Pesquisar

Canais

Serviços

Emerson Dias/N.Com
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Profilaxia Pré-Exposição

Londrina implanta método medicamentoso gratuito para prevenção ao HIV

Redação Bonde com N.com
21 out 2021 às 18:00
Continua depois da publicidade

A população londrinense atendida pelo SUS (Sistema Único de Saúde) passa a contar com um novo dispositivo de prevenção para reduzir os riscos de adquirir infecção pelo HIV. A PrEP (Profilaxia Pré-Exposição), método medicamentoso que permite fortalecer o organismo no enfretamento a um possível contato com HIV, foi implantada pela Prefeitura de Londrina e está disponível de forma gratuita no CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento). No local, o serviço começou a funcionar na semana passada, e os públicos de interesse já estão podendo realizar agendamento prévio on-line para marcar uma consulta inicial.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Os atendimentos são feitos sempre no período da tarde, de segunda a quinta-feira, no CIDI (Centro Integrado de Doenças Infecciosas), na Alameda Manoel Ribas, nº 1, Centro. E o agendamento eletrônico pode ser realizado no portal da Prefeitura, com acesso pelo link https://portal.londrina.pr.gov.br/agendamentos . Os interessados devem apenas preencher um breve formulário.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


A PrEP é uma estratégia adicional de prevenção oferecida no Brasil, por meio do SUS, desde o final de 2017, e vem sendo implantada de forma gradual. A finalidade é diminuir a transmissão do HIV, reforçando a prevenção combinada com outros métodos conhecidos, consistindo no uso de antirretrovirais  para bloquear alguns “trajetos” que o HIV usa para infectar o organismo. A prevenção ocorre com dois medicamentos combinados, o tenofovir e a entricitabina.


A medicação deve ser tomada diariamente e o tratamento exige acompanhamento médico regular. A PrEP pode impedir que o HIV se estabeleça e seja espalhado pelo organismo. No entanto, o uso incorreto e descontinuado pode fazer com que não haja concentração suficiente das substâncias ativas na corrente sanguínea para o bloqueio do vírus.


A PrEP é direcionada para populações-chave, determinadas pelo Ministério da Saúde, como gays e outros homens que fazem sexo com homens, pessoas trans e travestis, profissionais do sexo. Além destes, também é voltada a sorodiscordantes, ou seja, quando há parceria na qual uma das pessoas é infectada pelo HIV e a outra não, em decisão compartilhada e individualizada, já que pessoas vivendo com HIV em tratamento regular, e carga viral indetectável há pelo menos seis meses, não transmitem o vírus.

Continua depois da publicidade


A supervisora do Programa de Medicina de Família e Comunidade, Beatriz Zampar, reforça a importância deste serviço para garantir o acesso à população a Profilaxia Pré-exposição ao vírus HIV disponível no SUS. “É fundamental avaliar as particularidades de cada pessoa, relacionar com os demais aspectos físicos, emocionais e sociais, para juntos – equipe de saúde e usuário -, definirmos quais formas de prevenção serão adotadas para cada caso. E a PrEP é mais uma opção disponível gratuitamente ao público”, frisou.


Carla Cristina Monteiro, médica infectologista do ambulatório de HIV/Aids, que funciona no prédio do CIDI, vem colaborando na orientação e apoio aos médicos residentes que iniciaram os novos atendimentos referentes à PrEP. A triagem inicial é feita pela equipe de saúde composta por enfermeiros e médicos do Programa de Medicina de Família e Comunidade. Ela contou que este novo serviço implantado no município começou a funcionar há duas semanas e, desde então, quase todas as vagas abertas por dia foram preenchidas, com atendimento a dezenas de pessoas.


“Os enfermeiros e médicos estão preparados e foram capacitados para atender e dar suporte à população. A Profilaxia Pré-Exposição é mais um método muito importante que fortalece as medidas de prevenção ao HIV, e é direcionada, principalmente, para a população mais vulnerável e suscetível. Vários estudos clínicos já apontaram que o medicamento é eficaz e, se for administrado de forma correta, com o devido acompanhamento profissional, pode reduzir a incidência de infecção por HIV em até 95%. No entanto, é importantíssimo frisar sempre que o ideal é que as pessoas se protejam e utilizem todos os métodos combinados que possam reduzir as chances de transmissão”, destacou Carla.


Como funciona


Em Londrina, os pacientes agendados deverão comparecer no CTA para a consulta inicial de triagem, na qual a equipe de saúde, composta por enfermeiros e equipe médica da Medicina de Família e Comunidade, irá realizar os procedimentos necessários. Dentre as ações estão a realização de Testes Rápidos para HIV, Sífilis, Hepatites B e C, aconselhamento sobre ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis)/Aids/Hepatites virais, abordagem sobre gerenciamento de risco e vulnerabilidades, avaliação do entendimento e motivação para início da PrEP.


Nesta avaliação, é verificada a possibilidade de infecção pelo HIV, identificada e tratada as infecções sexualmente transmissíveis, avaliar o esquema vacinal para hepatite B; solicitar exames laboratoriais das funções renal e hepática e outros; prescrever os antirretrovirais para a PrEP (tenofovir + entricitabina); agendar retorno para avaliação em 30 dias.


Uma vez que a PrEP é iniciada, deve-se realizar acompanhamento clínico e laboratorial regular, a cada três meses. Sobretudo no início de uso da PrEP, é recomendada a avaliação das pessoas em intervalos mais curtos. A primeira dispensação deverá ser para 30 dias e a segunda para 60 ou 90 dias. Uma vez caracterizada a adesão do indivíduo à estratégia, o seguimento clínico e a dispensação poderão ser trimestrais (a cada 90 dias).


Prevenção combinada


Essa estratégia pode e deve ser combinada com outros métodos preventivos e ações, como o uso do preservativo, que protege contra todas as demais Infecções Sexualmente Transmissíveis, a testagem regular para o HIV, acessível pelo SUS gratuitamente, a prevenção da transmissão vertical – quando a gestante é soropositiva e pode haver a transmissão do vírus para o bebê.


Também existe o tratamento das infecções sexualmente transmissíveis e das hepatites virais; a imunização para as hepatites A e B; a redução de danos para usuários de álcool e outras drogas; a profilaxia pré-exposição; a profilaxia pós-exposição em caso de exposição recente ao vírus HIV (até 72 horas); e o tratamento para todas as pessoas que já vivem com HIV. A PrEP não previne a gravidez e não garante 100% de proteção contra o HIV, tal como qualquer outro método.


Mais informações sobre a PrEP podem ser encontradas no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Profilaxia Pré-Exposição de Risco à Infecção pelo HIV: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/protocolo-clinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-profilaxia-pre-exposicao-prep-de-risco


PrEP x PEP 


Os nomes das duas estratégias são parecidos, mas há diferenças entre as finalidades. A PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) é indicada para quem não tem HIV, mas está mais exposto ao vírus, sendo que o medicamento deve ser tomado todos os dias para a proteção efetiva.


Já a PEP (Profilaxia Pós-Exposição) é indicada para quem pode ter sido exposto ao HIV em situações como sexo desprotegido, violência sexual e acidente de trabalho. Deve ser tomada em até 72 horas após a possível exposição ao HIV, por 28 dias. Ambas estão disponíveis em Londrina, no CTA.


CTA Londrina


Localizado no prédio do Centro de Referência Dr. Bruno Piancastelli Filho, o CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) de Londrina iniciou suas atividades em Novembro de 1995. O atendimento neste espaço é sigiloso e oferece a quem realiza o teste a possibilidade de ser acompanhado por uma equipe de profissionais de saúde que orientará sobre os exames realizados, independentemente do resultado.


É um serviço de saúde que realiza ações de diagnósticos e prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Nesse serviço, é possível realizar testes para HIV, Sífilis, Hepatites B e C gratuitamente. Todos os testes são realizados de acordo com a norma definida pelo Ministério da Saúde e com produtos registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA/MS; e por ela controlados.

Continue lendo