Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Luto

Morre Domenico De Masi, o sociólogo que pensou o 'ócio criativo'

Folhapress
09 set 2023 às 13:37
- Arquivo pessoal
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

 O sociólogo italiano Domenico De Masi morreu aos 85 anos, em Roma, confirmou a imprensa italiana. De Masi é autor do conceito de "ócio criativo", com um livro de mesmo nome que foi best-seller.

Segundo sua teoria, o tempo livre não é algo negativo, mas imprescindível para estimular a criatividade individual e aprimorar a adaptação na sociedade globalizada e pós-industrial, marcada pelo rápido crescimento tecnológico e do setor de serviços.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A prática do "ócio criativo" seria possível através da união entre outros três conceitos definidos por De Masi.

Leia mais:

Imagem de destaque
RACE CHALLENGE 2024

Autódromo de Londrina recebe nesta sexta o Campeonato Paranaense de Marcas e Turismo

Imagem de destaque

Morre Wilsinho Fittipaldi, ícone do automobilismo brasileiro, aos 80 anos

Imagem de destaque
4 anos e meio de prisão

Condenação de Daniel Alves é medida exemplar contra o machismo, diz vice-presidente da Espanha

Imagem de destaque
Relação não foi consentida

Daniel Alves: Ex-jogador é condenado a 4 anos e meio por estupro

O trabalho, caracterizado pelo cumprimento de tarefas necessárias, o estudo através das ferramentas proporcionadas pela digitalização e, por fim, o "jogo", lazer necessário para evitar a mecanização do trabalho.

Publicidade


De Masi nasceu em Rotello, pequena cidade da região de Molise, no sul da Itália. Começou a escrever aos 19 anos sobre sociologia do trabalho e, aos 22, começou a lecionar na Universidade de Nápoles. Mais tarde, tornou-se docente da renomada Universidade de Roma La Sapienza.


O sociólogo era amigo pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e chegou a visitá-lo na cadeia, em Curitiba. Quando o atual presidente brasileiro foi libertado, De Masi disse que sua fama no exterior continuava intacta e que Lula ainda era uma das maiores lideranças mundiais.

Publicidade


Sua admiração pelo Brasil lhe rendeu o título de cidadão honorário do Rio de Janeiro, em 2010, e chegou a frequentar o arquiteto Oscar Niemeyer a o ex-ministro da Educação de Lula, Cristovam Buarque.


Em seu livro "O Futuro Chegou", de 2014, De Masi se dedicou a analisar o modelo de sociedade do Brasil. Segundo ele, após ser obrigado a copiar os sistemas Europeu e dos Estados Unidos durante séculos, o país latino-americano tinha a chance de desenvolver seu próprio modelo de sociedade diante da crise americana

Publicidade

 e do velho continente.


À Folha, o sociólogo italiano chegou a dizer que o Brasil tem um pé atrás com a idealização da eficiência e da produtividade propagadas pelos países ricos, o que ele considerava algo positivo. Tal resistência brasileira se deveria à influência indígena, que ele elogiava.


"Os americanos espalharam pelo mundo a cultura do 'manager'. A Itália se americanizou, por exemplo. Até na cultura. Hoje, lá, só há rock e cinema americano. Vocês têm Bossa Nova, têm novela", disse ele.

Para De Masi, pensar é muito mais importante do que trabalhar. No mundo ideal, tudo que não envolva criatividade será feito por máquinas, libertando o homem.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade