Pesquisar

Canais

Serviços

- Gustavo Carneiro/Arquivo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Queda dos casos

UPA do Sabará deixará de atender apenas casos de Covid-19 a partir de segunda

Pedro Marconi - Grupo Folha
04 mai 2022 às 16:18
Continua depois da publicidade

A secretaria municipal de Saúde vai promover uma nova reorganização da rede assistencial em Londrina, desmobilizando praticamente as últimas estruturas que seguiam com atendimento especial por conta da pandemia de Covid-19. A partir de segunda-feira (9), a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do jardim Sabará, na zona oeste, voltará a ser de urgência e emergência, ou seja, deixará de recepcionar apenas casos suspeitos e confirmados de síndromes respiratórias.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Com a mudança, as pessoas com sintomas de coronavírus deverão procurar as próprias UBS (Unidades Básicas de Saúde), os prontos atendimentos, a UPA do jardim do Sol e também a Sabará. “A Covid não vai deixar de existir, vamos precisar aprender a conviver com o vírus. Evidentemente que a pessoa que tiver sintomas gripais deve usar a máscara e ir até a unidade com a proteção, que vamos nos organizar para atender a demanda”, destacou Felippe Machado, secretário municipal de Saúde.

Continua depois da publicidade


Machado afirmou que a decisão levou em conta os baixos índices de transmissão da doença, casos positivos, internações e mortes. Na terça-feira (3), a média móvel de novos casos, levando em conta os últimos sete dias, foi de 94. Os londrinenses terão à disposição nos postos e nas UPAs a possibilidade do testo rápido, se houver orientação médica. Os prontos atendimentos do Leonor, região oeste, e Maria Cecília, norte, vão não oferecer a testagem por conta estrutura física.


“O teste rápido tem eficiência de 96% em relação ao PCR e isso nos dá total segurança em relação ao resultado. O protocolo foi atualizado recentemente pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) e o RT-PCR (que é considerado o padrão ouro) é indicado somente para grupos específicos, como gestantes, idosos com comorbidades e a não para a população em geral”, elencou. 


Continue lendo na Folha de Londrina.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade