Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Não há explicitude

"A Zona de Interesse", filme devastador sobre o Holocausto estreia nos cinemas

Carlos Eduardo Lourenço Jorge - Especial para a Folha
15 fev 2024 às 12:00
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O filósofo alemão Theodor Adorno disse certa vez que fazer poesia depois de Aushwitz é um ato de barbárie. Certamente teria gostado de “A Zona de Interesse”, um dos raros, raríssimos filmes mais prosaicos sobre o Holocausto. 


Não há nenhum traço visual de violência ou sofrimento ou dor em suas imagens. Não há explicitude. Mas da mesma forma, sem dúvida, é um dos mais angustiantes e assustadores. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


É protagonizado pela numerosa família Höss, que vive numa magnífica casa com jardim no bucólico campo polaco, o que também é muito prático para eles. Do outro lado de um dos muros que o delimitam, ocorre o pior genocídio já orquestrado, e o patriarca da prole é o responsável por supervisioná-lo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Lançamento

'Dark Matter', novo álbum do Pearl Jam, é manifesto contra a passagem do tempo

Imagem de destaque
Último fim de semana da festa

Guilherme & Santiago e Jorge & Mateus agitam o público no oitavo dia da ExpoLondrina

Imagem de destaque
Entenda

Ex-todo poderoso da Globo, Boni transforma trilha do Fantástico em investimento

Imagem de destaque
Começa na Califórnia

Shakira anuncia turnê para novembro em participação surpresa no Coachella



A ideia de recriar uma família pequeno-burguesa alemã que vive idilicamente com os filhos numa casa quase parede e meia a um campo de extermínio (o canto dos pássaros no início) vai ao encontro do conceito de Hanna Arendt de banalizar o Holocausto de forma profissional e burocrática, alheio a qualquer questão ética ou moral. 

Publicidade


Quando o comandante de Auschwitz, Rudolf Höss, recebe a visita de dois colegas com planos que explicam como tornar os fornos crematórios mais funcionais, ou seja, obter maior produtividade para maior eficiência, é um sinal de que os seus responsáveis viam os campos como um interesse industrial. 


Glazer utiliza um esquema formal austero e rigoroso para oferecer um retrato fragmentado da vida familiar. Os Höss vão ao rio tomar banho. O pai lê uma história (João e Maria) para as filhas na cama. A mãe cuida das flores, que de vez em quando aparecem manchadas de cinzas. Ele discute com alguns empresários o projeto de um novo crematório. Ela distribui amostras de lingerie que confiscou dos prisioneiros. 

Publicidade


Diante do espelho prova o batom e o casaco de pele de alguma judia. O casal conversa sobre o spa que visitaram na Itália, fazendo promessas de voltar um dia. Ao fundo, ouvem-se com frequencia gritos e tiros, o som da maquinaria da morte. “Nossa vida de sonho é uma realidade”, diz ela. Justapostas, essas cenas resultam em uma obra que não é apenas incrivelmente destemida e provocativa, mas também muito urgente.


A REPRESENTAÇÃO DO HOLOCAUSTO

Publicidade


A questão Holocausto é ferida que se estende por décadas e continua a sangrar até hoje. Em 1945, quando a Segunda Guerra Mundial estava prestes a terminar, o exército de libertação entrou em vários campos de concentração e extermínio nazis. A situação é tão devastadora quanto indescritível. 


Por que então o filme de Glazer começa com o som suave dos pássaros? Os pássaros cantaram em Auschwitz ? A grande questão, depois de tornar visível para o mundo um extermínio realizado com precisão, era discutir como o irrepresentável poderia ser representado, já que todas as imagens e registros de arquivo eram posteriores aos acontecimentos. Estamos atrasados, citou Godard. 


As imagens de arquivo e algumas gravações evidenciavam o que acontecia apenas em alguns campos; porém, no que diz respeito ao filosófico, artístico e cultural, abriu-se um debate estético e ético quanto à sua representação.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
"A Zona de Interesse", um filme devastador estreia nos cinemas
Em cartaz em Londrina a partir desta quinta (15), o filme examina como o mal pode florescer nas circunstâncias mais mundanas
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade