Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Excesso de diagnóstico

Check-up padrão não traz benefícios, sugere estudo

Agência Estado
20 out 2012 às 09:23
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Check-ups padronizados, que se limitam a seguir uma lista de exames preestabelecidos, podem não trazer benefício algum. Um levantamento feito pela Colaboração Cochrane - organização internacional especializada em revisar estudos da área médica - chegou à conclusão de que esse tipo de procedimento não reduz a mortalidade de modo geral nem a mortalidade por doenças cardiovasculares e câncer, duas das condições que mais se beneficiam com o diagnóstico precoce.

A revisão levou em conta 14 estudos que envolveram, no total, 182.880 participantes. Cada pesquisa avaliou dois grupos de voluntários: um que foi submetido a check-ups periódicos e outro que se limitou a receber atendimento médico padrão. "Levando em conta o grande número de participantes, além do longo período de seguimento, e considerando que a mortalidade cardiovascular e por câncer não foi reduzida em relação ao grupo controle, check-ups padronizados provavelmente não são benéficos", diz o artigo da Cochrane.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Consultas e exames preventivos continuam sendo importantes. Mas os pesquisadores sugerem que o procedimento leve em conta as características individuais do paciente - como idade, histórico clínico, histórico familiar de doenças, hábitos de vida -, o que permitiria uma prevenção mais focada e evitaria a indicação de testes desnecessários. No balanço final, alguns exames podem resultar em mais malefícios que benefícios.

Leia mais:

Imagem de destaque
183 no Paraná

Brasil já registra 1.657 mortes por dengue desde janeiro de 2024

Imagem de destaque
Altitude

Palmeiras recorre a suplemento para amenizar 'viagem que Guardiola não faz'

Imagem de destaque
Saiba mais

Anvisa discute regulamentação de cigarro eletrônico no Brasil

Imagem de destaque
Pacientes de até 12 anos

Unimed Londrina inaugura nova unidade de atendimento pediátrico 24 horas


Uma possibilidade é que testes indicados inadequadamente diagnostiquem condições que não trariam sintomas ao longo da vida do paciente e cujo tratamento acarretaria efeitos colaterais desnecessários.


O presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), Ademir Lopes Junior, concorda com o resultado do levantamento. "Se peço um exame para uma pessoa saudável, espero poder descobrir uma doença que apresente um tratamento. E que, ao fazer esse tratamento precocemente, o paciente seja beneficiado", diz Junior.

Ele dá o seguinte exemplo: se começarem a medir sistematicamente o colesterol de crianças sem fator de risco, provavelmente algumas apresentarão resultados discretamente alterados. Caso recebam tratamento medicamentoso, é bem provável que os efeitos colaterais sejam mais prejudiciais que o colesterol alterado. O artigo da Cochrane também cita "efeitos psicológicos e comportamentais adversos" ligados ao excesso de diagnóstico.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade