Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Sal tem que ser usado na medida certa

Redação Bonde
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Cloreto de sódio, fórmula do sal. Ingrediente fundamental presente em quase todos os alimentos, o produto é essencial ao bom funcionamento do corpo humano, mas seu uso em excesso causa transtornos à saúde. Que o digam os hipertensos. Embora muitos não atentem, ele também está presente nos alimentos doces. E até no adoçante.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

O sódio, elemento do sal, tem papel importante no equilíbrio de água no organismo, na contração muscular e nos impulsos nervosos. Por outro lado, seu abuso causa a retenção de líquido no corpo humano. Isso aumenta a pressão sangüínea, acelerando os batimentos cardíacos.

Continua depois da publicidade


Diante disso, a utilização equilibrada do componente torna-se imprescindível para pessoas com quadro de hipertensão. A recomendação, segundo os especialistas, é de que o consumo diário de sal seja de seis gramas para a população em geral. Isso representa uma colher de chá do produto. Para os hipertensos, a medida máxima ideal é de quatro gramas por dia. Para este grupo de pessoas, o controle diário é fundamental. Principalmente para aqueles mais idosos, devido à perda de elasticidade dos vasos sangüíneos. Uma fatia de pizza contém 640 miligramas de sódio. Trinta gramas de batata frita possuem cerca de 170 miligramas de sódio.


Com relação aos adoçantes artificiais, muitos têm indicação no rótulo de que não contêm quantidade significativa de sódio. Entretanto, vale frisar que sua composição básica inclui sacarina sódica e ciclamato de sódio. Essa falta de indicação quantitativa na tabela nutricional não significa ausência de risco à saúde dos hipertensos.

Assim, o acompanhamento do consumo de sódio em produtos nas categorias "light" e "dietética" também é preponderante. O Ministério da Saúde calcula que haja quase 40% de hipertensos na população acima de 40 anos no País. Como não tem cura, a melhor solução para essa silenciosa doença ainda é a prevenção.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade