Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
No Brasil

Projeto propõe vagas para negros em hospitais privados

Agência Câmara
08 out 2012 às 15:06
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O governo federal pode ser obrigado a fazer parcerias com os hospitais particulares para que a população negra tenha acesso a vagas e leitos médicos em todo o Brasil. A reserva de vagas para negros está prevista no projeto de lei do deputado Márcio Marinho (PRB-BA) - a proposta usa a lei 12.228/10, que criou o Estatuto da Igualdade Racial.

Segundo o autor, o objetivo do projeto é garantir à população negra o acesso da rede de saúde, já que não há vagas suficientes nos hospitais públicos do país. "O acesso à saúde é uma garantia constitucional que não vem sendo cumprida, especialmente quando se trata da mulher e da população afrodescendente", afirma o deputado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Marinho cita dados da terceira edição do estudo "Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça", que mostra que as mulheres negras têm menos acesso a exames. O número de brasileiras negras que nunca fizeram mamografia, por exemplo, é de 46,3%, bem acima do índice das mulheres brancas, de 28,7%, e até mesmo da média das mulheres em geral, de 36,4%.

Leia mais:

Imagem de destaque
1.256 mortes pela doença

Brasil tem mais de 3 milhões de casos de dengue desde janeiro de 2024

Imagem de destaque
Ensino Superior

Brasil tem 22 graduações avaliadas entre as melhores do mundo, aponta ranking

Imagem de destaque
Fitofotodermatose

BBB 24: Dermatologista alerta para riscos do contato da pele com frutas cítricas ao sol

Imagem de destaque
Alerta

Hepatites virais matam 3,5 mil pessoas por dia no mundo, afirma OMS


"E essa desigualdade também se mantém se o recorte for [feito] entre mulheres com mais de 12 anos de estudo: 10,5% das mulheres brancas com esse nível educacional [ensino médio completo] não fizeram o exame. No caso das mulheres negras, 18%", argumenta o autor.

Como o projeto tramita na Câmara em caráter conclusivo, ele não precisa votado no plenário, apenas ser aprovado pelas comissões da Câmara - neste caso, são três: Direitos Humanos e Minorias, Seguridade Social e Família, e Constituição e Justiça e de Cidadania.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade