Pesquisar

Canais

Serviços

Histórico

Pela primeira vez na história olímpica, Brasil deve ter delegação com maioria feminina

Luciano Trindade - Folhapress
17 abr 2024 às 20:00
- Pixabay
Publicidade
Publicidade

Quase cem anos depois de a nadadora Maria Lenk (1915-2007) se tornar a primeira brasileira a disputar os Jogos Olímpicos, sendo a única mulher na delegação de 66 atletas do país em Los Angeles-1932, o Brasil deverá ter em Paris, pela primeira vez, uma delegação com maioria feminina.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Campeonato Brasileiro Série B

CBF confirma jogo de Santos e Botafogo-SP no Estádio do Café, em Londrina

Imagem de destaque
Veja a nota do atacante

Gabigol é multado e perde a 10 do Fla após foto com camisa do Corinthians

Imagem de destaque
Sedes

Veja os estádios que receberão jogos da Copa do Mundo feminina 2027

Imagem de destaque
Entenda

Reformulação no Palmeiras contará com reforço de peso e zagueiro talentoso

A cem dias para o início da Olimpíada em solo parisiense, o COB (Comitê Olímpico do Brasil) informa que o país já tem 187 vagas conquistadas, em 32 modalidades, sendo 110 femininas e 61 masculinas, além de outras 15 sem gênero definido (hipismo e revezamentos da natação).

Publicidade


Até o início do megaevento, outros atletas ainda podem conquistar o direito de competir nesta edição dos Jogos, mas é pouco provável que o número de participantes homens supere o de mulheres.


São elas, também, as principais favoritas a conquistarem medalhas pelo país, com destaque para nomes como Rebeca Andrade (ginástica artística), Mayra Aguiar (judô), Rayssa Leal (skate), Ana Patrícia e Duda (vôlei de praia) e Beatriz Ferreira (boxe), mulheres que podem fazer de seu sucesso uma inspiração para outras meninas.

Publicidade


"Quanto mais heroínas tivermos, mais meninas acreditarão que é possível alcançar o sucesso. No esporte, na profissão e na vida. Quanto mais falarmos de mulheres no esporte, mais falaremos de menstruação, de gravidez, de amamentação, de abuso e de assédio. É um ciclo positivo que impactará a vida de homens e mulheres", diz à reportagem Mariana Mello, gerente de planejamento e desempenho esportivo do COB.


O próximo passo, segundo Mariana, é formar mais treinadoras. "Acredito que seja o grande desafio para o próximo ciclo olímpico", afirma.

Publicidade


Para a professora da USP (Universidade de São Paulo) Katia Rubio, umas referência do Brasil em estudos sobre o movimento olímpico, a falta de mulheres em cargos de liderança tanto esportiva como de gestão também refletiu nos resultados obtidos por elas ao longo da história.


"As mulheres eram mal treinadas, elas eram sub-treinadas, eu diria. Isso tinha um impacto, obviamente, nos resultados. Então, à medida em que o treinamento se desenvolve de forma competente, assim como era dado para os homens, o resultado é automático", afirma.

Publicidade


Em Paris, o Brasil terá cinco equipes, sendo quatro femininas (futebol, vôlei, handebol e rugby de 7) e uma masculina (vôlei). As principais ausências no masculino são as equipes de futebol, basquete e handebol.


Ainda que as baixas tenham um peso significativo na delegação brasileira, o crescimento da participação das mulheres já reflete uma conquista de movimentos feministas no mundo e no esporte, que levaram ao aumento gradual das atletas nas competições.

Publicidade


Historicamente, houve momentos de pico nessa busca, como nos Jogos de Los Angeles em 1984, com 23% de participação feminina, seguido por 44% em Londres 2012, e 48% em Tóquio 2020 –melhor marca até então–, até chegar aos 50% nos Jogos Olímpicos de Paris, o primeiro da história com esse equilíbrio.


Dos 10.500 atletas participantes da Olimpíada parisiense, serão 5.250 homens e 5.250 mulheres. Este é um cenário bem diferente de há cem anos atrás, quando Paris também sediou os Jogos. Naquela edição, a maioria dos esportes era exclusivamente praticada por homens.

Publicidade


Além de não haver mulheres brasileiras na delegação, somente algumas modalidades dos Jogos incluíam a participação feminina, como saltos ornamentais, natação, esgrima, florete individual e tênis.


A pequena participação feminina refletia a visão do pai das Olimpíadas da Era Moderna, o Barão Pierre de Coubertin. Para ele, não haveria motivo para incluir as mulheres nos Jogos, salve para aplaudir na entrega dos prêmios.


"A história dos Jogos Olímpicos reflete a sociedade", diz a gerente de desenvolvimento esportivo e mulher no esporte do COB, Taciana Pinto. "No final do século 19, o esporte não era para toda a sociedade, ele era restrito aos homens brancos das classes privilegiadas. Quando Pierre de Coubertin idealizou os Jogos da Era Moderna, ele entendia que a Olimpíada com mulheres seria impraticável, desinteressante, inestética e imprópria'', ela explica.


Ao longo de décadas, o COI (Comitê Olímpico Internacional) vem tentando superar essa posição, embora o reflexo disso demore a aparecer. Em 1991, a entidade determinou que todos os esportes a serem incluídos nos Jogos precisariam obrigatoriamente ter participação feminina.


Mais de 20 anos após essa determinação, em Londres-2012, todas as 204 federações nacionais levaram mulheres em suas comitivas, algo inédito na história das Olimpíadas e fundamental para que Paris-2024 pudesse alcançar a equidade de gênero.


"Apesar de chegarmos em uma igualdade numérica de atletas nos Jogos de Paris, não teremos, por exemplo, a mesma quantidade de medalhas distribuídas para homens e mulheres", critica Taciana Pinto.
"Termos atletas mulheres bem-sucedidas pode impactar na mudança do olhar de pessoas que acham que mulheres não são capazes", finaliza a gerente de desenvolvimento esportivo e mulher no esporte.


VEJA OS BRASILEIROS CLASSIFICADOS PARA OS JOGOS DE PARIS


Atletismo (12 atletas)


Alison dos Santos (400m rasos e 400m com barreiras)
Darlan Romani (arremesso do peso)
Érica Sena (marcha atlética 20km)
Caio Bonfim (marcha atlética 20km)
Daniel Nascimento (maratona)
Rafael Pereira (110m com barreiras)
Erik Cardoso (100m rasos)
Felipe Bardi (100m rasos)
Almir Júnior (salto triplo)
Lucas Carvalho (400m rasos)
Viviane Lyra (marcha atlética 20km)
Matheus Lima (400m rasos e 400m com barreiras)


Boxe (10)


Até 50kg - Caroline Almeida
Até 54kg - Tatiana Chagas
Até 57kg - Jucielen Romeu
Até 57kg - Luiz Oliveira
Até 60kg - Bia Ferreira
Até 66kg - Bárbara Santos
Até 51kg - Michael Douglas
Até 80kg- Wanderley Pereira
Até 92kg - Keno Marley
Acima de 92kg - Abner Teixeira


Canoagem slalom (3)


C1 feminino e cross - Ana Sátila
K1 feminino - Nome a definir
K1 masculino - Pepê Gonçalves (também vai competir na prova do extremo)


Canoagem de velocidade (1)


C1 1.000m masculino - nome a definir


Ciclismo BMX feminino (1)


Nome a definir


Ciclismo de Estrada (2)


Nomes a definir (Brasil conquistou vagas no feminino e no masculino via ranking)


Esgrima (3)


Espada feminina - Nathalie Moellhausen
Florete masculino - Guilherme Toldo
Florete feminino - Mariana Pistoia


Futebol Feminino (18)


Nomes ainda serão confirmados em convocação


Ginástica artística feminina (5)


Cinco ginastas a serem definidas


Ginástica artística masculina (2)


Diogo Soares
Uma vaga para o Brasil - nome a definir


Ginástica de trampolim (2)


Uma vaga no feminino - nome a definir
Uma vaga no masculino - nome a definir


Ginástica rítmica feminina (6)


Uma vaga no individual geral - nome a definir

Cinco vagas no conjunto - nomes a definir


Handebol (14)


Seleção feminina


Hipismo (7)


Equipe de saltos - três nomes a definir (vagas podem ser preenchidas por homens ou mulheres)
Equipe de CCE - três nomes a definir
Adestramento - um nome a definir


Judô (10)


Larissa Pimenta (52kg)
Rafaela Silva (57kg)
Mayra Aguiar (78kg)
Beatriz Souza (+78kg)
William Lima (66kg)
Daniel Cargnin (73kg)
Guilherme Schimidt (81 kg)
Rafael Macedo (90kg)
Leonardo Gonçalves (100kg)
Rafael Silva (+100kg)


Levantamento de Pesos (1)


Laura Amaro (81kg)


Maratona Aquática (2)


10km - Ana Marcela Cunha
10km - Viviane Jungblut


Natação (16 no total)


200m livre - Maria Fernanda Costa fez o índice
400m livre - Gabi Roncatto fez o índice
400m livre - Maria Fernanda Costa fez o índice
1500m livre - Beatriz Dizotti fez o índice
4x100m livre - equipe feminina
4x200m livre - equipe feminina
100m livre - Guilherme Caribé fez o índice
400m livre - Guilherme Costa fez o índice
100m borboleta - Kayky Mota fez o índice
200m livre - Guilherme Costa fez o índice
4x100m livre - equipe masculina
4x200m livre - equipe masculina
4x100m medley misto


Pentatlo moderno (1)


Isabela Abreu


Remo (2)


Skiff simples masculino - Lucas Verthein
Skiff simples feminino - Beatriz Tavares


Rúgbi de sete feminino (12)


Nomes ainda serão confirmados em convocação


Saltos ornamentais (2)


Plataforma de 10m feminina - nome a definir
Plataforma de 10m masculina - nome a definir


Surfe (6)


Tatiana Weston-Webb
Tainá Hinckel
Luana Silva

Filipe Toledo
João Chianca
Gabriel Medina


Taekwondo (4)


Maria Clara Pacheco (até 57kg)
Caroline Gomes (até 67kg)
Edival Pontes (até 68kg)
Henrique Marques (até 80kg)


Tênis (1)


Simples feminino - Laura Pigossi


Tênis de mesa (6)


Equipe masculina - 3
Equipe feminina - 3
Vitor Ishiy e Bruna Takahashi se classificaram nas duplas mistas (vão competir por equipes também)


Tiro com arco (2)


Individual masculino - nome a definir
Individual feminino- nome a definir


Tiro esportivo (3)


Skeet - nome a definir
Pistola de ar 10m masculina - nome a definir
Carabina 50m 3 Posições - nome a definir


Triatlo (1)


Masculino


Vela (4)


Iqfoil masculina - nome a definir
Fórmula Kite - nome a definir
49erFX - nomes a definir


Vôlei (24)


Seleção feminina
Seleção masculina


Vôlei de praia (2)


Ana Patrícia e Duda


Fonte: COB (Comitê Olímpico do Brasil)


Imagem
Paris, a cem dias dos Jogos, luta contra terrorismo e por promessa verde
A quarta-feira (17) inicia a contagem regressiva de cem dias para os Jogos Olímpicos de Paris.
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade