13/05/21
PUBLICIDADE
Não perca o lançamento!

Coleção Os Primeiros Brasileiros tem exposição virtual

Agência Brasil
Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


O Museu Nacional, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) lança nesta terça-feira (13), às 18h, a primeira exposição virtual da coleção Os Primeiros Brasileiros. A coleção não foi atingida pelo incêndio que devastou o museu, no dia 2 de setembro de 2018, porque estava, na ocasião, sendo apresentada no Memorial dos Povos Indígenas, em Brasília. Depois de várias exposições físicas no Brasil e no exterior, onde foi vista por mais de 250 mil pessoas, a coleção será visitada pela primeira vez no formato online.


A última mostra física ocorreu em 2019, no Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro, mas, devido à pandemia de covid-19, acabou sendo suspensa. "Agora, ela volta totalmente online", disse o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner.

Ele afirmou que a instituição precisa se aproximar do seu público, a despeito da pandemia. "Nós entendemos e, naturalmente, temos que ter responsabilidade social neste momento difícil que vivemos e não incentivamos nada presencial até pela questão de saúde, enquanto todos não tiverem sido vacinados. Dentro desse contexto, já vamos atuar para novas exposições virtuais. O caminho é esse. Para este ano, mais uma ou duas nós queremos fazer”, disse Kellner. Uma das próximas mostras é sobre mineralogia, adiantou.

Alexander Kellner afirmou que o fundamental, dentro deste contexto de pandemia, é que as pessoas entendam que o Museu Nacional está vivo e que é importante transmitir o conhecimento científico. "E nada melhor do que falar sobre os primeiros brasileiros que estavam aqui muito antes da gente”. A exposição virtual é inteiramente gratuita.

Mergulho - A coleção Os Primeiros Brasileiros faz um "mergulho histórico” no Brasil e na participação de indígenas no país. "E faz isso por meio dos índios do Nordeste, que foram os primeiros tocados pela colonização”, destacou o antropólogo João Pacheco de Oliveira, do Museu Nacional, que idealizou a mostra em parceria com a Apoinme (Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo). Potiguares e tupinambás estão entre as etnias que participaram do primeiro momento da colonização no Brasil. "São povos que estão na história desde o início”, observou o antropólogo.

Oliveira disse que, a partir desse mergulho na história do Brasil, a exposição revela que, dentro de sua concepção original, esses indígenas foram muito ricos, bonitos e felizes. "E depois, a situação se torna mais difícil, com a chegada de formas muito duras da colonização. É um momento do índio dentro da colonização”. Numa terceira fase, começa a se ver a história dos povos atuais, com apresentação de peças da cultura indígena. A última parte relata os indígenas mais contemporâneos, o que estão fazendo atualmente e o que pensam também.

As memórias da formação do Brasil, bem como da participação do índio na atualidade, são apresentadas em painéis históricos e por meio de músicas, filmes e fotografias, que registram a diversidade e as narrativas dos povos indígenas nacionais. A grande maioria é formada de imagens tiradas de quadros que estão no MNBA (Museu Nacional de Belas Artes) e em outros equipamentos do Brasil e do exterior.

Há também muitas gravuras, mapas, personagens históricos e, inclusive, charges, contou João Pacheco de Oliveira. As condições de vida, a ambientação nos diversos biomas retratam como eram os primeiros brasileiros que habitavam desde parte de Minas Gerais até o Maranhão. Cerca de 180 imagens de materiais históricos e contemporâneos, 12 trilhas sonoras e cinco filmes compõem os ambientes. Há ainda maior espaço dedicado a narrativas e representações indígenas da atualidade, por meio de depoimentos em vídeos ou galerias com imagens dos diversos povos.

Guia - A exposição oferece também um Guia Didático para Educadores, com referenciais teóricos e sugestões de atividades práticas, que poderão ser desenvolvidas em salas de aula físicas ou digitais. Segundo o professor João Pacheco de Oliveira, trata-se de um guia muito rico para os professores trabalharem neste mês de abril, quando se comemora o Dia do Índio, em 19 de abril, e se fala muito na temática indígena. "É um guia temático preparado especialmente para ajudar os professores a fazer visitas virtuais com seus alunos e a preparar exercícios a partir disso. Esse guia está muito interessante, tem muito material e abrange os índios do Nordeste, que são menos conhecidos do que outros”, acrescentou o antropólogo.

Essa primeira edição virtual tem apoio do Projeto Museu Nacional Vive, que é uma cooperação técnica entre a UFRJ, a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e o Instituto Cultural Vale. Após o lançamento, a exposição estará disponível à visitação pelo público que, ao final da experiência, poderá avaliar, sugerir novos temas e colaborar com as futuras exposições do Museu Nacional.

O lançamento da mostra, a partir das 18h, pode ser acompanhado no canal do Museu Nacional/UFRJ no YouTube . Em seguida, estará acessível em www.osprimeirosbrasileiros.mn.ufrj.br.
Redação Bonde com Agência Brasil
PUBLICIDADE
Continue lendo
Cronista e escritor

A curta vida de Lima Barreto e a atualidade da exclusão social

12 MAI 2021 às 23h59
Novo decreto

Suspensão das aulas presenciais na rede municipal será prorrogada

12 MAI 2021 às 19h05
Pegadas fósseis!

Estudo confirma presença de dinossauros em Mato Grosso do Sul

12 MAI 2021 às 16h58
Gradualmente

Ensino técnico estadual do Paraná retoma atividades práticas presenciais

12 MAI 2021 às 16h14
Corre o risco de fechar!

UFRJ diz que redução no orçamento pode inviabilizar funcionamento

12 MAI 2021 às 15h35
Não perca!

Programa Senac de Gratuidade está com inscrições abertas

12 MAI 2021 às 15h22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados