Pesquisar

Canais

Serviços

Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Campeonato Brasileiro

Corinthians domina, vai ao G-4 e deixa Santos de olho no rebaixamento

22 nov 2021 às 09:04
Continua depois da publicidade

As posições na tabela se refletiram no que foi visto na Neo Química Arena neste domingo (21), na 34ª rodada do Brasileirão. Brigando por uma vaga direta para a fase de grupos da Libertadores, o Corinthians foi completamente dominante sobre o Santos, que ainda luta para evitar o inédito rebaixamento para a segunda divisão.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Sem praticamente ter sido incomodada, a equipe de Sylvinho conseguiu os três pontos com gols de Jô e Gabriel, que garantiram a vitória por 2 a 0. O resultado mantém a sequência positiva em casa desde a volta da torcida.


Mais de 43 mil torcedores acompanharam a sexta vitória seguida do Corinthians em seus domínios no Brasileirão.


Com a vitória, o Corinthians chega aos 53 pontos e assume a quarta colocação, que leva diretamente para a fase de grupos da próxima Libertadores. Já o Santos estaciona nos 42 pontos, na 11ª colocação. A diferença é de seis pontos para a zona de rebaixamento, mas com o Bahia tendo duas partidas a mais para fazer ainda na competição.

Continua depois da publicidade


O que vem agora


O Corinthians agora se prepara para enfrentar o Ceará fora de casa, na próxima quinta-feira (25), às 20h (de Brasília). Será o reencontro com o técnico Tiago Nunes, que comandou a equipe no ano passado. Já o Santos recebe o Fortaleza no mesmo dia, mas às 19h (de Brasília).


Foi bem: Renato Augusto


Mesmo sem contar com a companhia de Giuliano, o camisa 8 foi dono do meio de campo. Sua movimentação constante e as tabelas rápidas com Jô e Róger Guedes deixaram a defesa do Santos confusa, principalmente no primeiro tempo.


Foi mal: Madson


Herói de duas vitórias recentes do Santos, o lateral não esteve em um dia bom na Neo Química Arena. Além de sofrer na marcação de Róger Guedes, Madson hesitou por mais de uma vez para tentar uma jogada individual contra Fabio Santos. Defensivamente, seu pior momento foi quando tentou sair por baixo dentro da área e entregou a bola gratuitamente para Gabriel Pereira arriscar o chute. O lance acabou rendendo uma bronca homérica do goleiro João Paulo. Madson acabou sendo substituído no intervalo.


Fagner vai ao ataque, e Corinthians amassa o Santos no primeiro tempo


O posicionamento de Fagner nas jogadas de ataque era tema constante das entrevistas coletivas de Sylvinho. O treinador chegou a dizer que se quisesse que o lateral atacasse, escalaria um atacante em seu lugar. Mas diante do Santos a história mudou. Enfrentando um sistema com três zagueiros, Sylvinho liberou Fagner para atacar o corredor. E o jogo foi outro.


O Corinthians dominou o Santos durante toda a primeira etapa. Foram 14 finalizações contra apenas uma dos santistas - essa surgida apenas aos 41 minutos, com uma cabeçada de Diego Tardelli. Na primeira metade, a maior parte das jogadas saiu justamente do lado direito. Com Fagner subindo, Gabriel Pereira passou a atacar mais pelo meio, dando opção para Renato Augusto.


A mudança de postura corintiana confundiu a defesa santista. Danilo Boza e Felipe Jonatan se revezaram na marcação pela esquerda antes de o camisa 3 se fixar como marcador das subidas de Fagner e Gabriel Pereira. 0:09 Mesmo com tamanha superioridade, faltou o gol ao Corinthians. E chances sobraram. A mais clara aconteceu aos 13 minutos. Róger Guedes tabelou com Jô, ficou com ângulo para o chute, mas preferiu cortar mais um marcador e tentar uma cavadinha. João Paulo conseguiu impedir o gol.


No fim da primeira etapa, Fagner fez bela jogada sobre a marcação santista, avançou por dentro e tocou para Jô. O camisa 77 chutou com o pé direito e a bola foi por cima do gol.


Carille mexe no Santos, mas Corinthians marca rapidamente


O primeiro tempo ruim do Santos obrigou Fabio Carille a fazer duas substituições de uma vez logo no intervalo. O treinador tirou o meia Gabriel Pirani e o lateral Madson para colocar os atacantes Ângelo e Lucas Braga. As trocas resultaram em uma mudança na formação: Marcos Guilherme passou a fazer a ala-direita, com o ataque sendo formado por Lucas Braga, Ângelo e Diego Tardelli.


Mas não deu nem tempo de o Santos saber se as mudanças equilibrariam a partida. No primeiro minuto da segunda etapa, Gabriel Pereira achou Du Queiroz na direita, que tocou para Jô dentro da área. No melhor estilo centroavante, o camisa 77 girou sobre a marcação de Luiz Felipe e bateu rasteiro para balançar as redes santistas.


Criticado, Gabriel marca e chora


As últimas partidas não foram fáceis para o volante Gabriel. Diante de Atlético-MG e Flamengo, em que o Corinthians fez partidas muito ruins, ele ficou marcado pelas canetas levadas nas jogadas contra Zaracho e Rodinei.


As críticas sofridas depois dos lances parecem ter mexido com o camisa 6. Aos 39 minutos do segundo tempo, foi dele o gol que fechou o placar para o Corinthians, após passe de Jô. Assim que a bola entrou na rede santista, o volante chorou. Ajoelhado, Gabriel ficou com a mão no rosto, enquanto era abraçado pelos companheiros de Corinthians.


Willian volta ao Corinthians


A partida marcou o retorno de Willian ao time do Corinthians. O atacante perdeu os últimos sete jogos da equipe por causa de uma lesão muscular na coxa esquerda. Ele entrou aos 18 minutos, no lugar de Gabriel Pereira.


O jogo do Corinthians: agressividade e tabelas constantes


O Corinthians nem de longe pareceu o mesmo que foi dominado pelos reservas do Flamengo no Maracanã. Com apoio da torcida, a equipe de Sylvinho mostrou uma agressividade diferente das últimas partidas.

 Principalmente no primeiro, quando o domínio foi maior, os corintianos dificultavam a saída do Santos, marcando pressão ainda no campo de ataque e muitas vezes roubando a bola. Com ela no pé, a principal opção era por tabelas rápidas, regidas por Renato Augusto em uma grande tarde.


O jogo do Santos: marcação confusa e pouca ofensividade


A defesa santista demorou para se entender diante de um intenso Corinthians. O trio de zaga parecia não estar preparado para lidar com as subidas de Fagner e as movimentações de Gabriel Pereira. Quando a bola estava no pé, o time de Fabio Carille abusou dos passes errados. Nas vezes em que conseguia sair do seu próprio campo, o time santista hesitava em tentar lances mais agudos. A única jogada de perigo foi em uma cabeçada de Diego Tardelli, no fim do primeiro tempo, que passou rente à trave de Cássio.


Fagner iguala Marcelinho


A partida foi especial para Fagner. Revelado nas categorias de base do Corinthians, o lateral-direito atingiu a marca de 433 jogos com a camisa alvinegra. Com isso, ele igualou Marcelinho Carioca, um dos maiores ídolos da história do clube, na 15ª posição entre os atletas que mais atuaram pelo Corinthians. A liderança é de Wladimir, com 806 partidas.


Punho cerrado contra o racismo


Jogadores de Corinthians e Santos se uniram à arbitragem para um protesto antirracista durante o minuto de silêncio prévio ao início do jogo. Eles se ajoelharam no gramado com o punho levantado. A partida aconteceu um dia depois da celebração do dia da consciência negra.


Ficha Técnica


Corinthians 2 x 0 Santos
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Neo Química Arena, São Paulo, SP
Data: 21 de novembro de 2021 (domingo)
Horário: 16h00 (de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e José Eduardo Calza
Árbitro de vídeo: Daniel Nobre Bins
Gols: Gabriel, Jô (Corinthians)
Cartão amarelo: Roni (Corinthians)
Público: 43.381 pagantes (público total: 43.583)
Renda: R$ 2.566.138,80

CORINTHIANS: : Cássio; Fagner, João Victor, Gil e Fábio Santos; Gabriel e Du Queiroz (Roni); Renato Augusto, Gabriel Pereira (Willian) e Róger Guedes; Jô (Gustavo Silva). Técnico: Sylvinho

SANTOS: João Paulo; Kaiky, Luiz Felipe e Danilo Boza; Madson (Ângelo), Camacho (Raniel), Vinícius Zanocelo (Carlos Sánchez), Pirani (Lucas Braga) e Felipe Jonatan; Marcos Guilherme e Diego Tardelli. Técnico: Fábio Carille

Veja mais vídeos sobre esportes

Continue lendo