Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Qualidade de vida

Expectativa de vida do brasileiro alcança 71,9 anos

Redação - Bonde
01 dez 2006 às 11:32
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A expectativa de vida do brasileiro alacançou os 71,9 anos em 2005. Em relação a 2004 houve um acréscimo correspondente à quinta parte de 1 ano, ou seja, 2 meses e 12 dias. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitica (IBGE).

O Distrito Federal lidera o ranking da maior esperança de vida - 74,9 anos. Em contrapartida, Alagoas - 66,0 , ocupa o último lugar.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Outros dados de destaque na pesquisa são a redução da mortalidade infantil e o aumento da população idosa no país, que também são responsáveis pelo sustento da família.

Leia mais:

Imagem de destaque
Gesto de amor

Banco de sangue do HV da UEL precisa de doadores

Imagem de destaque
Feng Shui

Como criar um ambiente mais saudável para seus filhos

Imagem de destaque
149 casos ativos

Londrina registra 11 casos de Covid-19 neste sábado e nenhum óbito

Imagem de destaque
26 novos casos

Londrina acumula 129.924 casos e 2.485 óbitos pela Covid-19


Segundo a pesquisa, no Brasil, entre 2000 e 2005, a taxa de mortalidade infantil reduziu-se em 14,3%, ao declinar de 30,1%, para 25,8%. No Paraná, ocorreu uma redução de 16,7% neste período de cinco anos.

Publicidade


Em 2000, segundo os dados do IBGE, a cada mil crianças nascidas vivas no Paraná, 24 morriam antes de completar o primeiro ano de vida. Em 2005, esse número baixou para 20.


A população do Brasil em 2000 superou os 169 milhões de habitantes, correspondendo a um incremento de 15,7% em relação à população residente no País dada pelo Censo Demográfico de 1991 (146,8 milhões de habitantes). Com isso, ao longo da década de 1990 o ritmo de crescimento médio anual da população foi de 1,6%. Já o segmento de 65 anos ou mais de idade, no mesmo período, elevou-se em 41%, com uma taxa média de crescimento anual próxima aos 4%.


Em 2000, das 9,9 milhões de pessoas nesta faixa etária, 6,4 milhões eram responsáveis por suas respectivas famílias. Em 1991, eram 4,3 milhões de responsáveis por famílias. Com estas cifras, constata-se que o aumento relativo do número de responsáveis com 65 anos ou mais de idade, no período 1991 – 2000, foi de 47,6%. Em termos absolutos, os não responsáveis pelas famílias, em ambos os momentos, eram praticamente a metade dos declarados como responsáveis.

Na década de 1990, aumentou em 47,5% o número de idosos responsáveis pelas famílias.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade