Pesquisar

Canais

Serviços

- iStock
Continua depois da publicidade
Critérios mundiais

Saúde vai certificar municípios para a eliminação da sífilis

AEN-PR
17 out 2019 às 10:04
Continua depois da publicidade

A Secretaria de Estado da Saúde lançou nesta quarta-feira (16) a Certificação da Eliminação da Transmissão Vertical da Sífilis Congênita para os municípios que atingirem os critérios e os indicadores estabelecidos mundialmente.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A transmissão vertical da sífilis congênita acontece durante a gestação, quando a mãe, já infectada pela doença, passa a bactéria para o filho.


"Esta proposta é inédita entre Governo do Estado e municípios”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. Segundo ele, o objetivo é incentivar e aprimorar os processos para a eliminação da sífilis congênita que, apesar de ser uma doença milenar, ainda é a segunda principal causa de morte fetal evitável em todo o mundo.


Os critérios devem estar em conformidade com diretrizes do Ministério da Saúde, da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde), da OMS (Organização Mundial da Saúde), do Unicef (Fundo das Nações Unidas para Infância), do Conselho Nacional de Secretários de Saúde e do Conasems (Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde).


O anúncio da certificação foi feito durante o Seminário de Mobilização para Enfrentamento da Sífilis, promovido pela Secretaria e 2ª Regional de Saúde da Região Metropolitana, em Curitiba, com a participação de profissionais que atuam nas áreas da Vigilância e da Atenção Primária. Representantes das 22 Regionais de Saúde do Estado também participaram do evento por videoconferência.

Continua depois da publicidade


Para conquistarem a certificação, os municípios deverão comprovar ações de prevenção, de qualificação e atenção ao pré-natal, de tratamento das gestantes e parcerias sexuais, de profilaxia das crianças expostas e de promoção da saúde sexual e reprodutiva.


Os municípios deverão, principalmente, atingir o patamar indicado como aceitável na taxa de incidência de sífilis em menores de 1 ano, que é de 0,5 caso para cada 1.000 nascidos vivos, nos três últimos anos de monitoramento, explicou Beto Preto.


Dados - A taxa de detecção de sífilis em gestantes e a incidência congênita no Paraná aumentou nos últimos anos: de 2,9 para cada 1.000 nascidos vivos registrada em 2014, passou para 4,1 em 2015; para 4,7 em 2016; para 5,6 no ano de 2017; e para 5,8 em 2018.


"Estamos trabalhando para a eliminação da transmissão vertical e os municípios estão envolvidos no projeto. Hoje, o Paraná apresenta 177 municípios elegíveis para a certificação. São cidades localizadas nas macrorregionais Leste, Oeste, Noroeste e Norte”, diz a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Acácia Nasr.


Sífilis congênita – Segundo a médica Acácia Nars, muitas são as causas para o aumento dos casos as sífilis congênita. "Destacamos a desinformação acerca do assunto, a automedicação, o descuido no uso de preservativos e a qualidade da atenção à gestante. É preciso que a grávida faça pelo menos seis consultas no pré-natal e um teste para detectar sífilis por trimestre no período gestacional e no parto”, disse.

São complicações da doença: aborto espontâneo, parto prematuro, má-formação do feto, surdez, cegueira, deficiência mental e/ou morte ao bebê no nascimento.


Compartilhar nas redes:

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade