Pesquisar

Canais

Serviços

Prefeitura de Cambé
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Vacinação em adolescentes

CDC recomenda dose de reforço da Pfizer para adolescentes de 12 a 17 anos

Folhapress
06 jan 2022 às 16:10
Continua depois da publicidade

O CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos, recomendou a aplicação da dose de reforço da vacina da Pfizer contra Covid-19 para adolescentes a partir de 12 anos no país, com intervalo de cinco meses após a segunda dose.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


O documento foi atualizado após decisão do FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos), que autorizou a dose de reforço para todas as idades. Para que a medida entrasse em vigor, era necessário o aval do CDC.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


O uso da dose de reforço foi autorizado pelo CDC em meio a um surto de Covid-19 causado pela variante ômicron, e no momento em que as escolas devem retomar as aulas depois das férias de fim de ano. Pela primeira vez desde o início da pandemia, os Estados Unidos registraram, na terça-feira (4), mais de 1 milhão de casos da doença num único dia.


Segundo a diretora do CDC, Rochelle Walensky, é fundamental proteger crianças e adolescentes da infecção e das complicações da Covid-19. "Esta dose de reforço fornecerá proteção otimizada contra a Covid-19 e a variante ômicron. Eu encorajo todos os pais a manterem seus filhos atualizados com as recomendações da vacina".


O CDC ressaltou que a vacina contra Covid-19 para crianças e adolescentes é "segura e eficaz".

Continua depois da publicidade


Para aprovar a aplicação da dose adicional, a FDA se baseou em dados de Israel, onde milhares de crianças e adolescentes já receberam a terceira injeção, sem o registro de nenhum "problema de segurança".


A atuação do FDA é similar à da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no Brasil.


Os EUA têm uma média de 400 mil novos casos de Covid-19 por dia, um recorde desde o início da pandemia, segundo o levantamento da universidade Johns Hopkins.


As hospitalizações também estão aumentando, mas seguem abaixo do pico registrado há um ano. Por outro lado, as internações de crianças estão em alta.

Continue lendo