01/08/21
Essências mascaram o perigo

Narguilé traz malefícios mais severos do que o cigarro

Em pouco mais de uma hora, o consumo provoca a exposição a componentes tóxicos presentes em 100 cigarros

Fumar tabaco usando o tradicional cachimbo árabe é um costume centenário no Oriente e que recentemente chegou aos bares e cafés brasileiros, atraindo, principalmente, a atenção dos jovens.

Divulgação
Divulgação


Com um aroma agradável, o narguilé consegue disfarçar malefícios que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são mais severos do que os do cigarro. Para se ter uma ideia, uma sessão média do produto equivale ao consumo de 100 cigarros. Normalmente compartilhada em confraternizações e encontros de amigos, a piteira do narguilé é outro ponto que chama a atenção dos especialistas. De boca em boca, ela aumenta as chances de transmissão de doenças graves, como a hepatite C.

Tamanhos estragos fizeram com que o narguilé se transformasse no alvo do Dia Nacional de Combate ao Fumo, celebrado no próximo dia 29. O Instituto Nacional de Câncer, responsável pelas atividades que acontecerão no país, em conjunto com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), constatou que o cachimbo já é usado por pelo menos 300 mil pessoas no Brasil.

Pneumologista do Hospital Anchieta e professor da Universidade de Brasília (UnB), Carlos Alberto de Assis Viega ressalta que a inalação do monóxido de carbono (CO), substância responsável por doenças cardiovasculares, é um dos principais problemas desse tipo de cachimbo. "A fumaça dele tem maior concentração de CO porque, além do tabaco, há o carvão", explica o médico. Em termos de nicotina, há uma concentração um pouco maior do que a encontrada no cigarro.

De acordo com um grupo de pesquisa na área da Universidade da Califórnia, o Tobacco-Related Disease Research Program, 45 a 60 minutos de consumo de narguilé expõem o fumante à mesma quantidade de nicotina encontrada em um maço de cigarro. "As pessoas acham que a água consegue filtrar a nicotina, mas estão erradas, pois essa substância não é solúvel em água", esclarece Viegas. Outro equívoco cometido pelos usuários é acreditar que alguns produtos utilizados no narguilé são livres de nicotina.

"Se você ler a caixinha com uma lupa, verá que há, sim, nicotina. As essências ajudam a melhorar o paladar e fazem com que a pessoa trague com maior profundidade e intensidade, mas não existe tabaco para narguilé sem a nicotina", alerta o pneumologista, que destaca ainda o risco da transmissão de doenças pela piteira, como herpes, hepatite C e tuberculose. Viegas chama também a atenção para outro hábito perigoso que envolve o uso do narguilé: a mistura de maconha, vodca, tabaco e essência no mesmo recipiente. "Esses jovens estão inalando três drogas. Isso está acontecendo com frequência e é muito mais grave."
(com informações do site Saúde Plena)
Redação Bonde
Continue lendo
Números da Sesa

Paraná registra mais 2.341 casos de Covid-19 e 77 óbitos

31 JUL 2021 às 16h58
Duas mortes e 68 casos

Londrina monitora 511 casos ativos de coronavírus

31 JUL 2021 às 16h46
Boletim diário

Londrina acumula 70.437 casos e 1.868 mortes pelo coronavírus

30 JUL 2021 às 18h40
Todas são seguras e eficazes

Entenda como funciona o intervalo entre as vacinas e por que são diferentes

30 JUL 2021 às 17h46
Boletim diário

Maringá confirma mais três mortes e 118 infectados pela Covid-19

30 JUL 2021 às 17h17
Boletim diário

Paraná confirma mais 83 mortes e 2.274 infectados pela Covid-19

30 JUL 2021 às 15h51
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados