22/10/20
PUBLICIDADE
Mandado de segurança

Escolas particulares de Londrina vão à Justiça pedir retorno das atividades

iStock
iStock


O Sinepe (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Norte do Paraná), que representa entidades privadas do segmento educacional da educação infantil até a pós-graduação, impetrou um mandado de segurança coletivo na tarde desta segunda-feira (24) pedindo ao juiz da Vara da Fazenda Pública de Londrina que autorize o retorno presencial das atividades.


No pedido, que tem 43 páginas e 64 anexos, o órgão argumenta que, com a flexibilização de outros setores e atividades, a manutenção das atividades de ensino apenas na modalidade remota estaria prejudicando o acesso de crianças e adolescentes à educação, uma vez que, com a vigência dos demais decretos municipais, é possível que estabelecimentos comerciais e de lazer, por exemplo, sejam frequentados por esse público.

Segundo os argumentos do sindicato, também seria necessário que escolas públicas e as particulares recebam tratamento diferenciado, sob a justificativa de que as entidades representadas pelo Sinepe teriam menor quantidade de alunos e mais condições de aderir às medidas sanitárias necessárias.

Redes públicas de ensino têm até 40% dos professores no grupo de risco

No mandado de segurança, o órgão pretende autorização judicial para organizar o retorno gradual e escalonado dos alunos, com o revezamento das atividades presenciais e com a apresentação de planos específicos para cada instituição de ensino, diferenciados conforme a série, a idade dos alunos e o tipo de curso.

Para André Cunha, presidente do Sinpro (Sindicato dos Profissionais das Escolas Particulares de Londrina e Norte do Paraná), o mandado de segurança coletivo foi uma surpresa. "Fazemos parte de várias comissões com o Sinepe, que não nos informou que adotaria essa medida". O sindicato dos trabalhadores, contudo, não é contrário à retomada de atividades presenciais. "O órgão apoia o retorno das atividades, desde que garantidos os protocolos de segurança e de forma escalonada, em especial com relação a atividades de nível superior e cursos livres", apontou Cunha.

Como noticiado pelo Bonde, desde julho o Sinepe tem se reunido com a Seed (Secretaria Estadual de Educação) no intuito de formular um plano de retorno às atividades essenciais.

O processo foi distribuído para a 1ª Vara da Fazenda Pública de Londrina, cujo juiz titular, Marcos José Vieira, pode decidir a qualquer momento a respeito dos pedidos formulados pelo Sinepe.

*Sob supervisão de Larissa Ayumi Sato.
Isabella Alonso Panho - Estagiária *
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Agronomia e Computação

Projetos da UEL usam inteligência artificial contra a ferrugem asiática

21 OUT 2020 às 16h58
Provas serão em janeiro

Ministério da Justiça monta sistema de acompanhamento do Enem

21 OUT 2020 às 11h51
Inep

MEC discute novas formas de avaliar ensino superior

21 OUT 2020 às 11h24
Notícias

UEM abre inscrições para vestibular EAD

21 OUT 2020 às 11h02
Confira!

Universidades estaduais paranaenses conquistam nota máxima no Enade

21 OUT 2020 às 10h12
Educação durante pandemia

Certificação por competência pode ser solução para educação

21 OUT 2020 às 09h30
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados