Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Resolução da Anvisa

Comissão do Senado aprova projeto de venda de inibidores de apetite

Agência Brasil
17 jul 2014 às 07:47
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou ontem (16) projeto que suspende resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibindo o uso de inibidores de apetite e controlando o uso da sibutramina.

Em 2011, a Anvisa proibiu a produção e a venda de remédios com as substâncias femproporex, mazindol e anfepramona, e impôs controle sobre o uso da sibutramina - todos medicamentos usados como emagrecedores. A decisão foi tomada porque a Agência considera os riscos do uso destas substâncias superiores aos benefícios.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia é radicalmente contra a proibição da venda destes medicamentos, alegando que é a saída para pacientes obesos que não podem fazer cirurgia bariátrica e não conseguem emagrecer apenas com exercícios físicos e dieta.

Leia mais:

Imagem de destaque
Alarmante

Em Londrina, mortes por dengue disparam 400% em um ano

Imagem de destaque
Impasse

Dois meses depois de publicação do edital, obra da UPA Sol em Londrina segue em aberto

Imagem de destaque
Alerta

11 de abril é Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença de Parkinson: entendendo e enfrentando os desafios

Imagem de destaque
1.256 mortes pela doença

Brasil tem mais de 3 milhões de casos de dengue desde janeiro de 2024


A proposta do Senado contou com parecer favorável da relatora, senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), e segue agora para votação pelo plenário da Casa. Diferentemente de outros projetos de lei, o projeto de decreto legislativo não precisa de sanção do presidente da República. Depois de aprovado pela Câmara e pelo Senado, é promulgado em sessão do Congresso.

Para o senador Humberto Costa (PT-PE), que também é médico, o Senado não tem o papel de definir os remédios que devem ou não ser comercializados no país. Ele defende a suspensão da votação do projeto e a reabertura da discussão sobre o assunto, em conjunto com a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e envolvimento de entidades médicas do país.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade