30/03/20
32º/19ºLONDRINA
PUBLICIDADE
|
Importante!

Ambulatório do HU promove ação para detecção de câncer de pele

Professores e residentes de dermatologia do HU (Hospital Universitário) da UEL (Universidade Estadual de Londrina) e médicos colaboradores de Londrina vão realizar atendimento neste sábado (7), no AEHU (Ambulatório de Especialidades do HU). É a 21ª Campanha Nacional do Câncer de Pele, ação promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Agência UEL
Agência <a href='/tags/uel/' rel='noreferrer' target='_blank'>UEL</a>


O professor Airton dos Santos Gon, do Departamento de Clínica Médica, do CCS (Centro de Ciências da Saúde), explica que o atendimento é gratuito e visa o reforço de medidas preventivas. Durante o atendimento, caso o paciente apresente manchas, pintas ou lesões que não cicatrizam, será coletado material para realização de biópsia e de detecção precoce de câncer de pele.

O atendimento da Campanha Nacional do Câncer de Pele será realizado das 9 às 15 horas, no AEHU, localizado no Campus Universitário. O professor Airton dos Santos Gon diz que uma das principais medidas de prevenção do câncer de pele é evitar o sol em excesso e - ao se expor aos raios solares - usar proteção.

Estatísticas - Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer), órgão vinculado ao Ministério da Saúde, o câncer não tem uma única causa. "Entre 80% e 90% dos casos de câncer estão associados a causas externas [presentes no meio ambiente]. As mudanças provocadas (...) pelo próprio homem, os hábitos e o estilo de vida podem aumentar o risco de diferentes tipos de câncer."

De acordo com o Inca, o câncer de pele não-melanoma é o mais frequente no Brasil e corresponde a cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país. O câncer de pele apresenta alto percentual de cura, desde que o diagnóstico seja feito precocemente. "Entre os tumores de pele, é o mais frequente e de menor mortalidade, porém, se não tratado adequadamente pode deixar mutilações bastante expressivas", aponta.

O Inca informa que a neoplasia de pele é mais comum em pessoas com mais de 40 anos, sendo raro em crianças e negros, com exceção de portadores de doenças cutâneas. "Porém, com a constante exposição de jovens aos raios solares, a média de idade dos pacientes vem diminuindo", alerta o instituto. "Pessoas de pele clara, sensíveis à ação dos raios solares, com história pessoal ou familiar desse câncer ou com doenças cutâneas prévias são as mais atingidas".
Agência UEL
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Mais três
Londrina tem 12 casos confirmados de Covid-19
29/03/2020 19:15
Fique atento!
Itália alerta para riscos causados pela automedicação
29/03/2020 18:15
4.256 casos
Brasil registra 136 mortes pelo novo coronavírus
29/03/2020 17:48
Saiba mais
Paraná tem 152 casos confirmados de coronavírus, segundo a Sesa
29/03/2020 17:33
32.137 óbitos
Coronavírus já contaminou mais de 700 mil pessoas no mundo
29/03/2020 15:42
Veja mais e a capa do canal