Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Em Vernissage-Fantasma, quem for Médium será Rei

08 fev 2018 às 11:44
Continua depois da publicidade

Dando seqüência ao receptáculo de absurdos, tecerei um breve comentário sobre outro fato (Outra Lenda, obviamente!) que teria transcorrido numa cidade muito importante, de um mundo distante e fantástico, envolvendo criaturas de seu "grand monde" (alta sociedade)

Tariii Tarááá, pobre pobre Filosofia!!!... Bando de letrinhas que etimologicamente carrega os termos gregos: filos (amigo) e sofia (sabedoria). Heródoto de Halicarnasso (484 – 425 a.C.) teria, pela primeira vez, utilizado-a sob a forma verbal: "filosofar", querendo dizer: "empregar todas as forças por obter conhecimentos". Um século antes, Pitágoras de Samos já havia se assenhoreado do vocábulo para descrever o seu próprio ofício: "de alguém que vive a estudar e a pregar a sabedoria". Sem dúvida, já naquela época, os sábios-professores procuravam abrir os olhos de seus seguidores e de todas as gentes, atingindo, na verdade, um reduzidíssimo grupo de ouvintes. De lá pra cá a quantidade de néscios ("tongos" e "dârdi-dârdis") vem povoando a Terra em progressão geométrica, deixando aqueles (as) que buscam colocar em prática a arte de viver bem (e de permitir o mesmo para o próximo) - o que trata a Filosofia -, sempre, sufocados numericamente em bastiões isolados. Bom, só para completar esse primeiro parágrafo, admite-se que o primeiro filósofo grego tenha sido Tales de Mileto (por volta de 624 – 546 a.C.), um dos integrantes da controversa lista dos chamados "Sete Sábios da Grécia".

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Num tempo em que não havia telescópio, microscópio, nenhuma máquina que pudesse auxiliar o homem em suas pesquisas e descobertas científicas, Tales – apenas com o seu cérebro e capacidade imagética e de observação – prenunciou que todas as coisas advêm da substância original: água. Ora, até nos dias hodiernos a teoria mais aceitável sobre a origem das espécies animais confirma a hipótese talética. É mole?! Querem mais? Existiu um outro "doido" (filósofo, pra variar), trácio de nascimento, que aprendera com o mestre Leucipo (V século antes de Cristo): o Atomismo, e o elaborou e sistematizou; seu nome: Demócrito (c. 460 – 370 a.C.). Os dois presumiram a existência do átomo! Demócrito teve também o vislumbre de declarar com convicção que as coisas vivas (incluindo os seres humanos), no princípio, brotaram da lama. Não sei se posso concordar com esta asseveração, mas tenho a certeza de que a besta humana muito fez para se encontrar atolado nela.

Continua depois da publicidade

Vamos à atração principal: inegavelmente, a mais uma demonstração da idiossincrática capacidade "evolutiva" humana de superar as suas incríveis imbecilidades precedentes. Relata a tradição oral que numa cidade universalmente poderosa (o que em termos terráqueos poderia se equiparar, por exemplo, a: New York), um importante (e renomadíssimo, e reconhecidíssimo) "artista" organizou uma exposição de um modo "pós-ultramodernista jamais visto", literalmente. Escolheu um lugar chiquérrimo, convidou a fina flor da sociedade e imprensa badalativas, e apresentou as suas fantásticas obras (esculturas, pinturas) invisíveis à venda. Desnecessário dizer que foi um sucesso absoluto. O genial espertalhão (Oh, desculpem-me!): "artista" encheu os bolsos, os seus privilegiados admiradores ficaram felizes com todas as compras que puderam realizar. Que inveja de não fazer parte desse mundo utópico, perdendo a chance de adquirir maravilhosos objetos artísticos de alguém tão superior, e o melhor de tudo: pagando com meus soberanos (libras esterlinas) e/ou cartões de crédito... Invisíveis.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade