Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Sem libido

O que fazer quando ele está sem desejo?

Sexo&Comportamento-Folha de Londrina
19 mar 2010 às 19:31
Continua depois da publicidade

A libido é o outro nome dado ao desejo sexual. No homem, a sua diminuição pode estar relacionada à influência de vários fatores, orgânicos ou não-orgânicos (psicológicos).

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Pesquisa recente realizada para a investigação da disfunção erétil mostrou que cerca de 10% dos brasileiros apresentam este sintoma, sendo que na Europa este número pode chegar a 30%. A tendência para os próximos anos é de um aumento nestas cifras, devido, principalmente, ao envelhecimento da população e ao estilo de vida estressante levado atualmente.

Continua depois da publicidade


Os fatores psicológicos são as causas mais comuns na diminuição do desejo sexual. Dificuldades financeiras, conflitos no trabalho, problemas familiares, desentendimentos com a parceira... Tudo isso pode culminar na perda da libido. Situações de estresse no homem geralmente afetam o desejo sexual, podendo levá-lo a não se interessar pela parceira por longos períodos.


Outros distúrbios psíquicos mais profundos também podem ser responsabilizados: situações traumáticas ou de abuso sexual, mensagens anti-sexuais durante a infância, comportamento sedutor por parte dos pais, dificuldade em unir amor e sexo na mesma pessoa, competição temida entre o pai e a mãe, entre outros.


Das causas orgânicas, a mais conhecida e estudada hoje é a diminuição da testosterona. Com o envelhecimento, é natural que ocorra uma queda gradativa nos níveis séricos de testosterona, principalmente após os 50 anos.

Continua depois da publicidade


Em alguns pacientes, esta queda pode ser mais acentuada e gerar problemas na esfera sexual, como impotência e perda do desejo. Por meio de uma conversa dirigida e com a ajuda de exames específicos, o médico pode detectar os homens que se beneficiarão da reposição de testosterona. A terapia é feita através de injeções mensais ou trimestrais e tem um bom resultado na maioria dos casos.


Outras doenças também podem cursar com a diminuição da libido: depressão, distúrbios da tireóide e hipófise, alterações genéticas hereditárias, insuficiência renal e hepática. Do mesmo modo, algumas medicações podem interferir no desejo sexual, tais como bebidas alcoólicas em excesso, maconha, algumas classes de anti-hipetensivos e antidiabéticos, e também, paradoxalmente, algumas drogas antidepressivas.


É importante lembrar que as substâncias ditas ''afrodisíacas'' na cultura popular, como ginseng, ovo de codorna, vitamina E, amendoim e cerveja preta não apresentam comprovação científica na melhora da libido masculina.

Juliano Plastina, urologista e membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade