14/07/20
24º/16ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Mostra pesquisa

Diagnóstico médico na internet: 7 em 10 pacientes recebem informações falsas

Uma dor de barriga ou de cabeça que não passa e você corre para o Google para ler sobre o assunto, certo? O que pode parecer uma facilidade em conseguir informações sobre doenças, também pode na verdade ser um dos maiores vilões nesse caso, porque além de sermos "máquinas complexas" e termos históricos únicos de vida, o site de busca não é um médico, e isso faz toda a diferença.

Shutterstock
Shutterstock


Uma pesquisa realizada com 570 médicos registrados na Doctoralia, plataforma do setor de agendamento de consultas, mostrou que 73% deles receberam algum questionamento de seus pacientes no último ano sobre saúde, que ao final descobriu-se ser apenas um boato. Mais do que isso, 72% desses profissionais notaram um aumento desses casos, ou seja, cada vez mais as pessoas procuram diagnósticos na internet e recebem informações que não são fidedignas.

Por exemplo, uma dor de cabeça no campo de busca do Google pode trazer diagnósticos de febre, dengue, meningite, AVC e tantas outras patologias que podem preocupar sem necessidade ou, no pior dos casos, passar uma falsa sensação de tranquilidade. Esse comportamento está fazendo com que os médicos fiquem preocupados com o que eles estão chamando de "cibercondríacos", aqueles pacientes que se autodiagnosticam por meio de pesquisas na internet.

"Todo site sério sobre saúde ressalta, de uma forma ou outra, que as informações contidas ali não substituem uma consulta médica. Aqui mora o principal problema das pesquisas na internet: as informações acerca de uma condição de saúde ou doença disponíveis online muitas vezes são tratadas como diagnóstico pelo usuário", diz Frederic Llordachs, médico cofundador da Doctoralia.

De acordo com a pesquisa, 87% dos médicos atribuem esse aumento aos novos canais de comunicação imediatos (WhatsApp, redes sociais, etc) que permitem a difusão mais rápida dos boatos.

9 a cada 10 médicos acreditam que os pacientes deveriam receber formação para distinguir os boatos das informações verdadeiras. "Além de informações que podem estar erradas, ainda há casos em que a informação passada por um parente ou amigo, ganha um ar de credibilidade falso e perigoso. Mesmo quando um diagnóstico é feito em consultório, nem sempre é conclusivo e rápido, ou seja, a saúde merece atenção e cuidado", explica Frederic.

O importante é ficar atento às possíveis emboscadas da internet e, para qualquer sintoma aparente, é interessante buscar um médico especialista.
Redação Bonde com Assessoria de imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Boletim
Maringá registra mais uma morte e 75 novos casos de Covid-19
14 JUL 2020 às 19h28
Boletim da prefeitura
Londrina atinge 97 óbitos pela Covid-19 e passa de 2 mil casos
14 JUL 2020 às 19h15
Boletim da Sesa
Paraná confirma mais 1.775 casos e 57 mortes pela Covid-19
14 JUL 2020 às 17h04
Rede pública
Saiba qual unidade de saúde procurar caso precise de atendimento médico em Maringá
14 JUL 2020 às 16h58
12 meses
Paraná finaliza mais um período de monitoramento da dengue
14 JUL 2020 às 14h46
Menos efeitos colaterais
Fiocruz fecha parceria para produção de medicamentos contra o HIV
14 JUL 2020 às 11h49
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados