Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Sergio Moura

Superintendente de marketing do Corinthians pede licença em meio a acusações

Luciano Trindade - Folhapress
23 mai 2024 às 16:05
- Ag. Corinthians
Publicidade
Publicidade

O superintendente de marketing do Corinthians, Sergio Moura, pediu afastamento de seu cargo por tempo indeterminado nesta quinta-feira (23) em meio a acusações envolvendo o pagamento de comissão no contrato de patrocínio máster do clube com a empresa de apostas esportivas Vai de Bet.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Cautela

Como o Palmeiras planeja a volta de Dudu aos gramados após cirurgia

Imagem de destaque
EUA

O que pesou para a seleção ficar em Orlando ao invés de ir para Los Angeles

Imagem de destaque
Em bom momento

Londrina EC busca vitória por permanência no G8

Imagem de destaque
Clássico

São Paulo sai 'ileso' e chega ao Majestoso invicto, com reforço e incerteza

O profissional negou qualquer conduta ilícita e afirmou que seu objetivo é abrir um processo criminal para que investigações possam ser feitas. Segundo ele, ficará demonstrado que as denúncias são fruto de injúria e difamação.

Publicidade


"Com essa decisão, eu espero provar minha inocência, mas também quero poupar o Corinthians, essa instituição secular, e também seu presidente, Augusto Melo, que tem procurado fazer um trabalho sério de recuperação da imagem do Corinthians", afirmou Moura.


De acordo com o profissional, a decisão foi motivada também por ameaças de criminosos feitas contra si e seus familiares.

Publicidade


Em nota, o clube do Parque São Jorge "reafirma seu comprometimento absoluto com todos os seus parceiros comerciais, anunciantes e outros stakeholders" e acrescenta que a "equipe de marketing e comercial do clube segue atuando no atendimento rápido e eficiente junto a seus parceiros, com profissionalismo e qualidade".


O presidente Augusto Melo tem sido pressionado também a remover de seu cargo o diretor administrativo Marcelo Mariano, outro que atuou na negociação com a Vai de Bet.

Publicidade


A casa de apostas esportivas tem estudado suas opções legais para rescindir o contrato com o clube. A empresa teme que sua imagem fique prejudicada em meio aos questionamentos recentes sobre a intermediação do acordo com o time do Parque São Jorge.


A insatisfação foi manifestada à diretoria corintiana durante uma reunião no começo do mês e reforçada no início desta semana, por meio de um comunicado enviado por email.

Publicidade


O acordo entre as partes, o primeiro grande patrocínio firmado pela gestão de Augusto Melo, prevê que, em caso de rescisão sem justa causa, a parte interessada no rompimento tem de arcar com uma multa de 10% do valor total restante do contrato. Atualmente, essa multa seria de R$ 30 milhões –com duração de três anos, o valor total do contrato é de R$ 370 milhões.


O acordo está sendo investigado pelo Conselho Deliberativo do Corinthians, após grupos de oposição no clube terem exigido esclarecimentos sobre o pagamento de R$ 25,2 milhões de comissão para a empresa Rede Social Media Design. A companhia pertence a Alex Fernando André, que atuou na campanha de Augusto à presidência do time alvinegro.

Publicidade


"Vamos aumentar o escopo da investigação. Tudo o que está saindo agora será apurado dentro dos limites da atuação legal do conselho", afirmou à reportagem o presidente do Conselho Deliberativo, Romeu Tuma Júnior.


Na segunda-feira (20), o jornalista Juca Kfouri afirmou em seu blog no UOL que a empresa repassou parte da comissão que recebeu para uma empresa "laranja", chamada Neoway Soluções Integradas em Serviço Ltda, registrada no nome de Edna Oliveira dos Santos, uma mulher que reside na cidade de Peruíbe e que, de acordo com Juca, nem sequer sabia da existência da empresa em seu nome.


Em nota, o Corinthians afirmou que "todas as negociações, incluindo patrocínios, se deram de forma legal com empresas regularmente constituídas". "O clube destaca que não guarda responsabilidade sobre eventuais repasses de valores a terceiros. Caso sejam apresentadas quaisquer provas de ilícitos, estes serão discutidos junto ao Conselho Deliberativo para providências que se fizerem necessárias."


A Vai de Bet ainda não se manifestou publicamente sobre a situação.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade