Pesquisar

Canais

Serviços

Eliminatórias

Seleção brasileira se vê sem medalhões e com nova espinha dorsal

Igor Siqueira - UOL/Folhapress
14 nov 2023 às 11:45
- Rodrigo Ferreira/CBF
Publicidade
Publicidade

A seleção brasileira nesta data Fifa passa por uma reformulação ampliada pelas lesões. A mescla entre a chegada natural de jovens e os problemas físicos afeta até mesmo a espinha dorsal do Brasil nos últimos anos.


Contra Colômbia e Argentina, pelas Eliminatórias, nada de Danilo, Casemiro e Neymar --todos machucados. Sem medalhões, a seleção de Fernando Diniz terá que se reinventar. Não necessariamente no aspecto tático. Mas novos nomes ocuparão espaços de velhos conhecidos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Dos titulares na Copa, por exemplo, a seleção pode ter só quatro remanescentes: Alisson, Marquinhos, Raphinha e Vini Jr.

Leia mais:

Imagem de destaque
Preparação antecipada

O que Tite está fazendo no Flamengo pensando nos desfalques da Data FIFA

Imagem de destaque
"Eu vim para tentar ajudar"

Rincón fala sobre reconstrução e diz que quer jogar Libertadores no Santos

Imagem de destaque
Após sequência de jogos

Corinthians tem 1ª semana livre com António Oliveira

Imagem de destaque
Romero marca dois

Corinthians espanta zebra, domina o Cianorte e avança na Copa do Brasil


BRECHAS

Publicidade


Diniz vai definir a partir do treino desta terça (14) se Rodrygo será mesmo o substituto de Neymar como camisa 10. Ele já fez essa função, por exemplo, durante a Copa 2022.

Publicidade


No meio-campo, André parece o substituto natural de Casemiro. Até pela intimidade e assimilação do sistema de jogo de Diniz no Fluminense. Mas se o técnico quiser alguém um pouco mais experiente, a dupla com Bruno Guimarães pode ser formada por Douglas Luiz.


No ataque, Gabriel Jesus está sem condições físicas, já que não vem treinando no Arsenal. E aí? Endrick, João Pedro e até Paulinho podem jogar por ali, centralizados.

Publicidade


Sem Danilo, Emerson Royal é o único lateral-direito de ofício convocado no momento. Pepê pode ser improvisado por ali.


NOVA GERAÇÃO

Publicidade


Os números ajudam a formar o retrato da renovação na seleção. Entre os jogadores de linha convocados atualmente, ninguém tem mais de 30 anos. Na lista toda, só o goleiro Alisson ultrapassou essa barreira (tem 32). Ederson, de 31 anos, faria companhia ao jogador do Liverpool, mas foi cortado e substituído por Bento.

Publicidade


Além da questão da idade, vem a relativa falta de experiência na seleção: dos 24 convocados, só três têm mais do que 25 jogos com a amarelinha: Alisson (61), Marquinhos (82) e Gabriel Jesus (63).


Esse número de 25 jogos se alcança, por exemplo, em um ciclo completo de Eliminatórias (18 jogos) e uma outra competição oficial. A Copa América tem seis partidas e a Copa do Mundo, sete.

Publicidade


Como Gabriel Jesus está machucado, Marquinhos deve ser o remanescente de outros ciclos com Tite e Dunga na seleção.


Além dos goleiros Lucas Perri e Bento, a seleção tem cinco jogadores de linha que ainda não tiveram um minuto sequer em campo pelo Brasil: o zagueiro Nino e os atacantes estreantes João Pedro, Endrick, Paulinho e Pepê.


DINIZISMO


Esta é uma convocação em que Fernando Diniz optou e precisou se desvencilhar mais do legado de Tite e do interino Ramon - em termos de nomes. E isso ficou mais explícito no ataque.


A seleção brasileira estará à prova na quinta-feira (16), contra a Colômbia, em Barranquilla, às 21h (de Brasília). Depois, no dia 21, enfrenta a campeã do mundo Argentina no Maracanã, às 21h30.


Um Brasil de novatos (número de jogos)


Goleiros

Bento - 0

Alisson - 61

Lucas Perri - 0


Zagueiros

Marquinhos - 82

Gabriel Magalhães - 4

Bremer - 3

Nino - 0


Laterais

Renan Lodi - 18

Emerson Royal - 8

Carlos Augusto - 1


Meio-campo

André - 2

Bruno Guimarães - 16

Douglas Luiz - 9

Joelinton - 4

Raphael Veiga - 5

Rodrygo - 18


Atacantes

Raphinha - 18

Vini Jr - 24

Martinelli - 7

Paulinho - 0

Pepê - 0

João Pedro - 0

Endrick - 0

Gabriel Jesus - 63


Imagem
Diniz se encantou com Raphinha, mas não se lembra que o conquistou em 2013
Quando foi convocado pela primeira vez por Fernando Diniz, para os duelos contra Bolívia e Peru, Raphinha já tinha na cabeça a frase perfeita para quebrar o gelo com o novo treinador da seleção brasileira
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade