Pesquisar

Canais

Serviços

Reprodução/g1 Santos
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Com desmaio em seguida!

Brasileiro bate recorde mundial ao fazer embaixadinhas por mais de 34 horas

Folhapress/Gustavo Setti
18 nov 2021 às 16:53
Continua depois da publicidade

O que você fez no último fim de semana? Ricardo Silva Neves tirou o sábado (13) e o domingo (14) para bater o próprio recorde mundial de embaixadinhas. Foram 34 horas e cinco minutos sem deixar a bola cair. O feito foi realizado em Santos, no litoral paulista. A antiga marca era de 34 horas, dois minutos e 16 segundos.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


À reportagem, Ricardinho, como é conhecido, contou como foi passar mais de um dia inteiro, da manhã de sábado até pouco depois das 21h de domingo, fazendo embaixadinhas.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


"Comecei 11h no sábado e fui. Quando foi por volta de 15h, eu estava bem castigado e o sol estava de frente comigo. Por mais que hidratasse, não é aquela coisa. Na madrugada começa a dar aquele sono, parece que a bola pesa 50 quilos, começa a bocejar muito e os reflexos não são os mesmos", disse.


"Aí completaram 24 horas, e o meu adversário foi o clima. Eu não queria nem olhar para o cronômetro. Teve hora que pensei em parar, passou pela cabeça desistir, até pelas dificuldades do clima. O que mais me inspirou a não desistir foi a galera na madrugada, o pessoal na praia. Aquilo te dá uma inspiração. Quando bati 30 horas, o bicho começou a pegar, o tempo não passava", acrescentou.


Após cumprir o objetivo, Ricardinho foi abraçado pelo filho e acabou desmaiando. "Foi a primeira vez que aconteceu de desmaiar. Eu estava muito bem preparado, mas o calor foi intenso, foi a primeira vez no litoral. Quando eu terminei, tentei firmar, o meu filho foi para o meu lado, e aí fechei os olhos."

Continua depois da publicidade


Ao longo das 34 horas, ele foi acompanhado por bombeiros e recebeu soro. Uma das maiores dificuldades era ir ao banheiro.


"Como eu tomava muito líquido, tinha que ir ao banheiro. Colocava a bola na nuca, tinha imagem de transmissão simultânea, e um juiz sentado do meu lado para poder filmar. A bexiga ficou inibida, a bola na nuca, dava uma dor", contou.


Segundo Ricardinho, a expectativa é de que o novo recorde saia na edição de 2022 do Guinness Book. Já a bola utilizada será leiloada, e o valor arrecadado irá para a organização Médicos Sem Fronteiras.


Ricardinho ainda declarou que já tem outros projetos. No fim do ano, ele planeja subir os degraus do Burj Khalifa, o prédio mais alto do mundo, que fica em Dubai e tem 828 metros de altura e 163 andares, com a bola nos pés. Ele até já foi ao local para fazer um "teste".


"Eles acharam que eu ia subir com a bola na mão. Quando comecei a fazer embaixadinha, foi uma loucura. Subi cinco andares rapidinho. Foi só uma demonstração."


Outro projeto, este para o primeiro semestre de 2022, é percorrer o trajeto do Oiapoque ao Chuí fazendo embaixadinhas. O objetivo é completar a distância de 6.500 km em 138 dias.


"Vou mostrar o Brasil. Caminho e só paro para dormir. Acabo minha jornada, e o pessoal pega a bola e coloca na marca que eu parei para voltar no dia seguinte", concluiu Ricardinho.

Veja mais vídeos sobre esportes

Continue lendo