Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Mais de 1.900 produtos avaliados

Londrina tem seis premiados no Mundial do Queijo; outros 55 premiados são do Paraná

Redação Bonde com AEN
18 abr 2024 às 10:30
- Divulgação/Witmarsum
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Londrina teve seis queijos e produtos lácteos premiados na 3ª edição do Mundial do Queijo do Brasil, que aconteceu entre os dias 11 e 14 de abril, em São Paulo, outros 23 municípios do Paraná também foram premiados. 


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

No total, 1.900 produtos de 13 países foram avaliados por 300 jurados, e 598 queijos e produtos lácteos receberam medalhas. O júri foi presidido pelo queijista Laurent Dubois, um dos melhores artesãos da França na categoria queijo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Patrocínio insuficiente

Associação encerra contrato e FILO 2024 será reagendado para dezembro

Imagem de destaque
"Chuva gerou atrasos"

Reforma do alambrado do Parque Arthur Thomas ganha prazo extra de dois meses

Imagem de destaque
Nesta manhã

Com 5ºC, Londrina registra o dia mais frio do ano nesta quarta-feira

Imagem de destaque
Solidariedade

Rede de mulheres sambistas de Londrina se mobiliza pelo Rio Grande do Sul


Entre os paranaenses premiados, são 12 medalhas Super Ouro, 14 Ouro, 14 Prata e 15 Bronze. A competição, organizada pela associação SerTãoBras, avaliou de forma anônima queijos, iogurtes, doces de leite e coalhadas, pela sua aparência exterior e interior, textura, aromas e sabores. 

Publicidade


Além do Brasil, participaram do concurso Itália, Espanha, México, Argélia, Polônia, Irlanda, Colômbia, Argentina, Inglaterra, Suíça, França e Uruguai.


Além dos Londrinenses premiados, os outros produtos são de Cantagalo (2), Carambeí (1), Cascavel (2), Chopinzinho (1), Curitiba (3), Diamante D’Oeste (1), Guarapuava (1), Jaguapitã (2), Jandaia do Sul (1), Lapa (1), Londrina (6), Manfrinópolis (1), Marechal Cândido Rondon (4), Maringá (1), Nova Laranjeiras (1), Palmeira (6), Palotina (2), Paranavaí (2), Ponta Grossa (2), Ribeirão Claro (3), Santana do Itararé (3), São Jorge D’Oeste (2) e Toledo (7).

Publicidade


A Cooperativa Witmarsum, de Palmeira, na região dos Campos Gerais, conquistou quatro medalhas. Ganhador do Ouro, o queijo Witmarsum Colonial Natural possui o selo de IG (Indicação Geográfica), que indica a procedência do produto, respeitando os saberes e fazeres dos produtores locais.


“Conquistar uma premiação como a do Mundial é bem mais do que um reconhecimento da qualidade dos nossos produtos, é reconhecer a força dos nossos cooperados que se empenham de sol a sol na produção leiteira, fortalecer o cooperativismo e também uma prova de que somos capazes de produzir queijos tão bons quanto os Europeus”, diz o diretor de Operações da empresa, Rafael Wollmann.

Publicidade


O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, com cerca de 3,6 bilhões de litros ao ano. O leite é o quarto produto em importância no VBP (Valor Bruto da Produção Agropecuária) do Paraná, com R$ 11,4 bilhões em 2022, de acordo com o Deral (Departamento de Economia Rural). Os queijos paranaenses têm tradição de destaque em concursos nacionais e internacionais


Imagem
Motoristas de aplicativos lançam plataforma exclusiva para Londrina
Londrina tem cerca de dez mil motoristas de aplicativos cadastrados e estima-se que, todos os meses, em torno de R$ 4 milhões saiam da cidade por meio das plataformas estrangeiras que conectam os condutores aos passageiros.


MELHOR QUEIJEIRO 

Publicidade


Além dos produtos, o Paraná também se destacou no prêmio de Melhor Queijeiro do Brasil, cujo grande campeão foi o engenheiro de alimentos Henrique Herbert, mestre Queijeiro da Queijaria Flor da Terra, de Toledo, no Oeste do Estado. Natural de Poço das Antas (RS), ele vive no Paraná há 10 anos.


Essa modalidade do concurso avaliou os concorrentes quanto ao saber-fazer profissional, à capacidade de produzir queijos em condições que os tiraram de sua zona de conforto e a habilidade em maturar um queijo em condições especiais. 

Publicidade


“Com esses resultados, cada vez mais deixamos de ser apenas um importante estado produtor de leite, mas também passamos a ser reconhecidos pelos queijos de excelência que são produzidos aqui”, comemora.


Em sua equipe, Herbert contou o apoio do engenheiro de alimentos Kennidy de Bortoli, natural de Foz do Iguaçu, para desbancar os demais candidatos. Ambos atuam no Biopark (Parque Científico e Tecnológico de Biociências), em Toledo, onde conduzem um projeto de pesquisa em queijos finos. O projeto levou oito medalhas, três de Ouro e cinco de Prata.


“Tanto as medalhas conquistadas pelos nossos queijos quanto a medalha conquistada por nós vêm de encontro com o que o Biopark almeja, que é justamente o desenvolvimento da região Oeste do Paraná, com o fator do ensino e a pesquisa”, diz Herbert.


Imagem
Cooperativas de reciclagem renovam com CMTU à espera de um futuro contrato melhor
Após as cooperativas de resíduos recicláveis sinalizarem a possibilidade de interromperem os trabalhos caso a CMTU (Companhia Mun
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade