Pesquisar

Canais

Serviços

Pexels
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Saúde Mental

Psicólogos criam projeto popular para atender população afetada pela pandemia em Londrina

Pedro Marconi/ Grupo Folha
20 set 2021 às 17:10
Continua depois da publicidade

Qual a importância da saúde mental? Para um grupo de psicólogos que atua em Londrina, a qualidade de vida cognitiva ou emocional é fundamental para todo o processo do ser humano. Pensando nisso, os profissionais lançaram um projeto popular voltado para a população socioeconomicamente afetada pela pandemia de coronavírus e vulnerável.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A pessoa é atendida semanalmente com sessões de psicoterapia na clínica, que fica no centro da cidade, e de forma individual. O paciente paga um valor mensal, no entanto, a taxa é consideravelmente menor do que o indicado na tabela referencial de honorários do CRP-PR (Conselho Regional de Psicologia do Paraná). O dinheiro é utilizado para manutenção do espaço e para gerar renda aos profissionais, beneficiando ambos os lados.

Continua depois da publicidade


“A pessoa emocionalmente tratada tem um desenvolvimento melhor em qualquer aspecto da vida. Vai saber resolver problemas, vai se desenvolver melhor no trabalho, com os amigos, na família. A terapia funciona como um guia para ajudar a pessoa sair dos problemas emocionais. Além disso, a doença mental traz questões físicas, já que o corpo sente”, destacaram Mariana e Marielle Fernandes, que são irmãs e coordenam o projeto.  


A iniciativa surgiu no contexto da pandemia, com o isolamento social e as pessoas tendo que enfrentar problemas que já existiam, mas ficavam “escondidos” na correria do dia a dia. “As pessoas começaram a ficar em casa e apareceram os problemas de relacionamento. Os pais passaram a observar os filhos, as pessoas começaram a ficar ansiosas, angustiadas, depressivas. Foi o start para procurar a terapia”, comentaram.


Entretanto, com a retomada das atividades econômicas e em meio à crise financeira, demissões e redução de jornadas e salários, a saúde mental voltou a ficar em segundo plano. “Deram prioridade para outras coisas e abandonaram a terapia. Vendo essa demanda, estruturamos o projeto, até porque o SUS (Sistema Único de Saúde) não consegue atender todos que precisam”, constataram. 


Leia mais na Folha de Londrina

Continua depois da publicidade

Continue lendo