05/03/21
Em lesões precursoras

Com evolução lenta, câncer de colo de útero pode ser diagnosticado previamente

iStock
iStock


O mês de janeiro começou com a conscientização pela prevenção e detecção de um dos cânceres mais comuns entre as mulheres: o câncer de colo de útero. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), ele é responsável por mais de 300 mil óbitos por ano no Brasil, sendo a quarta principal causa de morte de mulheres por câncer no país. Uma das principais causas da doença é a presença de infecção persistente por tipos oncogênicos do Papilomavírus Humano (HPV), que origina 97% dos cânceres do colo do útero. De acordo com a ginecologista e obstetra do Hospital Santa Cruz, Dra. Daiene Casagrande (CRM-PR 22.986, RQE 16.025), existem outros fatores de risco que podem agravar o quadro patológico.


"Associação ao tabagismo, alcoolismo, idade sexual precoce para o início de relação, número de parceiros que se relaciona, uso de medicações imunossupressoras, são alguns dos fatores que podem facilitar a evolução para o câncer de colo do útero”, afirma a ginecologista do Hospital Santa Cruz. Considerado o terceiro tipo de câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, os sintomas mais recorrentes são sangramento, dor durante a relação sexual e sangramento após a relação, chegando a apresentar problemas urinários e intestinais, em casos mais graves.

Evolução lenta
Por ser uma doença de desenvolvimento lento, muitas vezes, os sintomas demoram a aparecer e, quando surgem, já estão em quadros mais avançados. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) aponta ainda que a doença é rara em mulheres com idade inferior a 30 anos, sendo o pico de incidência entre 35 e 50 anos de idade. Dessa forma, os médicos recomendam que o diagnóstico seja feito antes do aparecimento desses sintomas, ressaltando a importância do acompanhamento e consultas ginecológicas.

A ginecologista e obstetra do Hospital Santa Cruz reforça que é possível prevenir o câncer de colo de útero com exames periódicos, como o conhecido ‘preventivo’, feito anualmente ou a cada dois anos, dependendo dos casos. "É possível diagnosticar lesões precursoras, que podem se transformar em câncer de colo de útero, nos exames periódicos como o Papanicolau, preventivo ou citológica oncótica. As diretrizes brasileiras recomendam que esse exame seja realizado a partir dos 25 anos de idade em mulheres com atividade sexual ativa, estendendo-se até mulheres com 64 anos”, completa Dra. Daiene.

Contudo, a principal e mais eficaz forma de prevenir a doença é por meio da vacinação contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 do HPV, que pode ser realizada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em meninas de 09 a 14 anos de idade e meninos de 11 a 14 anos, realizada em duas doses com intervalo de seis meses entre elas.

Diagnóstico precoce aumentam os índices de cura
De acordo com o oncologista clínico do Hospital Santa Cruz, Dr. Guilherme Stelko (CRM-PR 29.049, RQE 15.84), é importante fazer o diagnóstico precoce do câncer de colo de útero, uma vez que os índices de cura são muito mais altos nos estágios iniciais da doença. "No estágio clinico 1, por exemplo, as pacientes diagnosticadas possuem mais de 88% de chances de cura. Geralmente, elas são tratadas com cirurgias e, em estágios mais avançados, com radioterapia e quimioterapia” assegura ele. O médico também explica que mesmo nos casos mais precoces, o tratamento também pode envolver, além da cirurgia, a radioterapia com objetivo de alcançar um maior índice de cura.

Após o tratamento, o oncologista ainda recomenda que seja feito um acompanhamento adequado com um ginecologista, para que seja realizada a coleta do Papanicolau da região operada, bem como exames de imagem e consultas médicas periódicas. Afim de proporcionar comodidade, segurança assistencial e agilidade para as pacientes, o Hospital Santa Cruz criou, em 2019, o Centro de Especialidades em Saúde da Mulher que conta com pronto-socorro, centro cirúrgico e laboratórios, funcionando de forma multidisciplinar, com diferentes especialidades, facilitando a solução integral do problema da paciente.

Sobre o Hospital Santa Cruz

Fundado em 1966, o Hospital Santa Cruz está localizado no bairro Batel, em Curitiba (PR), e, desde junho de 2020, é unidade integrante da Rede D'Or São Luiz - maior rede de hospitais privados do país com atuação no Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal, Pernambuco, Maranhão, Bahia, Sergipe e Paraná. O Hospital Santa Cruz é considerado um centro de alta complexidade no atendimento das áreas de Oncologia, Cardiologia, Cirurgia Geral, Neurologia, Ortopedia, Pronto-Atendimento e Maternidade. Com estrutura e equipe multidisciplinares, equipamentos de última geração e um moderno centro cirúrgico, oferece cuidado de alta qualidade centrado no paciente, segurança assistencial e humanização do atendimento. É reconhecido com o selo de Acreditação com Excelência Nível III, entregue pela ONA, sendo a instituição acreditada nesta categoria por mais tempo no Estado. Mais informações em www.hospitalsantacruz.com.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
Continue lendo
Saiba como fazer

Prefeitura de Londrina reabre agendamento para vacinar idosos acima de 80 anos contra Covid-19

05 MAR 2021 às 07h12
448.148 doses aplicadas

Sesa registra mais 5.386 casos de Covid-19 e 110 mortes no Paraná

04 MAR 2021 às 20h54
Veja o estudo

Estudo da Fiocruz confirma circulação de variantes do coronavírus no Paraná

04 MAR 2021 às 20h47
Boletim diário

Maringá registra 16 óbitos por Covid-19 nesta quinta-feira

04 MAR 2021 às 20h30
Paciente mais novo

Jovem de 20 anos morre por Covid-19 em Londrina

04 MAR 2021 às 19h37
Bharat Biotech

Vacina indiana Covaxin tem eficácia próxima de 81% em análise preliminar

04 MAR 2021 às 16h20
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados