Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Vírus

Fundação fará diagnóstico de casos da febre chikungunya

Agência Fio Cruz de Notícias
27 jul 2014 às 10:33
- Agência Fio Cruz de Notícias
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Referência regional para dengue e febre amarela, o Laboratório de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi designado pelo Ministério da Saúde para fazer também o diagnóstico laboratorial de casos suspeitos de febre chikungunya inicialmente no Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia. Comum na África e na Ásia, o vírus começou a se espalhar no Caribe em dezembro do ano passado e, desde então, vem causando epidemias na região. Em 17 de julho, autoridades dos Estados Unidos divulgaram o primeiro caso de transmissão da doença ocorrido no país.


A chefe do Laboratório de Flavivírus do IOC, Rita Nogueira, explica que o vírus tem capacidade de se disseminar rapidamente. Por isso, a detecção precoce dos casos é fundamental para conter o avanço da doença. A infecção é considerada de notificação compulsória no Brasil, o que torna obrigatório que os casos suspeitos sejam informados pelos serviços de saúde às autoridades para a adoção de medidas preventivas. Ainda não há transmissão autóctone no país e, até o momento, 20 casos importados foram registrados de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Em sete meses, 300 mil casos no Caribe

Segundo levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), até o dia 3 de julho, foram registrados 300 mil casos suspeitos da doença na região do Caribe, com epidemias na República Dominicana, Haiti, Martinica e Guadalupe, além de países da América Central. "O vírus já circula em áreas de fronteira brasileira, como Guiana, Guiana Francesa e Venezuela. Considerando que temos a presença de vetores capazes de transmitir a doença no país, podemos admitir que existe um risco importante", afirma a virologista, lembrando que um estudo coordenado pelo IOC, em parceria com o Instituto Pasteur, da França, mostrou que os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopicuts presentes no Brasil são altamente capazes de propagar a infecção.

Leia mais:

Imagem de destaque
Agência Nacional de Vigilâcia Sanitária

Entenda o que é a Anvisa, agência que regula remédios, vacinas e comida

Imagem de destaque
Aedes avança pelo PR

Saúde confirma oito mortes por dengue em Londrina e Rolândia; confira dados do boletim

Imagem de destaque
Saiba mais

Tande, campeão olímpico de vôlei, sofre infarto

Imagem de destaque
Saiba mais

Confira quais são os direitos do consumidor na venda da operadora de plano de saúde


A transmissão da febre chikungunya ocorre quando mosquitos se alimentam do sangue de pessoas doentes, contraindo o vírus e, em seguida, picam outros indivíduos. "Na situação atual do Brasil, a vigilância é o fator mais importante. Logo que um caso é diagnosticado, medidas para combate aos vetores devem ser intensificadas na localidade de residência do paciente no sentido de interromper a transmissão do vírus. Se não for possível impedir a disseminação do chikungunya no Brasil, pelo menos podemos trabalhar para diminuir o impacto sobre a população", avalia Rita.


Fase de preparação

O interesse dos pesquisadores do Laboratório de Flavivírus do IOC pelo vírus chikungunya teve início em 2010, após a confirmação de um caso importado no país. Devido à similaridade em relação aos sintomas da dengue e de relatos na literatura médica sobre a coinfecção envolvendo dengue e chikungunya, o caso serviu como alerta para a equipe, que passou a acompanhar a disseminação da doença em outros países e buscou apoio de instituições internacionais para implantar os métodos de diagnóstico.

As técnicas moleculares para detectar o material genético do vírus em amostras de pacientes de casos suspeitos foram implantadas no laboratório ainda em 2012. Atualmente os pesquisadores contam também com métodos sorológicos – tanto os chamados testes ‘in house’, elaborados localmente, quanto kits comerciais para avaliação dos níveis de anticorpos IgM e IgG. "Esse tipo de preocupação precisa vir antes da epidemia. Sempre tivemos o compromisso de nos antecipar para conseguir realizar o diagnóstico das infecções que possam vir a acontecer no país no âmbito da abrangência do Laboratório", ressalta a pesquisadora.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade