Pesquisar

Canais

Serviços

iStock
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Entenda os motivos

Plano de reajuste salarial desagrada professores da rede estadual do Paraná

Simoni Saris - Grupo Folha
06 dez 2021 às 15:20
Continua depois da publicidade

O governador Ratinho Junior e o secretário estadual de Educação, Renato Feder, detalharam, nesta segunda-feira (6), o plano de reajuste salarial para os professores da rede. Segundo o governo do Estado, o reajuste será escalonado, sendo 48,7% o percentual máximo, aplicado ao salário-base, pago aos professores em início de carreira, e 10% o mínimo, que incidirá sobre os vencimentos de quem está no “topo da pirâmide”, como classificou Ratinho Junior. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


O projeto ainda será encaminhado à Assembleia Legislativa do Paraná e, se aprovado, os novos valores entrarão em vigor na folha de pagamento do próximo mês de janeiro. O anúncio desagradou a categoria, que prevê o achatamento salarial e reclama da não extensão da medida aos professores inativos e funcionários das escolas.  

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Com os reajustes, o novo piso salarial da categoria sobe de R$ 3.730 para R$ 5.545 para professores que cumprem carga horária de 40 horas semanais, já incluso o vale-transporte. O reajuste, em caráter permanente, ressaltou Feder, vale tanto para concursados quanto para os contratados pelo PSS (Processo Seletivo Simplificado). 


“O reajuste equivale à antecipação na progressão de carreira em pelo menos oito anos”, destacou o secretário. “A base precisava ser valorizada, já que o reajuste ficava sempre no topo da pirâmide”, complementou Ratinho Junior. 


Para os professores com maior tempo de carreira e que atingiram o maior nível salarial, o reajuste será de 10%, passando de R$ 10,8 mil para R$ 12 mil. Pelos cálculos do governo, o reajuste médio da categoria será de 20%. 

Continua depois da publicidade


“O reajuste médio é de R$ 1 mil”, disse Feder. A rede de educação do Estado conta com mais de 60 mil professores e, no total, o governo irá investir R$ 674 milhões na execução do projeto de reajuste salarial. Uma parte desse dinheiro será repassada pelo Fundeb (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), do governo federal.  


Continue lendo na Folha de Londrina

Continue lendo