inscrições do Fies foram prorrogadas

Saiba quem pode participar

Estudantes podem representar o Brasil em olimpíada de Astronomia

Veja mais e a capa do canal