Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Disputa judicial

'Ele está tentando manchar o nome dela', diz os pais de Walewska sobre genro

Folhapress
04 dez 2023 às 10:43
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A morte de Walewska Oliveira completou dois meses no dia 21 de novembro e, além de chorar a dor pela perda da filha, Geraldo e Aparecida estão brigando na Justiça com o genro Ricardo Mendes pela divisão do patrimônio deixado pela ex-jogadora de vôlei, que morreu aos 43 anos, depois de cair do 17º andar do prédio onde morava, em São Paulo.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

O casal contou em entrevista ao Fantástico, que descobriu que Ricardo era o inventariante e passou a ser responsável por administrar os bens deixados pela mulher, após a morte de Walewska. "Ele não falou nada. Nós só descobrimos que ele era o inventariante porque nós providenciamos o inventário para entrar. Aí no dia 6 de outubro, ele já tinha dado entrada", diz Geraldo.

Leia mais:

Imagem de destaque
4 anos e meio de prisão

Condenação de Daniel Alves é medida exemplar contra o machismo, diz vice-presidente da Espanha

Imagem de destaque
Relação não foi consentida

Daniel Alves: Ex-jogador é condenado a 4 anos e meio por estupro

Imagem de destaque
José Leonardo

É menino! Zé Felipe e Virgínia anunciam sexo do 3º filho

Imagem de destaque
Acusado de estupro

Daniel Alves é convocado a comparecer a tribunal, diz jornal catalão


Os pais Walewska contaram ainda que a filha investia no ramo imobiliário e teria 23 imóveis, sendo 22 deles em São Paulo, segundo um antigo consultor financeiro da ex-jogadora, que trabalhou até 2019 cuidando dos bens dela. Eles informaram que a família não teve mais acesso a relação de imóveis nos últimos dois anos e Ricardo afirmou agora que só existe uma propriedade como patrimônio.

Publicidade


"Pra quem foi vendido? Como foi vendido? Quem pagou? Como pagou? Tudo isso é a resposta que a família está precisando nesse momento. E o Ricardo precisa apresentar. Não foi apresentado", explica a advogada da família de Walewska, Maria Toledo.


No boletim de ocorrência registrado no dia da morte, Ricardo disse a polícia que "há quatro anos enfrentava problemas no relacionamento" e que Walewska "era compulsiva por compra". Ele alegou ainda que a mulher tinha "dilapidado boa parte do dinheiro que eles conseguiram durante os anos de casados".


"Comprar roupa, comprar as coisas pra ela, mas vender imóvel para gastar dinheiro, ela não tinha essa compulsão. Essas coisas de ele falar dela, eu acho que era muito feio para ele", pontua o pai. "Ele está tentando manchar a imagem dela", destaca a mãe. "O que a Justiça achar que ele tem direito, é direito dele. O que a Justiça achar que nós temos direito, é direito nosso", destaca o pai.


A reportagem conversou com Ricardo Mendes, que não quis gravar entrevista, mas confirmou a versão dada em depoimento à polícia: que estava em crise no casamento com a ex-jogadora de vôlei. Sobre as acusações da família relacionadas ao patrimônio deixado por Walewska, ele enviou uma nota. Diz que o casal compartilhou "uma bonita relação por mais de 20 anos, construindo uma história com acertos e erros, pontos altos e baixos, mas que nunca teve qualquer traço de abuso". Com relação ao inventário, alegou que o caso está em segredo de Justiça.


Imagem
COB divulga candidatos ao prêmio de Melhor Atleta do Ano de 2023
O COB (Comitê Olímpico do Brasil) anunciou no domingo (3) os candidatos ao prêmio de Melhor Atleta do Ano de 2023 do Prêmio Brasil Olímpico.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade