Pesquisar

Canais

Serviços

Polêmica!

Brasileiros não retornam e Shakhtar ameaça puni-los

AGÊNCIA ESTADO
21 jul 2014 às 13:49
Publicidade
Publicidade

Os cinco jogadores brasileiros, além de um argentino, que se recusaram a voltar à Ucrânia com a delegação do Shakhtar Donetsk podem ser punidos. Quem garantiu foi o magnata Rinat Akhmetov, proprietário do clube, que se revoltou com a atitude dos atletas e garantiu: "Se não voltarem, serão os primeiros a sofrer as consequências".

Alex Teixeira, Fred, Dentinho, Douglas Costa e Ismaily, além do argentino Facundo Ferreyra, se recusaram a voltar com a delegação do Shakhtar para a Ucrânia depois do amistoso de sábado diante do Lyon, na França. Eles tomaram a decisão por temerem o caos instalado no país do leste europeu, que atravessa grave crise política.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


"Os jogadores têm contratos que são obrigados a cumprir. Se eles não voltarem, penso que eles mesmos serão os primeiros a sofrer as consequências. Cada um deles tem uma cláusula de rescisão de dezenas de milhões de euros. E se alguém quiser reduzir esse montante em um milhão que seja, então, estaremos no nosso direito de decidir como acharmos mais conveniente conforme a situação", disse Akhmetov em entrevista à agência R-Sport.

Leia mais:

Imagem de destaque
Emprestados há alguns meses

Daniel Alves devolveu R$ 817 mil a Neymar, afirma advogada nesta quarta

Imagem de destaque

Palmeiras perde Allianz em três jogos do Brasileirão por shows; veja datas

Imagem de destaque
Entenda

Corinthians encorpa elenco e ganha opções para estreia no Brasileiro

Imagem de destaque
Preparação

Santos reavalia elenco e planeja saídas antes de contratações para Série B

Inicialmente, os seis jogadores não avisaram a decisão para o clube e, por isso, foram dados como "desaparecidos", mas depois ficou esclarecido o motivo do sumiço. Além dos cinco já citados, o Shakhtar conta com outros sete brasileiros em seu elenco: Wellington Nem, Fernando, Taison, Ilsinho, Marlos, Bernard e Luiz Adriano, que retornaram normalmente à Ucrânia.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade