Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Subjuga mulheres

Entenda por que 'O Conto da Aia' inspirou campanha contra PL antiaborto

Folhapress
14 jun 2024 às 13:00
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Após a urgência do PL 1904 ter sido aprovada no plenário da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (12), a internet foi tomada por publicações que comparam o Brasil a Gilead, cenário do livro "O Conto da Aia" - lançado por Margaret Atwood em 1985.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Anote já!

Veja cinco livros para conhecer Adélia Prado, poeta vencedora do Camões

Imagem de destaque
Mais importante

Adélia Prado vence o prêmio Camões, o mais importante da língua portuguesa

Imagem de destaque
Narrativas interativas

Por que livros-jogos voltam a ser mania envolvendo leitor em enigmas e aventuras

Imagem de destaque
Evento gratuito

Festa Literária de Londrina começa nesta sexta-feira

A proposta, de autoria do deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), altera o Código Penal e equipara as penas para abortos legais realizados após 22 semanas de gestação às previstas para homicídio simples.

Publicidade


Na atual legislação brasileira, o aborto é permitido em apenas três casos: quando a gestação é fruto de estupro; quando o feto é anancéfalo; ou quando a gestação traz risco de vida a quem gesta.


Caso o projeto seja aprovado, vítimas de estupro que decidem abortar após 22 semanas podem ser condenadas a 20 anos de prisão por homicídio. A pena para essas mulheres seria maior que a de estupradores.

Publicidade


Em protesto, internautas começaram a compartilhar posts e ilustrações que traçavam paralelo entre o Brasil e Gilead, país fictício de "O Conto da Aia" comandado por homens que subjugam mulheres.


Elas são chamadas de aias e sua função nessa sociedade distópica é gerar filhos para as famílias que as dominam. Isso quer dizer que o estupro não é apenas normalizado, mas também estimulado.

Publicidade


As mulheres de Gilead usam roupas e cores prescritas pela sua posição na sociedade: vermelho para as aias e azul para as mulheres casadas. Apesar da violência extremada a que são submetidas, as aias lutam para recuperar sua autonomia e derrubar o governo de Gilead


Por esse motivo, a capa vermelha das personagens se transformou em símbolo de resistência aos ataques contra os direitos reprodutivos das mulheres. A vestimenta tem feito parte de protestos em países como Estados Unidos, Inglaterra e Argentina.


No Brasil, o traje também é usado em resposta ao machismo, motivo pelo qual inspirou ilustrações e posts contra o PL 1904.


Imagem
Vítima de estupro que fizer aborto pode ter pena superior a do estuprador se PL for aprovado
Uma mulher que carregar uma gestação resultante de estupro e realizar o aborto após a 22ª semana é possível que tenha uma pena maior que a de seu estuprador.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade