Pesquisar

Canais

Serviços

Anote já!

Sete erros comuns na hora de higienizar e conservar alimentos

- Envato
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
04 jun 2022 às 07:00
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

É bem possível que você já tenha sofrido com alguma DTA (doença transmitida por alimento) ou, pelo menos, que conheça alguém que já passou por isso. Isso é bem mais comum do que se imagina. Segundo levantamento da OMS (Organização Mundial da Saúde), aproximadamente 600 milhões de pessoas são diagnosticadas com essas doenças e 420 mil morrem em decorrência delas. No Brasil, de 2000 a 2018, foram 247 mil casos de doenças relacionadas a alimentos, com quase 200 mortes, conforme o Sinan (Sistema Nacional de Agravos de Notificação).

Continua depois da publicidade


Quando a saúde está debilitada devido a uma infecção alimentar, é comum pensar que foi causada por algo consumido fora de casa. No entanto, a principal causa de contaminação é a cozinha. A doutora em Microbiologia e professora do curso de Biomedicina da UP (Universidade Positivo), Giovana Carolina Bodnar, explica quais são os erros mais comuns na cozinha e como evitá-los.


Higienizar alimentos consumidos crus somente com água


A doutora ensina que o correto é fazer a higienização das frutas, legumes e verduras com uma solução clorada, seguindo alguns passos. “Deve-se retirar as partes estragadas e machucadas, lavar em água corrente e colocar de molho na solução por 10 minutos. Depois, é preciso enxaguar novamente em água corrente e deixar os alimentos secarem naturalmente antes de guardá-los”, explica. 


Para preparar a solução clorada, dilua uma colher (sopa) de água sanitária comercial, que possua entre 2% e 2,5% de cloro ativo, em um litro de água.

Continua depois da publicidade


Não lavar as mãos adequadamente antes de manipular os alimentos


É preciso lavar muito bem as mãos para que elas não transmitam bactérias para os alimentos. “O correto é lavá-las com água e sabão, por pelo menos 20 segundos, também entre os dedos e embaixo das unhas, que são partes nem sempre lembradas na higienização das mãos”, frisa a microbiologista.


Lavar o frango e outras carnes


Segundo a especialista, ao serem lavados, as bactérias presentes nesses alimentos podem espirrar e se espalhar para outras superfícies próximas à pia, contaminando esses locais. “Recomenda-se não lavar pois, no momento do cozimento, as bactérias que podem causar alguma intoxicação alimentar serão eliminadas pelas altas temperaturas”, pontua.


Não guardar alimentos no local adequado da geladeira


Na maioria das geladeiras, aponta a professora, a temperatura varia entre os compartimentos do eletrodoméstico, e é importantíssimo armazenar cada tipo de alimento no local recomendado. “Os alimentos frescos e os que já foram cozidos necessitam de temperaturas mais baixas para serem bem conservados, por isso, devem ficar nos locais mais frios da geladeira, como as prateleiras mais altas e as gavetas. Além disso, deve-se atentar ao tempo de armazenamento de alguns alimentos”, alerta Bodnar, que recomenda: não manter carnes e frios além de três dias, alimentos consumidos crus por mais de uma semana, e leite por mais de cinco dias na geladeira.


Não colocar comida ainda quente na geladeira


O costume de esperar a comida esfriar antes de levá-la à geladeira pode ser arriscado, de acordo com a microbiologista. “Existem bactérias que se proliferam em temperaturas um pouco mais altas, por volta dos 30°C. Por isso, após a refeição, se os alimentos continuarem no fogão, pia ou balcão, a temperatura cai aos poucos até atingir uma condição ideal para a multiplicação dessas bactérias”, comenta a especialista, que aconselha guardar a comida imediatamente depois do fim da refeição.


Não trocar ou higienizar regularmente os panos de prato e esponjas


Panos de prato e esponjas que não estejam limpos são ideais para alojamento e reprodução de bactérias presentes no ambiente. “Ao utilizar esses itens na lavagem e secagem de louças, as bactérias que podem causar intoxicação alimentar são transferidas para os alimentos consumidos”, diz. A professora recomenda a troca da esponja pelo menos uma vez na semana e, para higienizá-la, sugere duas opções. “Coloque uma panela com água no fogão e, quando começar a ferver, deixe a esponja de três a quatro minutos na água. Também é possível preparar uma solução com um litro de água e duas colheres (sopa) de água sanitária comercial, deixando a esponja por dez minutos na solução”.


Não higienizar pia e geladeira corretamente e com frequência


A doutora lembra que a pia e toda a bancada devem ser higienizadas sempre que houver manipulação de alimentos nessas áreas, além de realizar a limpeza da geladeira ao menos uma vez por mês. “Para uma higienização efetiva da parte interna, deve-se esvaziar a geladeira e verificar a data de validade e a qualidade dos alimentos. Em seguida, é preciso retirar as prateleiras e lavar o interior do eletrodoméstico com água e detergente neutro, com o auxílio de uma esponja limpa, e enxaguar com um pano úmido até retirar todo o sabão. Por fim, é necessário secá-la com um pano seco e limpo”, salienta. Ela finaliza explicando que para lavar a parte externa da geladeira também devem ser utilizados água e detergente neutro, no entanto, a secagem deve ser feita naturalmente.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade