Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Alerta

11 de abril é Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença de Parkinson: entendendo e enfrentando os desafios

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
11 abr 2024 às 07:55
- Rawpixel.com/Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O dia 11 de abril foi a data escolhida para chamar atenção para uma das doenças neurodegenerativas mais comuns e impactantes: a doença de Parkinson. A ocasião busca conscientizar a respeito dos desafios enfrentados pelos pacientes, além de servir como um lembrete para a importância da informação e do apoio na jornada dessas pessoas e das famílias.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

A doença de Parkinson é uma condição degenerativa, crônica e progressiva do sistema nervoso central, ocasionada pela redução da dopamina, um neurotransmissor essencial para o controle dos movimentos voluntários do corpo. Como resultado, os pacientes enfrentam uma série de sintomas motores, incluindo tremores, lentidão motora, rigidez e desequilíbrio.

Leia mais:

Imagem de destaque
Vacine as crianças

Paraná começa Campanha Nacional de Vacinação Contra a Poliomielite nesta segunda-feira

Imagem de destaque
Dia Nacional de Combate ao Glaucoma

Monitoramento de Glaucoma evitou cegueira em 300 mil brasileiros

Imagem de destaque
Onda de frio

Saiba quais são as doenças respiratórias do outono e como se proteger

Imagem de destaque
Entenda

Wanessa Camargo alerta seguidores após contrair rotavírus dos filhos


De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), é a segunda doença neurodegenerativa mais comum, atrás do Alzheimer. Estima-se que aproximadamente 4 milhões de pessoas em todo o mundo vivam com Parkinson, com cerca de 450 mil casos no Brasil. Apesar de não haver estatísticas nacionais precisas, estudos sugerem que 3,3% dos indivíduos acima de 64 anos no país são afetados pela doença.

Publicidade

 

Diagnóstico e tratamento

Publicidade


Um dos principais desafios enfrentados pelos pacientes de Parkinson é o diagnóstico precoce. Pela natureza insidiosa da doença, muitas vezes há atrasos na procura por ajuda médica especializada. O neurologista Matheus Ferreira Gomes, do Hospital Mater Dei Santa Genoveva, comenta que o início oligossintomático (que apresenta poucos ou leves sintomas) pode levar os pacientes a não procurarem auxílio médico.


Quanto ao tratamento, há opções disponíveis incluindo medicamentos, fisioterapia, fonoaudiologia, suporte psicológico e nutricional, além de atividade física. Em casos mais avançados, a cirurgia, como a estimulação cerebral profunda, pode ser indicada. “A escolha deve ser individualizada. Exemplos: levodopa, agonistas dopaminérgicos, inibidores da MAO-B, inibidores da COMT e amantadina. Para indicar a estimulação profunda cerebral, o paciente deve ter resposta à levodopa, passar por avaliação neuropsiquiátrica/psicológica e ter imagens do encéfalo, para descartar alterações anatômicas. Para aqueles pacientes em que houve adequada indicação do procedimento, a estimulação profunda pode minimizar os sintomas e trazer grande qualidade de vida. É crucial ressaltar que a estimulação profunda cerebral não cura a doença, mas ajuda no controle sintomático”, diz.

Publicidade


A conscientização pública sobre a doença de Parkinson tem papel relevante na melhoria da qualidade de vida dos pacientes e famílias. Compreender os sintomas, a progressão e as opções de tratamento pode facilitar o diagnóstico precoce e a adaptação das rotinas e ambientes domésticos para atender às necessidades dos pacientes.


Sinais de alerta e progressão

Publicidade


É importante estar ciente dos sinais de alerta da doença de Parkinson, que incluem lentidão, rigidez, tremores de repouso, além de sintomas não motores, como alterações no sono, humor e intestinais. “Em geral, os sintomas progridem lentamente (mas esse tempo varia entre os indivíduos), sendo a lentidão/rigidez o que mais leva à perda da mobilidade, e a disfagia, um facilitador para broncoaspiração e possível pneumonia de repetição”, explica. 


Conforme o neurologista, a expectativa de vida dos pacientes está diretamente ligada à resposta ao tratamento e à qualidade dos cuidados recebidos, tanto medicamentosos quanto não medicamentosos (exercícios físicos, fisioterapia e/ou fonoterapia dirigida).


O Dia Mundial de Conscientização da Doença de Parkinson é uma oportunidade para promover a sensibilização, reduzir o estigma associado aos pacientes e criar uma comunidade de apoio e solidariedade. “Compreender os desafios enfrentados pelos pacientes e suas famílias é o primeiro passo para garantir que eles recebam o apoio e os cuidados necessários para enfrentar essa condição complexa e desafiadora”, conclui.


Imagem
Governo federal lança programa para ampliar acesso a especialistas no SUS
O Ministério da Saúde lançou nesta segunda-feira (8) o Programa Mais Acesso a Especialistas. A proposta é reduzir o tempo
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade