Pesquisar

Canais

Serviços

- Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Dos clubes

Doria cede a pressão e anuncia volta da torcida aos estádios em outubro

Carlos Petrocilo - Folhapress
24 set 2021 às 09:01
Continua depois da publicidade

Depois de pedido dos cincos times paulistas que disputam o Campeonato Brasileiro da Série A e da FPF (Federação Paulista de Futebol), o comitê científico do estado de São Paulo deu o aval, na noite desta quinta (23), para a volta do público aos estádios de futebol a partir do dia 4 de outubro.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Continua depois da publicidade

A medida foi anunciada pelo governador João Doria (PSDB) em sua conta no Twitter, às 22h24.


Até o dia 14 de outubro, os estádios poderão receber até 30% da sua capacidade de público. Em seguida, o limite será de 50%. A partir de 1º de novembro, a liberação será de 100%.

Continua depois da publicidade


O torcedor deverá apresentar comprovante de vacinação, com as duas doses de Coronavac, AstraZeneca e Pfizer, ou a dose única da Janssen.


Quem ainda não tiver concluído o esquema vacinal deverá ter tomado ao menos uma dose de vacina e apresentar um teste negativo com validade de 48 horas para os do tipo PCR ou 24 horas para os de antígeno.


O uso de máscara é obrigatório em todos os setores do estádio.



Com isso, o governador abre caminho para o futebol depois de ter anunciado, em agosto, que a realização de jogos com a presença de público, assim como shows e pistas de dança, seria liberada somente a partir de 1º de novembro.


Após a publicação desta reportagem, a assessoria de imprensa do governo pontuou, em nota enviada à Folha de S.Paulo, que a decisão de antecipar a volta do público se deve à diminuição dos números de casos e internações ligadas ao novo coronavírus.


"O Governo de SP informa que a decisão de antecipar a volta do público aos estádios de futebol não ocorreu devido à pressão dos clubes como relatado na reportagem. A decisão foi tomada na noite desta quinta-feira pelo Comitê Científico e em acordo com a Federação Paulista de futebol, e foi levada em consideração a constante queda dos números de casos e internações da Covid-19 no estado", informa a nota. "Para se ter uma ideia, nesta semana, SP apresentou o menor número de internados desde o monitoramento da pandemia."


Brasil


No conselho técnico do próximo dia 28 na CBF (Confederação Brasileira de Futebol), representantes das 20 agremiações da Série A voltarão a deliberar sobre o tema. A tendência é que a maioria dos dirigentes vote pela volta da torcida a partir da rodada do dia 2 de outubro, a 23ª da Série A.


Até o início da noite de quinta, além dos times paulistas, somente o Bahia não tinha o aval das autoridades sanitárias para receber torcedores no mês que vem. O Sport conseguiu a liberação do governo de Pernambuco durante a tarde.


No último conselho técnico da CBF, no dia 8, representantes de 19 times concordaram com a manutenção do veto sob a alegação de defender a isonomia na competição. Havia também a intenção de impedir o avanço do Flamengo, que obteve decisão favorável, em caráter liminar, do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).


Otávio Noronha, presidente do órgão, disse que cabia ao poder público o veto aos torcedores, não à CBF.

Com essa decisão, o time rubro-negro nem sequer participou da reunião com os demais times e a confederação. No dia 15, recebeu o Grêmio pela Copa do Brasil diante de 6.446 pessoas no Maracanã (6.277 pagantes).


Horas depois do confronto, o auditor Felipe Bevilacqua, do STJD, suspendeu, até a data do conselho técnico (28), os efeitos da liminar concedida ao Flamengo. Bevilacqua acatou um pedido de 17 clubes da Série A e da CBF. Atlético-MG e Cuiabá também ficaram fora da solicitação.


Esses dois clubes não quiseram se opor ao Flamengo no STJD porque possuem liminares semelhantes e o aval das autoridades locais. Líderes do Campeonato Brasileiro, os atleticanos deixaram claro que, se o time carioca recebesse torcedores contra o Grêmio, fariam o mesmo na rodada seguinte, em Belo Horizonte.

Na tentativa de apagar o incêndio, a diretoria rubro-negra não recorreu ao STJD e encarou o Grêmio de portões fechados no último domingo (19), pelo Brasileiro.


A pouco mais de dois meses do término da temporada, os dirigentes ouvidos pela reportagem apostam que, com mais de dez times aptos a receber o seu torcedor, o argumento da isonomia cairá por terra no conselho técnico da semana que vem.


"Para a partir do dia 2, somos favoráveis e vamos votar assim. Cada clube tem que resolver o mais rápido possível em suas praças, porque não faz mais sentido governo e prefeito deixarem de liberar", diz o presidente do Atlético-MG, Sérgio Coelho.

Continue lendo