28/10/20
PUBLICIDADE
Entenda

Ministério da Saúde não descarta compra de vacina chinesa

Pixabay
Pixabay


Pressionado pelos estados a comprar a vacina chinesa Sinovac, desenvolvida em parceira com o Instituto Butantan, o Ministério da Saúde amenizou o tom e informou que não descarta nenhuma possibilidade de imunização.


Em entrevista coletiva nesta quinta-feira (15), o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, afirmou que o país pode contar com "várias vacinas" contra o novo coronavírus e que a vacina chinesa "está no rol daquelas que deverão ser adquiridas".

O secretário voltou a falar que as vacinas em fase 3 de testes clínicos - com amostragem ampliada - terão preferência."Em fase 3, estágio avançado de desenvolvimento, talvez ali concomitante com a da AztraZeneca, nós temos a do Butantan aqui no Brasil. Com certeza ela está no rol daquelas que deverão ser adquiridas e deverão ser inseridas no programa nacional de imunização, conforme um estudo de segurança, da eficácia, do prazo de disponibilidade...", disse o secretário-executivo.

Franco também disse que, entre os requisitos avaliados pelo Ministério, estão a capacidade de produção em escala e um preço "que seja exequível, que possamos pagar pela vacina".

Secretários estaduais de Saúde encaminharam um ofício nesta quinta-feira (15) ao ministro Eduardo Pazuello (Saúde), solicitando a compra da vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan, de São Paulo, em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O documento assinado pelo presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Estado da Saúde), Carlos Lula, cita reunião realizada entre os secretários e dirigentes do Ministério da Saúde, na qual foram informados que as opções contratadas pelo governo federal não devem resultar na vacinação da população antes de abril do próximo ano.

A crise entre ministério e secretários estaduais, por conta da previsão da disponibilização da vacina apenas em abril de 2021 foi revelada pelo Painel.
Por outro lado, argumentam os secretários, a vacina produzida pelo Instituto Butantan encontra-se na fase 3 de testes clínicos - a testagem em uma amostragem ampliada - que deve ser encerrada até novembro.

Além disso, existiria a disponibilidade imediata, em dezembro, de 46 milhões de doses. Essas quantias seriam ampliadas em fevereiro, com mais 14 milhões, e outras 40 milhões até junho.

"Desta feita, o Conselho Nacional de Secretários de Estado da Saúde - CONASS, cordialmente, solicita ao Ministério da Saúde a adoção das medidas necessárias e imediatas para incorporação ao Programa Nacional de Imunização - PNI das vacinas para COVID-19 produzidas pelo Instituto Butantan, em parceria com a empresa farmacêutica Sinovac Life Science", afirma o texto do ofício encaminhado a Pazuello.

Na semana passada, o mesmo secretário Franco havia adotado um tom mais duro, ao ser questionado sobre a compra da vacina chinesa. O secretário-executivo afirmou na ocasião que as negociações com o estado de São Paulo estavam no mesmo passo que as demais mantidas pelo ministério. "A vacina que ficar pronta primeiro com certeza será uma opção para adquirirmos. De acordo com a legislação brasileira, eu não posso comprar o que não existe", disse.

Franco disse nesta quinta-feira que pode haver um adiantamento para dezembro do início do fornecimento das vacinas desenvolvidas pela Universidade de Oxford em parceria com a empresa AztraZeneca, via Fiocruz. A princípio, as 15 milhões de primeiras doses estarão disponíveis em janeiro. O Ministério afirma que o cronograma de entrada dessas vacinas serão mensais, com a mesma quantidade inicial.

Na semana passada, o governo federal informou que terá 140 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus no primeiro semestre.
Em relação à imunização no primeiro semestre, 100 milhões de doses virão da parceria entre a AstraZeneca e a Universidade de Oxford, por intermédio da Fiocruz.

As outras 40 milhões de doses serão obtidas através do mecanismo Covax Facility, liderado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). O Brasil anunciou a adesão ao mecanismo em setembro deste ano, quando o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou medida provisória liberando R$ 2,5 bilhões.

O Ministério da Saúde também apresentou nesta quinta-feira o boletim epidemiológico, em relação à semana que terminou no dia 10 deste mês. A pasta acrescenta que essa é a 19ª semana com tendência de queda no número de mortes.

"Por volta da 22ª semana epidemiológica, tínhamos um platô de óbitos que permaneceu por cerca de seis semanas. A partir de então, já vemos uma tendência de queda", disse Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Na Inglaterra

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid-19

28 OUT 2020 às 08h18
Boletim diário

Londrina registra mais três óbitos por Covid-19 e 52 casos

27 OUT 2020 às 17h53
Síndrome do Túnel do Carpo

Conheça a doença que levou Ana Maria Braga à sala de cirurgia

27 OUT 2020 às 17h41
Boletim diário

Paraná tem 23 mortes e 1.280 novos casos de Covid-19

27 OUT 2020 às 17h27
Boletim da pandemia

Maringá registra novos 121 casos da Covid-19 nesta terça-feira

27 OUT 2020 às 16h21
Mais rapidez

Certificação Digital aumenta segurança e eficiência em processos na área da saúde

27 OUT 2020 às 15h39
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados