Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O Supergênio "Maluco Beleza" - Parte II

08 fev 2018 às 11:48
Continua depois da publicidade

Só pra variar, Pitágoras - um ser humano deveras incomum por sua descomunal e destacada inteligência - viria a colecionar mais um desterro em seu currículo pois inventa de fundar uma espécie de escola, confraria, ou ainda, um centro cultural, onde as mulheres podiam exercer funções em pé de igualdade com os homens e seus internos (como franciscanos capuchinhos mais fervorosos) devem possuir um amor universalista

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A "Escolinha do Professor Pitágoras" sediada em Crotona (Itália, na antiga Magna Grécia), por muitos pesquisadores, é considerada a primeira faculdade do Mundo. Abriga e atrai a "nata" dos filhos das "melhores" famílias da região. Nela se instaura uma rigorosa autodisciplina que podia castigar com a morte qualquer um que revelasse ensinamentos proibidos à coletividade (o chamado voto de silêncio).

De certa maneira, Pitágoras tenciona uma reforma moral, conquanto não se interfira na estrutura econômica e social vigente; ele é favorável ao modelo oligárquico de política, ponto este que diverge da conhecida "Sociedade Alternativa" de Raul Seixas, defensora da total liberdade de expressão.

Os pupilos passam a residir nas dependências da escola, logo, denominando-se pitagóricos. Devido a isso, talvez, tenha-se aí mais uma criação do genial Pitágoras: o primeiro exemplo de "monastério" do Mundo. Ensina-se: Aritmética, Geometria, Música, Astronomia, Religião, Moral, Filosofia e, há a inclusão de um regime alimentar vegetariano, proibindo a ingestão da carne de animais que não servissem de oferenda aos Deuses (nesse outro quesito, pode antagonizar-se, novamente, com Raul Seixas e seu modelo de conduta coletiva, que permite o consumo de parte mole e comestível de qualquer animal). Todos os residentes pitagóricos são despojados de seus bens pessoais e têm as refeições compartilhadas no mesmo horário e local.

O mestre Pitágoras confere à Música especial atenção, associando-a aos números e à Mística (estudo das coisas divinas e do espírito); a progressão harmônica utilizada no ensino de teoria até nos dias atuais, encontra nessa união a sua origem. Reforçando o dito no primeiro capítulo: costuma-se atribuir ao supergênio a descoberta da base da Acústica e das proporções numéricas que sustentam a Escala da Primeira Arte (Música). Os cânticos dirigidos aos Deuses com o emprego da lira servem para curar os males do corpo e da alma. Assim como, a recitação de poemas e/ou versos incumbe-se de forçar a memória dos aprendizes.

Aproveito o parágrafo para dispor a opinião de outro supercérebro universal acerca da Música. Deixo a palavra – ou melhor, a idéia - com o filósofo alemão (prussiano) Arthur Schopenhauer (1788-1860). Para "Shop", ela é a mais importante das Artes porque exprime a vontade humana em toda a sua extensão e força. Serve como um poderoso meio de libertação. Fantástico esse raciocínio!!! Apenas tenho lá minhas dúvidas em relação ao grau de importância em face das demais Artes (Dança, Pintura, Escultura, Teatro e Literatura; o Cinema ainda não havia nascido).

Como não poderia deixar de ser, a "Sociedade Alternativa de Pitágoras" vem a incomodar muita gente. A galera dos setores menos favorecidos da população, que não se conforma com o "empino de nariz" dos pitagóricos (cônscios de sua superioridade intelectual), resolve botar para quebrar. Fecha-se o tempo, finalmente, a patuléia desvairada promove o desterro (de Crotona) de um dos homens mais sapientes de toda a maculada e sem-vergonha História da Humanidade. De um homem que quando enviado até Mileto ou Miletus (cidade grega encravada na costa ocidental da Turquia, próxima da Ilha de Samos) para aprender com Tales (um dos "Sete Sábios da Grécia Antiga") acaba ensinando o ilustre lente. De um homem que, simplesmente, exerceria profunda influência sobre: Platão, Parmênides, Euclides, Johannes Kepler, Isaac Newton... Tá bom, ou faz-se mister citar mais algum "nomezinho"?!?!?!

Pitágoras, desenganado com os homens e já na vetustez, teria deixado o Mundo dos Vivos mais ou menos no ano 497 a.C. em Metaponto (no sul da Itália e na Magna Grécia, de novo)... Onde consegue exílio e paz... Bem distante do nefasto convívio humanal.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade